Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

15/07/2015

Finalmente o Verão








Sendo já uma das surpresas aos quadradinhos deste verão – com a chancela da Planeta Tangerina, que tem como imagem de marca o cuidado gráfico posto nas suas edições - Finalmente o Verão, ganha relevância – a que cada um quiser, claro… - pelo facto de ter sido há dias distinguido com o Eisner para Melhor Álbum Gráfico (Inédito)[, integrando um palmarés onde também se encontra Saga (Melhor Série) e Blacksad: Amarillo (Melhor Edição Americana de Material Estrangeiro), também editados em português, respectivamente pela G. Floy e a Arcádia], para além de estar igualmente nomeada para os Harvey Awards
É mais uma obra de leitura obrigatória, num mês de Julho que se tem revelado rico em surpresas, como raramente esta época o foi alguma vez, no que à edição de BD em Portugal diz respeito.

[E não dispenso novo parêntesis, para relembrar as obras editadas que justificam o parágrafo anterior: O Árabe do Futuro (Teorema), Parker: O Caçador (Devir) e Star Wars: Saga Completa (Planeta). E o mês não vai ficar por aqui…]

Evocação de férias infanto-juvenis, aquelas que todos nós temos como (d)as mais memoráveis de sempre, Finalmente o Verão – pelo tempo da acção, uma história bem apropriada para a época estival – narra o regresso de Rose a Awago Beach para mais umas férias de estio passadas com a sua prima Windy, ano e meio mais nova. Só que, desta vez, essa diferença de idades vai fazer diferença e se até então ambas tinham interesse comuns, agora Rose começa a ter outros interesses e motivações que Windy nem sempre acompanha. Se as pequenas transgressões ainda são feitas a duas – os filmes de terror visionados apesar de proibidos, os palavrões, algumas mentiras… - outras questões há em que o fosso já começa a cavar-se. A juntar a tudo isto, a relação tensa entre os pais de Rose – e da mãe em relação a todos os outros – vai provocar alterações significativas e deixar marcas indeléveis em dias que deviam ser de lazer e despreocupação.
O despertar das hormonas, relações adolescentes, falta de comunicação entre casais, gravidezes (in)desejadas (ou não) e a necessidade de afirmação, são os temas que vão balizar aqueles dias de férias, vistos – e mostrados – (quase sempre) pelo olhar adolescente das protagonistas.
A força do livro reside principalmente em dois factores. Em primeiro lugar na credibilidade e na consistência do retrato dos – das! – protagonistas, as amigas Rose e Windy. Depois, pela mestria evidenciada na gestão dos tempos narrativos pelas autoras, (as primas) Jillian e Mariko Tamaki que, jogando apenas com os (ajustados) diálogos – ou com a ausência deles… - e com as dimensões das vinhetas – que podem chegar à dezena por página ou brilhar em página dupla – conseguem acelerar, reduzir pu mesmo parar a passagem do tempo. Dessa forma, acentuam momentos, acções, reacções ou emoções, realçando pormenores significativos mais à frente ou o momento presente que surge exposto aos nossos olhos e fazendo, dessa forma, avançar a história ao ritmo que pretendem.
História que, acredito, alguns considerarão desinteressante ou banal – acusando mesmo de nada se passar – mas que se revela plena de contradições, dúvidas, incertezas, fugas e fragilidades, como só a vida real – mesmo que transposta para quadradinhos – pode ser.

Finalmente o Verão
Colecção Dois Passos e Um Salto
Mariko Tamaki (argumento)
Jillian Tamaki (desenho)
Planeta Tangerina
ISBN: 9789898145666
150 x 215 mm, 332 páginas, pb, brochada com badanas, 18,90 €

2 comentários:

  1. Bom texto Pedro. Uma precisão: as protagonistas não são primas, antes amigas, companheiras de férias de verão, ao menos na minha edição (1ª edição da 1st Second). Uma informação: o livro também ganhou o Ignatz de 2014. O Ignatz é somente um prémios da BD independente, et pour cause...Tanto quanto sei, foi a 1ª vez que um romance gráfico ganha simultaneamente o Eisner e o Ignatz. Já agora, as autoras são canadianas, mas seria engraçado saber qual a sua ascendência, já que, IMHO, o livro tem alguma influência estática do manga. E parabéns à 1st Second por mais esta bela edição!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro RC,
      Obrigado pelo elogio e também pela atenção. tens toda a razão e já fiz a correcção devida no texto.
      Os prémios valem o que nós quisermos, mas mediaticamente são sempre importantes. o Ignaz estava referido no lançamento que fiz do livro, o Eisner surge agora mais importante pela sua actualidade.
      Quanto ás autoras, parece que têm ascendência japonesa, mas a inegável influência manga virá possivelmente mais das leituras que fizeram - nas fotos que a Planeta Tangeriona disponibiliza na ficha técnica do livro parecem relativamente jovens - do que da sua origem.
      Não conheço a edição a First Second - que costuma apresentar livros muito interessantes - mas acho que a Planeta Tangerina também fez jus à sua tradição de bons objectos gráficos.
      E que venha o próximo!

      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...