Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

20/08/2015

Descansa em paz, Ric Hochet!














Um dia depois de ter chegado ao fim a colecção Os Piores Inimigos de Ric Hochet, disponibilizada pela ASA e pelo jornal Público ao longo das últimas 12 semanas, volto ao seu início e àquele que foi, sem dúvida, o álbum mais interessante desta parceria.

[O que não invalida que Contra o Carrasco, A pista vermelha e Chegou a tua hora, Ric Hochet!, não sejam leituras bastante recomendáveis.]
Adversário confesso da retoma de heróis clássicos por novos autores, em especial depois da sua paragem, com intuitos (antes de tudo) evidentemente comerciais, confesso que as primeiras notícias deste regresso de Ric Hochet – meu herói da adolescência – me desagradaram. As primeiras críticas positivas ao argumento de Zidrou e a incontornável curiosidade, criaram o estímulo (apesar de tudo des)necessário para fazer esta leitura.
E, a verdade, é que uma vez concluída, declaro-me rendido à forma inteligente como Zidrou revisitou o mito, numa aventura que é antes de mais uma bela homenagem ao herói de Duchateau e Tibet.
A história começa com o regresso do Camaleão, que assassina o herói e assume a sua idenidade. Bem construída por Zidrou - cada vez mais um argumentista incontornável no panorama franco-belga actual - está retocada com os elementos habituais da série – o regresso de um grande inimigo, as suspeições em torno de Ric, mistério e acção em doses bem combinadas – bem como citações de diversas aventuras (cronologicamente) anteriores.
Para além disso, introduziu na sua história como referências aquilo que os mais críticos apontam a Ric Hochet: a ingenuidade narrativa, o ser herói perfeito, alguma linearidade dos argumentos. Finalmente, deu densidade a personagens (semi-)secundárias como o comissário Bourdon (com um passado suspeito) e Nadine – embora seja excessiva e fora de contexto a cena de cama que ela protagoniza. Como excessivo e pouco credível é o tempo que Ric passa pendurado de cabeça para baixo…
A par destes dois pormenores, ficam outros dois aspectos menos conseguidos em Descansa e paz, Ric Hochet!: o desenho de Van Liemt, demasiado amador e (embora compreensivelmente) distante do original, e as notícias recentes que apontam este álbum como primeiro de algo como “As Novas Aventuras de Ric Hochet”, o que inevitavelmente acabará por despojar este álbum do seu bem conseguido tom de homenagem.

Descansa e paz, Ric Hochet!
Os Piores Inimigos de Ric Hochet #1
Zidrou (argumento)
Van Liemt (desenho)
ASA/Público
Portugal, 3 de Junho de 2015
220 x 290 mm, 56 p., cor, brochada com badanas
5,40 €

2 comentários:

  1. Anónimo2/9/15 12:25

    Sabe qual a próxima colecção público de bd?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda é cedo para falar disso, Para já há que aproveitar a colecção Poderosos Heróis Marvel actualmente em curso.

      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...