Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

02/10/2014

J. Kendall #107














Mudanças (profundas) à vista na vida de Julia Kendall. Todos os indícios apontam nesse sentido, no entanto…
A investigação prossegue já a seguir!


Esta nova visita de Julia Kendall ao blog – onde é presença recorrente e incontornável - mais do que analisar uma edição específica em si, serve mais para referir a forma como Berardi (secundado por Calza e Mantero) vai construindo o universo da protagonista passo a passo.
Para além da grande unidade que ele demonstra relato após relato – o que lhe confere uma credibilidade aumentada – é muito interessante ver como alguns temas são introduzidos – de forma mais ou menos evidente – edição após edição.
No caso que hoje me ocupa, o último ano e meio (de publicações originais) aponta(va) para uma mudança profunda e marcante no quotidiano da criminóloga de Garden City. Nelas, de forma recorrente, o tema de uma possível gravidez foi sendo introduzido progressivamente através de diversos indícios: através de sonhos, pelo contacto com outras pessoas com filhos, criando uma relação estável com o detective Jeffrey – a mais estável ao longo dos anos que já conhecemos Júlia - pela temática global de algumas das edições – nesta edição #107, pela forma como teve de assumir – temporariamente e com o tenente Webb (com Alan…) - uma menina cujos pais foram assassinados sendo ela testemunha ocular do crime…
Tudo isto num crescendo que, olhado de longe, numa perspectiva global, parecia indiciar claramente uma mudança radical na sua vida.
Mudança que – como na prática já sabíamos desde o editorial da edição #101 – foi vetada pela Sergio Bonelli Editore, a editora italiana que a publica na origem.
Ficamos a perder todos nós ou uma alteração tão sensível na vida de Julia seria demasiado forte para a série continuar com os moldes e a qualidade que lhe (re)conhecemos e contar com a adesão dos leitores?
Nunca saberemos a resposta mas sabemos que continuando nos moldes presentes se mantém (muito) bem.

J. Kendall
Aventuras de uma criminóloga #107

Testemunha infantil
Berardi e Mantero (argumento)
Marinetti (desenho)

Presenças alienígenas
Berardi e Calza (argumento)
Michelazzo  (desenho)

Mythos Editora
Brasil, Novembro/Dezembro de 2013
135 x 180 mm, 260 p., pb,
capa mole, mensal
R$ 19,80 / 9,00 €

2 comentários:

  1. Ainda assim, só a introdução de novos temas, mesmo que não tenham consequência prática, já servem o seu propósito de diversificação do argumento geral da série, assim como conferir importantes sub-argumentos. É certo que até Tex teve um filho mas a expectativa e a desilusão são características da vida, entre muitas que a série magistralmente transpõe para o papel. E é também aí que encontro interesse na sua leitura.

    ResponderEliminar
  2. Sem dúvida V!
    Esta temática tem alimentado uma série de edições e trazido alguma novidade à série, o que é indiscutivelmente benéfico e permite abordar outros ângulos geralmente ausentes.
    Quanto ao filho de Tex, foi apenas mais um parceiro para a série, dado o seu rápido crescimento!

    Continuação de... boas leituras!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...