Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

16/11/2014

Leitura Nova: Petzi











Petzi de regresso às livrarias portuguesas
Clássico da banda desenhada fez as delícias de milhares de crianças na década de 80.
Ler continuação da nota de imprensa já a seguir.


Os saudosos livrinhos azuis de 32 páginas, originalmente editados em Portugal pela Difusão Verbo e há muito fora do mercado, estão de volta para conquistar uma nova geração de leitores e despertar muitas recordações nos mais graúdos. As novas edições, que constituem a primeira aposta da editora independente Ponto de Fuga, são traduzidas directamente a partir do original dinamarquês por Susana Janic. Para já vão estar disponíveis os três primeiros volumes: ‘Petzi Constrói um Barco’, ‘Petzi e a Baleia’ e ‘Petzi e a Mãe Peixe’.


Criadas pelo casal dinamarquês Vilhelm (1900-1992) e Carla Hansen (1906-2001) – ele autor das ilustrações, ela dos textos – as histórias, temperadas com um humor suave mas certeiro, divertem ao mesmo tempo que promovem valores como a amizade, a bondade, a entreajuda, o trabalho e o espírito de aventura.
Vestido de jardineiras vermelhas às bolas brancas e característico gorro azul, o ursinho Petzi marcou muitas infâncias em todo o mundo, sempre acompanhado por uma trupe de amigos inseparáveis: Pingo, o leal pinguim; Riki, o pelicano de cujo grande bico saíam a voz da razão e os objectos mais inacreditáveis; Almirante, a foca indolente e conhecedora de todos os segredos dos mares e dos marinheiros.

Sobre o Petzi
Quando começou a desenhar o ursinho Petzi, Vilhelm Hansen tinha 51 anos e era já um ilustrador experiente, com créditos firmados na área da publicidade (as suas ilustrações de automóveis Ford, nos anos 30, tinham-lhe valido elogios do fundador da marca, Henry Ford). Mas apesar de algumas incursões na banda desenhada, a meias com a mulher, Carla, que concebia as histórias, foi com o aparecimento do Petzi que Hansen se impôs definitivamente nessa área.
No final da década de 40, o Presse Illutrations Bureau (PIB), com sede em Copenhaga, tivera um enorme sucesso a vender aos jornais a série de tiras de banda desenhada infantil ‘Strudsen Rasmus’. Quando o autor decidiu colocar um ponto final na série, o PIB contactou Vilhelm e Carla, com quem já trabalhara em diversos projectos, pedindo-lhes que criassem uma nova personagem e fazendo uma única exigência: que o protagonista se chamasse Rasmus.
No Verão de 1951, o casal apresentou uma primeira versão da nova série, protagonizada por uma tartaruga com esse nome. Embora gostando do resultado, o PIB entendeu que um protagonista tão pequeno e lento como uma tartaruga não oferecia grandes possibilidades. Vilhelm e Carla acederam a pensar em alternativas e, em Agosto de 1951, apresentaram o tão celebrado ursinho de jardineiras vermelhas com bolas brancas. A tartaruga também não ficou esquecida: permaneceu na versão final e protagonizou, ao longo de toda a série, pequenas histórias paralelas nos mesmos quadradinhos em que decorre a acção principal.


À partida, o ursinho esteve para se chamar ‘Bjørnen Rasmus’ (Rasmus, o Urso), mas Carla Hansen opôs-se, alegando que devia ter um apelido como toda a gente, além de que o nome era demasiado violento para o público infantil. O apelido ‘Klump’, que acabou por prevalecer, ficou a dever-se a um Golden Retriever homónimo que vivia no apartamento abaixo do dos Hansen, em Copenhaga. Na Alemanha, França, Itália e Portugal, ‘Rasmus Klump’ ficaria conhecido como Petzi.
A primeira tira diária saiu no vespertino Berlingske Aftenavis a 17 de Novembro de 1951 e a série rapidamente se tornou popular, não só pelo seu estilo de desenho inconfundível (Vilhelm Hansen foi reconhecido pela Biblioteca Nacional Francesa como um dos 100 maiores cartunistas europeus do século XX), mas também pelo facto, facilitador para as crianças mais novas, de os textos não surgirem em balões de diálogo, mas em legendas abaixo das ilustrações – foi assim até 1959, altura em que as histórias passaram a ser contadas com recurso a balões.


