Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

07/01/2015

O estrangeiro

Segundo a obra de Albert Camus
 










Li O Estrangeiro, de Albert Camus, por volta dos 20 anos e foi um livro que na altura me marcou bastante.
Tanto, que não me consegui libertar dessa memória para ler a sua adaptação em banda desenhada por Jacques Ferrandez.


Da leitura do romance de Camus, retive como principal impressão o total desprendimento – quase obsessivo - à vida por parte do protagonista. Numa idade em que estava a despertar para a idade adulta, ainda iludido e cheio de sonhos, a atitude diametralmente oposta de Mersault, o protagonista, impressionou-me e fez-me pensar.
Possivelmente por isso, abordei a versão desenhada de Ferrandez sem me conseguir desligar da leitura feita há tantos anos e à procura dessa mesma imagem forte mas – talvez porque me faltava o desconhecimento da trama que ocorria quando li o romance – não a senti com a mesma força, não me causou a mesma impressão.
Defeito meu ou da obra? Inclino-me mais para a primeira hipótese mas em consciência não consigo responder com clareza. Deixo a resposta a outros leitores deste O Estrangeiro.
Isto não significa que não reconheça valor e interesse a esta banda desenhada e até (?) a capacidade de marcar quem faça a sua leitura sem conhecer o romance original.
Ferrandez, explana a narrativa de forma consistente, apresentando, como Camus, Mersault como que espectador do seu próprio quotidiano, desligado dele e completamente indiferente ao que vai acontecendo: a morte da mãe, o alheamento durante o velório e o funeral, a relação distante e impessoal com o patrão, os vizinhos ou mesmo a sua noiva (?) Marie, a frieza com que abate um árabe ou o consequente julgamento.


Graficamente, se Ferrandez, sem deslumbrar, é um desenhador competente, mostra um maior potencial quando troca o seu traço habitual pela aplicação de cor directa em aguarela e deixa a vontade de ver um álbum todo desenhado assim. As vinhetas em que ele utiliza este estilo, geralmente de foram aberta e indefinida, ilustram paisagens (onde decorrem momentos da acção) da sua Argélia natal – sempre presente na sua obra e daí também (?) a razão desta adaptação – sendo patente uma implicação mais pessoal e íntima na sua execução.

O estrangeiro
Segundo a obra de Albert Camus
Jacques Ferrandez
Arcádia
Portugal, Outubro de 2014
210 x 288 mm, 136 p., cor, cartonado
ISBN: 978-989-28-0081-3
22,50€

1 comentário:

  1. Gosto muito do desenho e da utilização (tradicional) da cor do Ferrandez. Admito que seja uma memória nostálgica, inexplicável, mas é assim. A série Carnets d'Orient é muito boa, mas este não me atrai. Li o romance há alguns anos, não me marcou muito, não vou gastar 20 mocas numa adaptação meramente "competente". O Kongo do Tirabosco foi mesmo uma exceção :-)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...