Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

13/03/2015

Batman: 75 anos de aventuras








Sai hoje, com o semanário Sol, o décimo e último volume da colecção Batman 75 anos, que a Levoir propôs ao longo das últimas semanas.
Depois de algumas das obras mais importantes dos 75 anos aos quadradinhos do Homem-Morcego – como Ano Um, Asilo Arkham ou O Regresso do Cavaleiro das Trevas, especialmente – a colecção termina com um volume que também a podia ter iniciado - e com o desenho das lombadas completo, para felicidade de alguns...

Na verdade, este último tomo é uma compilação de histórias, cuja principal relevância está na forma como revelam como foi o Batman ao longo dos tempos, começando pela sua história inaugural, assinada por Bob Kane e Bill Finger
Desde então e até aos nossos dias, foram muitas as faces, os géneros e as temáticas que o Homem-Morcego protagonizou, e muitos os grandes autores que passaram pelas suas páginas, somando ao seu historial os seus processos narrativos pessoais e saindo com o currículo enriquecido por essa passagem pelo alter-ego de Bruce Wayne.
O que atrás escrevi não invalida que aquela narrativa, pelo interesse documental, ou outras como O Batman do Amanhã!, O Segredo das Sepulturas Vazias ou Crise de Identidade, não mereçam ser lidas só por si, num volume que será de descoberta para muitos dos leitores.

Deixo a seguir a nota de imprensa da editora bem como mais algumas imagens por ela fornecidas.

Com este volume celebramos 75 anos de um dos maiores super-heróis de todos os tempos, Batman, o Cavaleiro das Trevas. Uma viagem ao longo de sete décadas de aventuras do Homem-Morcego, contadas por alguns dos maiores nomes dos comics de todos os tempos.

"Criminals are a superstitious cowardly lot. So my disguise must be able to strike terror into their hearts. I must be a creature of the night, black, terrible... a... a... a bat! That's it! It's an omen. I shall become a bat!"

Batman é um dos maiores super-heróis de todos os tempos, juntamente com o seu companheiro na DC, o Super-Homem. Mas ao contrário deste último, o Batman tem vindo a apresentar inúmeras facetas e personalidades distintas ao longo dos seus 75 anos de existência: Cruzado da Capa, Cavaleiro das Trevas, Maior Detective do Mundo, herói de acção, super-herói equipado com uma espantosa panóplia de gadgets, mestre absoluto do planeamento e da antecipação, o Homem-Morcego tem tantas imagens e personalidades quantos os autores que criaram as suas aventuras. E é essa diversidade e riqueza que festejamos neste volume, que reúne 11 histórias de sete décadas diferentes, de alguns dos nomes que marcaram a evolução do Batman.

A origem do Batman é-nos contada pela dupla Jeph Loeb e Jim Lee, em "A Lenda do Batman" (originalmente publicadas por ocasião do lançamento de Batman:Hush), em duas páginas que são uma homenagem às duas que Bob Kane e Bill Finger apresentaram em Detective Comics #33 ("The Batman and How He Came to Be"), que inauguram o volume; a que se segue a primeira história de sempre do Batman, também de Bob Kane e Bill Finger, "O Caso da Empresa Química" (de Detective Comics #27, 1939).

"O Furo do Século", da dupla Bill Finger e Jim Mooney, é a história em que surge pela primeira vez a repórter Vicky Vale, que se viria a tornar num dos membros da Bat-família, e num interesse amoroso de Bruce Wayne (Batman #49, 1948). "O Batman do Amanhã!" é uma história desenhada por Dick Sprang, com argumento de um dos maiores escritores da F_C pulp de sempre, Edmond Hamilton, um dos mestres da space-opera juvenil dos anos 40 e 50, e que foi um influente autor da DC nesse período (Detective Comics #216, 1955).

