Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

16/10/2015

Bruno Brazil: Intégrale 1












Bruno Brazil é mais um dos (grandes) heróis da revista Tintin a merecer a reedição – melhorada e comentada – sob a forma de integral, em mais um passo da editora na direcção dos adultos que em tempos leram a revista e a quem a nostalgia agora bate à porta, tivessem na altura 7 (ou mais) anos e hoje 77 (ou menos) anos.

Como habitualmente, nada há a apontar em termos gráficos a esta bela edição, (bem) complementada com um dossier inicial que situa a obra no trajecto dos seus autores, Louis Albert (aliás Greg) e William Vance, e no seio da revista, no final dos conturbados anos 1960. A nota menos positiva vai para a não inclusão das histórias curtas iniciais de Bruno Brazil – deixadas para o volume final desta reedição integral – o que dificulta a (re)leitura cronológica da série.
Série que, em minha opinião, envelheceu mal, quer pela desactualização tecnológica, quer por alguma ingenuidade narrativa – onde se inclui a existência de uma inimiga recorrente 8e omnipresente), quer pela falta de espessura (ainda) dos intervenientes, quer pela evolução que esta temática – histórias de espionagem e acção – sofreu (para melhor) ao longo de 45 anos. Factores insuficientemente compensados pelo assistir ao nascimento da Brigada Caimão, pela exploração de algumas questões que continuam actuais, pela acção a rodos e pelas situações extremas para as quais Greg arrastou os seus heróis.
Envelhecimento que acaba por ser paradoxal, se tivermos em conta que, no seu tempo, Bruno Brazil foi uma autêntica pedrada no charco ao assumir, pela primeira vez nas páginas da Tintin, um estilo – gráfico e narrativo – claramente realista e moderno, renovando a banda desenhada de espionagem e acção de então e com Vance a explorar (quase) até ao limite os limites da prancha e os encadeamentos de vinhetas.
Aquela é uma opinião a confirmar – espero que não – nos volumes subsequentes, onde, então, surgirá aquele que é, para mim, o verdadeiro (e explosivo) Bruno Brazil, em relatos como A Noite dos Chacais, Sarabanda em Sacramento ou Tudo ou nada: Alak 6.

Bruno Brazil: Intégrale 1
Inclui os álbuns Le Requin qui morut deux fois, Comando Caïman, Les yeux sans visage e La Cité petrifié
Louis Albert (argumento)
William Vance (desenho)
Le Lombard
Bélgica, Setembro 2013
222 x 295 mm, 216 p., cor, cartonado
ISBN : 9782803631018
25,50 €

3 comentários:

  1. Paulo Pereira16/10/15 14:40

    Boa lembrança e já agora uma característica que não era usual para a época: Eliminar na narrativa os heróis, neste caso os elementos da Brigada Caimão, inclusive o irmão do Bruno Brazil. Cumprimentos Paulo Pereira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida Paulo, o Sarabanda em Sacramento e, principalmente, o Tudo ou Nada: Alak 6 devem ter destroçado muitos leitores, incrédulos perante o que era mostrado aos seus olhos...

      Boas (re)leituras!

      Eliminar
  2. Nunca li Pedro, mas depois de ter apreciado a arte de William Vance no magnifico XII, é garantia de qualidade, até poderia ser, quem sabe, uma das próximas parcerias Público/ASA...

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...