Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

17/11/2015

Caravaggio – O Pincel e a Espada














Há autores que parecem melhorar com os anos. Manara – como Hermann – é um deles e a primeira parte deste ‘seu’ Caravaggio demonstra-o à saciedade.

Pode ser a passagem do tempo – a experiência ganha? a maturidade adquirida? a possibilidade de se dedicar ao que verdadeiramente o move? - a responsável por esta magnífica obra, com a qual Manara pretendeu um dos pintores que mais o influenciaram, mas de uma ou outra forma, nós, leitores, só temos que ser gratos por isso.
Biografia fiel – à luz do que hoje dele sabemos – de Caravaggio, com um inevitável – mas contido - toque ficcional, O Pincel e a Espada narra-nos a chegada a Roma de Michelangelo Merisi da Caravaggio (1571-1610), a sua ascensão no meio artístico como retratista único e admirável, capaz dos mais surpreendentes enquadramentos – quase cinematográficos, como refere Claudio Strinati, historiador de arte, no prefácio – e de um aproveitamento ímpar dos efeitos de luz.
Frenético, impulsivo, conflituoso, responsável pelo despertar de grandes paixões que sempre secundarizou em função da (sua) arte e ignorando os conselhos sensatos de mentores, patrocinadores e amigos, Caravaggio viveu de forma irreflectida, dia a dia, acabando por entrar em conflito com o poder religioso que tanto o protegeu, ao utilizar uma prostituta morta como modelo para o seu (magnífico e provocador) O Retrato da Virgem.
A resolução de conflitos antigos à força da espada – que utilizava com (quase) igual mestria que o pincel… - foram a gota de água que provocaram a sua fuga de Roma, com que termina o actual volume.
Manara, contido – mas não limitado – naquilo que fez a sua fama – a sensualidade das suas belas mulheres, o erotismo latente nas suas páginas – surge aqui com um traço realista deslumbrante, como excelente retratista e melhor (?) paisagista – inspirado em quadros de artistas clássicos contemporâneos de Caravaggio - , conseguindo transportar-nos para a Roma de finais do século XVI, uma Roma de contrastes, entre a decadência latente e a opulência dos poderes religiosos, ao mesmo tempo que nos narra uma história viva, cativante e apaixonante.

Nota final
(Boa) estreia na edição - também no que ao objecto livro diz respeito - da nova editora Arte de Autor, Caravaggio – O Pincel e a Espada, mesmo podendo não ter sido primeira escolha, revela-se escolha ajustada não só pela sua qualidade mas também porque trabalha um nicho de mercado – com potencial inegável - ignorado nos últimos tempos. E com uma grande vantagem: está já editado e disponível em tempo útil …

Caravaggio – Primeira parte: O Pincel e a Espada
Milo Manara
Arte de Autor
Portugal, Outubro de 2015
320 x 240 mm, 64 p., cor, cartonado
18,80€

1 comentário:

  1. Excelente livro e edição!
    Fica água na boca para novas edições da Arte de Autor...

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...