A ideia era que a narrativa pudesse funcionar o mais possível em termos visuais, minorando a necessidade de ler os textos, embora com o tempo estes tenham ganho uma importância cada vez maior. Talvez por isso, Carla só tenha passado a ser creditada como co-autora ao terceiro álbum, ‘Petzi e a Mãe Peixe’ (o primeiro, ‘Petzi Constrói um Barco’, saiu em 1952).
Desde a estreia, as tiras do Petzi foram publicadas em mais de 400 jornais e os seus livros editados em quase 30 países, tendo vendido outros tantos milhões de exemplares. Para o pequeno ecrã foram produzidos, até à data, 52 episódios de desenhos animados, com crescente êxito global.
Mas por mais popular que o Petzi seja em várias partes do mundo, na Dinamarca é praticamente um símbolo nacional. Em 2011, um estudo de mercado promovido pelo grupo editorial que detém os direitos da série apurou que a taxa de reconhecimento do Petzi, junto das crianças e jovens dinamarqueses entre os três e os 18 anos, era de 99 por cento. No ano anterior, a personagem tornara-se uma das principais atracções do Tivoli, em Copenhaga – um dos parques de diversões mais antigos e populares do mundo (abriu em 1843 e recebe actualmente mais de quatro milhões de visitantes por ano). Em 2001, o 50.º aniversário da personagem foi assinalado com a emissão de quatro selos comemorativos.
Em 1998, Carla Hansen criou o Rasmus Klump Prisen (Prémio Petzi), para distinguir personalidades ou instituições que, através das suas iniciativas, espelhem a filosofia da série, provendo a amizade e a lealdade e constituindo um bom exemplo para os dinamarqueses. O prémio (um desenho original do Petzi, uma estatueta do Pingo e 25 ou 50 mil coroas dinamarquesas - cerca de 3350 ou 6700 euros, soma normalmente doada pelos vencedores a instituições de caridade) é entregue todos os anos numa cerimónia na Câmara Municipal de Copenhaga, no fim da qual são servidas as inevitáveis panquecas. O vencedor da primeira edição foi o herdeiro do trono dinamarquês, Príncipe Frederico, que em tempos integrou o Corpo de Mergulhadores (uma Força de Operações Especiais do Comando Naval Dinamarquês), onde, nem de propósito, ficara conhecido como ‘Pingo’ – nome que lhe ficou literalmente marcado na pele, numa tatuagem.


Sobre a Ponto de Fuga
A Ponto de Fuga é uma nova editora independente que tem por objectivo publicar obras e autores de qualidade nos diferentes géneros – ficção, não ficção, poesia e infanto-juvenil –, assumindo também a missão de reeditar títulos que, tendo desaparecido das livrarias, mereçam regressar ao convívio com os leitores. É o caso da colecção Petzi, um clássico da banda desenhada infantil, que marca a estreia da editora.
No domínio da não ficção, a Ponto de Fuga está a preparar, para o início de 2015, uma nova edição de ‘Não Percas a Rosa’, o diário que Natália Correia manteve entre Abril de 1974 e Dezembro de 1975, no qual a escritora disseca, com a sua lucidez e brilho habituais, as idiossincrasias do Processo Revolucionário iniciado com o 25 de Abril (a obra foi originalmente publicada em 1978).
Além da vertente editorial, a Ponto de Fuga aposta também numa pequena loja instalada na sua sede, na Rua de Ponta Delgada, em Lisboa, onde, além dos livros e produtos próprios, disponibilizará uma selecção criteriosa de títulos de outros editores, seguindo uma lógica de ‘se não editámos, gostávamos de ter editado’. Nessa espécie de ‘mercearia cultural’ haverá ainda espaço para uma selecção de discos em vinil. A loja abre ao público no próximo dia 17 de Novembro, data em que se assinala o 63º aniversário da publicação da primeira tira do Petzi na Dinamarca.

(Texto e imagens fornecidos pela editora)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...