Seguem-se "O Mistério da Máscara Ameaçadora", de John Broome e Carmine Infantino (Detective Comics #327, 1964) e "O Segredo das Sepulturas Vazias", uma história em registo de terror sobrenatural, quase ao estilo da revista Creepy, com desenho de Neal Adams e argumento de Dennis O'Neill, uma das mais importantes duplas de criadores do Cavaleiro das Trevas (Detective Comics #395, 1970). "A Morte plana pelo Céu Assombrado" (Detective Comics #442, 1974), de Archie Goodwin e Alex Toth, e "O Ricochete do Pistoleiro" (Detective Comics #474, 1977), de Steve Englehart e Marshall Rogers, são mais duas histórias a representar os anos 1970, uma das décadas que assistiu a mais transformações no Batman.

Segue-se uma história ilustrada por um dos maiores nomes dos comics, e dos mais associados ao Cavaleiro das Trevas, Frank Miller: "Procura-se Pai Natal - Morto ou Vivo!", com argumento de Denny O'Neill (DC Special Series #21). Finalmente, duas histórias que representam os anos 1990 e 2000. "Crise de Identidade" tem argumento do britânico Peter Milligan, um dos grandes dos comics mais adultos - argumento e marca, aliás, numa história que questiona de modo perturbador a sanidade de Bruce Wayne - com arte de Tom Mandrake (Detective Comics #633, 1991); e "Gente Bonita" (Detective Comics #821), que faz parte da sequência de histórias que Paul Dini escreveu (e que pudemos ler no sétimo volume da colecção, Batman: Detective), mas desta vez ilustrada por um dos melhores desenhadores da actualidade, J.H. Williams.

Batman: 75 Anos de Aventuras
Colecção Batman 75 anos
Vários autores
Levoir/Sol
Portugal, 13 de Março de 2015
180 x 265 mm, 168 p., cor, cartonado

8,90 €

6 comentários:

  1. Sem Bane e Quebrar o Batman como no hc DC!!!Que tem muito mais paginas.
    Muito material datado,e as decadas 80,90,2000 quase ignoradas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Optinmus,
      A selecção é discutível, sim, embora ignoremos quais os constrangimentos a que a Levoir esteve sujeita para a fazer...
      Quanto ao resto, tens uma BD de cada década, que era a ideia deste volume...

      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Sem dúvida a pior compilação de histórias do Batman.
    teria sido muito melhor um álbum dedicado ao earth one ou sobre a nova dupla Scott Snyder e Greg Capullo (corte das corujas; morte em família ; ano zero).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jony da Costa,
      Complementando a resposta que dei acima ao Optimus, todos nós teríamos feito uma selecção diferente... se a DC deixasse!

      Boas leituras!

      Eliminar
  3. A sério que há 'doentinhos' que dão saltinhos por a lombada formar um logotipo rasca? Santo Eisner, há com cada um.

    Sim, há que concordar que esta foi a pior colecção da Levoir até agora. Pãozinho sem sal a 100 por cento. Ainda bem que a DC só volta a celebrar o Batman daqui a 5 anos.

    Já se percebeu que há alguém na Levoir que gosta muito de Batman, mas espero que em próximas colecções DC o Batman apareça muito menos. É que já não há pachorra para mais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cesáruo,
      Sim, há quem compre colecções pela forma como vão 'brilhar' na estante. E o truque da lombada passa também por aí e por levar quem já tem alguns títulos a comprar os restantes para completar o desenho!
      Lembro-me de há uns anos, quando estavam na moda as enciclopédias e colecções vendidas de porta em porta, de atender um vendedor, que começou por elogiar o acabamento das encadernações em pele, o tamanho dos livros, os títulos impressos a ouro, etc... e que ficou perdido na sua lengalenga quando lhe pedi pormenores sobre as obras em si e não sobre a 'embalagem'...!

      Quanto a ser a pior colecção da Levoir, depende mais uma vez do gosto de cada um... Agora considerar má uma colecção que inclui Ano Um, Asilo Arkham, O Longo Halloween ou O Regresso do Cavaleiro das Trevas parece-me excessivo...
      Para mais, há que considerar que no momento era uma colecção (mais ou menos) com estes moldes para aproveitar os 75 anos do Batman ou nada...

      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...