Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

21/01/2015

Blake e Mortimer: O bastão de Licurgo







Em relação aos novos álbuns de Blake e Mortimer pós-Jacobs, há duas correntes de opinião contrárias: os que os renegam à partida, negando qualquer prolongamento da obra do mestre; os que os recebem de braços abertos, por poderem reencontrar os seus heróis de eleição.
O equilíbrio estará algures numa posição intermédia, mais próxima de um ou outro dos extremos, em função da qualidade das obras apresentadas.
O mais recente - este O Bastão de Licurgo - revela-se um dos mais ambiciosos álbuns de Blake e Mortimer apócrifos – se assim posso escrever. O resultado? Descubram já a seguir.


A minha posição – já o escrevi várias vezes, de diferentes maneiras, por aqui, está bem mais próxima da primeira do que da segunda. Continuo a achar que a retoma de obras de cunho tão profundamente clássico como Blake e Mortimer mereciam algum descanso e que o acrescentar de novos títulos – mesmo quando inspirados - apenas serve para diluir a qualidade do conjunto, despojando progressivamente os álbuns originais da sua aura intemporal.

Li esta obra inicialmente na sua versão originalno formato horizontal, correspondente a uma tira por página e reli-a na versão portuguesa e a primeira impressão – pese tudo o que antes escrevi – até foi positiva.
A ideia de criar uma aventura imediatamente anterior a O Segredo do Espadão – a (agora) trilogia com que Jacobs introduziu a sua dupla de heróis britânicos – revelava-se bastante ambiciosa. Desde logo porque situava os heróis como fundamentais para o desfecho da Segunda Guerra Mundial, ao mesmo tempo que fazia a ligação entre esta e o terceiro conflito global provocado pela invasão mundial levada a cabo pelo império amarelo, conforme narrada por Jacobs.
O tom de O Bastão de Licurgo é decisivamente de espionagem, com a acção directa a ocupar uma percentagem menor das páginas do livro, apesar do combate aéreo que o inicia.
O Bastão de Licurgo
O argumento de Sente acaba, no entanto, por enfermar dos problemas que têm sido comuns às restantes abordagens a Blake e Mortimer: a ficção-científica que Jacobs dominava, hoje em dia deixou de o ser porque o que era narrado em termos futuros, agora é-o olhando para o passado; alguns aspectos mais ingénuos – na forma, no estilo e nas opções gráficas e narrativas – que caracterizavam a obra de Jacobs, hoje surgem datadas e difíceis de aceitar – a forma como Blake passa tão depressa de piloto-aviador a membro dos serviços secretos é apenas uma das mais gritantes…
O Segredo do Espadão III - SX1 contra-ataca
A história é escorreita, tem tudo para agradar aos fãs (actuais…) da série e até algumas ideias interessantes e bem desenvolvidas que, inclusive, explicam mesmo algumas das opções ‘futuras’ de Jacobs de forma consistente e coerente.
O lançar de diversas pontes para O Segredo do Espadão e a explicação de algumas das suas sequências – algumas das quais ainda recordava, outras já esquecidas - levou-me a uma nova (re)leitura desta obra, o que revelou um (aparente) bom trabalho de casa por parte de Sente, que esmiuçou bem diversos aspectos que contribuem para essa ligação, mas revelou também um erro crasso por parte do argumentista.
Na verdade, quando a base secreta aliada está a sofrer a acção de um traidor infiltrado – Olrik – a certa altura Blake pergunta: “Olrik desapareceu???... “Heavens”! E se fosse ele?... Diz-me lá, como é esse fulano? Alto?” (O Segredo do Espadão III – SX1 contra-ataca, edição ASA/Público, p. 29). Algo que fazia sentido aquando da criação da obra original mas que se torna muito estranho quando neste O Bastão de Licurgo, Blake e Olrik são apresentados e conversam mais do que uma vez…

Capa alternativa edição FNAC
As aventuras de Blake e Mortimer
Segundo os personagens de Edgar P.Jacobs
O Bastão de Licurgo
Yves Sente (argumento)
André Juillard (desenho)
Étienne Schréder (arte-final cenários)
ASA
Portugal, Novembro de 2014
240 x 310 mm, 64 p., cor, cartonado
15,90 €

2 comentários:

  1. Olá meus amigos, como é maravilhoso encontrar sites com este seu. Parabéns pelo belo trabalho, já estou seguindo.
    Aproveitando a oportunidade gostaria de compartilhar com você nosso
    blog. Ficaremos felizes por vossa visita e mais ainda se seguir-nos.

    AGUARDAMOS SUA VISITA

    Atenciosamente

    Josiel Dias
    http://josiel-dias.blogspot.com
    Rio de Janeiro

    ResponderEliminar
  2. Apenas uma nota negativa, numa obra competente e bem gizada: a traduçao é fraquita.
    Basta tomar como exemplo a primeira página. Algo a rectificar pelos responsáveis da Asa.

    Cumprimentos de um leitor fiel,
    Rui Rodrigues

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...