Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

20/04/2015

Em busca de Peter Pan






Este é um romance (gráfico) de construção clássica, cuja acção decorre na década de 1930.
O seu protagonista é Sir Melvin Woodworth um bem-sucedido escritor - possivelmente não poderia ter outra profissão… - em busca de inspiração para o seu terceiro romance.
Inspiração que busca nas majestosas e imponentes paisagens alpinas do Valais, que servem de fronteira natural entre a Suíça – onde se desenrola a maior parte da narrativa – e a Itália, que, primeiro, lhe servirá de porto de abrigo e, depois, de porta para a descoberta de um novo mundo.


A escolha daquele local, recanto do paraíso perdido no espaço e no tempo, que vive os seus últimos dias devido á ameaça de um glaciar deslizante, não foi fortuita, pois Sir Melvin procura também saber mais sobre o percurso do seu meio-irmão mais velho, Dragan, já desaparecido, pianista e aventureiro, cujo exemplo seguiu na saída da casa paterna para ir atrás dos seus sonhos, e cujas últimas notícias chegaram daquela zona.
Procura-o, guiado por antigas referências, sem saber que mais do que mergulhar nas suas memórias, fará um percurso paralelo, embora naturalmente deslocado no tempo, quase trilhando os mesmos passos do seu irmão, o seu Peter Pan, figura tutelar e inspiração assumida cuja sombra – a palavra foi conscientemente escolhida - esvoaça por toda a obra.
Aliás, a obra de J. M. Barrie – o “Peter Pan” original – nos anos 30 ainda não celebrizada através da (mais) delicodoce versão animada dos estúdios de Walt Disney, tem influência determinante neste romance, pois são citações dessa obra que abrem cada capítulo e, de alguma forma, balizam os seus desenvolvimentos.
Para além da busca da inspiração e do rasto do irmão – e, inerentemente, de alguma forma, de si próprio – há também um confronto – submisso, respeitoso e maravilhado – com a Natureza, cuja acção, aliás, acabará por ser determinante para o desfecho desta história. Por isso, sucedem-se os longos passeios contemplativos, a que não faltam – intuímos nós leitores - o admirar do brilho do sol nas montanhas geladas, o escutar dos sons dos animais ou o desfrutar dos cheiros das plantas.
Tudo realçado pela utilização de uma planificação diversificada, com os enquadramentos a multiplicarem-se para revelarem a imponência das paisagens alpinas, o protagonismo das montanhas cobertas de neve e uma paleta de cores suaves assumidamente limitada – aos tons brancos, azuis, laranjas e cinzentos – que realçam os sentimentos e as emoções, muitas vezes sem necessidade de recorrer aos diálogos, frequentemente substituídos por um silêncio que se mostra tão ou mais revelador.
Neste romance gráfico de inspiração clássica – patente na gestão pausada do tempo da acção, na relação que nele o(s) homem(ns) estabelece(m) com a Natureza ou no desfecho final, que me abstenho de adjectivar ou comentar para não retirar prazer à leitura – marcam também presença, de forma indelével, duas outras personagens cuja acção e destino são fundamentais para o seu desenrolar e para o seu desfecho.
O primeiro, é o velho Baptistin, figura marcante e tutelar, lenda viva – e quase herói… - local, contrabandista, falsário e anarquista, exemplo de autodeterminação e de perseguidor da liberdade, cujos sonhos comandaram a sua vida e cujo exemplo marcará – de forma similar, embora em momentos diferentes – a vida dos dois irmãos. E cujo fim, é uma metáfora – tristemente? – irónica que ilustra como tantas vezes atingimos – só em sonhos? - os sonhos que passamos a vida a perseguir…
A par dele, por razões que deixo aos leitores descobrirem, - de algum modo como complemento mas também como contraponto - está a bela Evolena, que aparece na vida de Sir Melvin quase como miragem ou visão feérica no meio da imensidão da montanha, prendendo de imediato a sua atenção. Ingénua – enquanto o deseja -, refrescante e sedutora, com o seu riso cristalino, o seu à-vontade e a sua vivacidade, faz com que ele recentre a sua vida, elegendo um novo alvo para a sua busca e novos objectivos, levando-o a perceber que por vezes é necessário redescobrir o passado para poder escrever o futuro.
É este trio – que a sombra de Dragan (leia-se Peter Pan…?) transforma em quarteto – que protagoniza um relato simples, calmo e tranquilo, com um toque de onírico, que é uma ode ao ser humano, ao amor, à amizade e à sua relação com a Natureza, na sua busca - que se revela legítima – da felicidade.


(Extracto da introdução escrita para o livro)

Em busca de Peter Pan
Cosey
Levoir/Público
Portugal, 16 de Abril de 2015
210 x 270 mm, 140 p., cor
capa dura, 9,90 €

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...