Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

26/10/2014

Marvel Comics: 75 super-anos







Todos a conhecem como Marvel Comics, mas antes disso também foi Timely Comics e Atlas. A maior editora de super-heróis faz 75 anos neste mês de Outubro.
Alguns detalhes já a seguir.

A aventura começou em 1939, quando Martin Goodman (1908-1992) – já editor de revistas pulp – decidiu apostar num segmento em expansão: os comic books, onde se destacavam a Action Comics e a Detective Comics, em que tinham nascido Superman (1938) e Batman (1939), respectivamente.
Dessa forma, em Outubro de 1939, a nova editora Timely Comics lançava o número 1 da revista Marvel Comics, com Namor, o príncípe submarino, de Bill Everett, e a estreia do Tocha Humana – na época um andróide desenvolvido por um cientista, com a capacidade de se envolver com chamas – de Carl Burgos.
Logo no segundo número a revista passou a Marvel Mistery Comics e em breve, com a entrada de Joe Simon e Jack Kirby, surgiram novos heróis como o Capitão América, em 1941, na sua própria revista, que rapidamente atingiu tiragens de um milhão de exemplares.
Uma outra contratação decisiva para o sucesso futuro, aconteceu ainda em 1939, quando Goodman trouxe para o auxiliar no escritório o primo da sua esposa, Stanley Lieber que dois anos depois se tornaria editor provisório de BD.
Com o pseudónimo de Stan Lee, manteve essa posição durante décadas e, nos anos 60, seria o grande responsável – ao lado de Jack Kirby, Steve Ditko e outros – pela renovação da indústria de super-heróis, quando os dotou de grandes poderes, grandes responsabilidades e… grandes problemas pessoais, aproximando-os dos cidadãos comuns. 
O Quarteto Fantástico, Hulk, Homem-Aranha, Daredevil, Surfista Prateado, X-Men ou Thor foram algumas das suas criações que mantêm um lugar de destaque até aos nossos dias.
Antes, com a queda da popularidade dos super-heróis no pós-II Guerra Mundial, a Timely Comics, seguindo as tendências do mercado dedicou-se a outros géneros de BD: terror, western, humor, policial, guerra, etc. Isso não impediu que a editora passasse por tempos difíceis, que levaram mesmo à mudança de nome para Atlas, que se manteria até à década de 1960, quando o estrondoso sucesso dos novos super-heróis levou à mudança para Marvel Comics.
Desde então, com altos e baixos, provocadas por estreias, renovações, grandes artistas, crises financeiras e mudanças editoriais e de proprietário, a Marvel tem dominado o mercado de super-heróis em concorrência directa com a sua rival DC Comics, competição que se estendeu à animação, ao cinema e às edições digitais.
O sucesso das recentes transposições dos super-heróis dos quadradinhos para o grande ecrã levou mesmo a Walt Disney Company a comprar a Marvel Comics, em 2009, por 4 mil milhões de dólares, para uma maior exploração deste segmento, potenciada pelos avanços tecnológicos que a indústria cinematográfica tem vivido.
Nos Estados Unidos, a efeméride está a ser assinalada de diversas formas, entre elas capas especiais nas revistas regulares e a edição de Marvel 75th Anniversary Omnibus, um volume com 1000 páginas e 3 quilogramas de peso que contém algumas das histórias mais marcantes da história da Marvel, seleccionadas por uma votação dos fãs.
Se o grande negócio dos super-heróis passa hoje pelo cinema, é nos quadradinhos que continuam a ser desenvolvidas as histórias que mais tarde são transpostas para o grande ecrã. Em Portugal, depois de anos de importação de revistas brasileiras, as bandas desenhadas da Marvel passaram peloscatálogo da Agência Portuguesa de Revistas, Distri Editora, Abril/Morumbi e Devir, sendo actualmente distribuídas no nosso país pela Panini Comics as revistas mensais Vingadores, X-Men e Homem-Aranha Superior.

(Versão revista e aumentada do texto publicada no Jornal de Notícias de 13 de Outubro de 2014)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...