Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

16/10/2014

Contos de Fadas Marvel








É distribuído hoje com o Público o 15.º tomo da colecção Universo Marvel, que merece destaque especial pelo facto de cerca de dois terços das suas páginas serem desenhados por portugueses.
Já a seguir descubra um pouco mais acerca deste projecto que levou os mais conhecidos super-heróis da Casa das Ideias a revisitar alguns dos mais famosos contos infantis, através de entrevistas com João Lemos e Nuno Plati, efectuadas aquando do lançamento original nos Estados Unidos, e de algumas páginas do livro.


Autores portugueses ganham espaço no mercado dos EUA
(Excerto do texto publicado no Jornal de Notícias de 12 de Março de 2008)
É lançado hoje [12 de Março de 2008] nos Estados Unidos o primeiro número de “Avengers Fairy Tales”, um projecto que cruza contos tradicionais infantis e super-heróis do universo Marvel. Este número inicial, que revisita o Peter Pan de J.M. Barrie, tem o Capitão América no lugar do herói tradicional, Thor e o Homem-de-Ferro como dois dos Meninos perdidos, a Vespa como a fada Sininho, e é desenhado pelo português João Lemos. Há semanas, C. B. Cebulski, argumentista e editor da casa das Ideias, apresentava-o “como um livro único, dos mais belos que a Marvel tem lançado”.
Ao JN, João Lemos, nascido em 1977, com formação em Animação e BD, conta que esta aventura começou “em 2005, quando encontrei, por acaso, Joe Quesada, director da Marvel, no Festival de BD de Angoulême, e lhe entreguei o meu portfolio”, para ter “umas dicas dele enquanto desenhador”. Depois, “num suspeito 1 de Abril, recebo um mail do Cebulski a perguntar-me se estaria interessado em trabalhar com ele”. Admitindo influências de “Jeffrey Jones, Claire Wendling (que assina a capa), Mike Mignola, Hugo Pratt, Kent Williams ou Jon J. Muth, entre tantos outros”, percebeu que o seu traço “não se enquadrava na actual tendência da Marvel, pelo que (…) só com o aparecimento da linha fairy-tales é surgiu o convite para a Marvel”.
Não adiantando muito da história (…) avisa os fãs de Peter Pan que os “Avengers Fairy Tales” partem de “premissas com qualquer coisa de herético, pelo que deverão avançar com a noção de que não é nem uma adaptação rigorosa nem mais uma visita ao universo Marvel, apesar de piscar os olhos a ambos”. Mas acrescenta que enquanto “fã da peça e do romance originais (mais densos que a adaptação Disney), dei por mim a desenhar como que citações ao longo da história”. Esta, foi trabalhada de “um modo bastante orgânico, numa relação de ping-pong que preveniu grande parte das eventuais correcções, pois todas as partes estavam, mais do que a par dos avanços dos outros, envolvidos nos mesmos desde o início”.
Responsável pelo desenho a lápis e pela arte-final, Lemos, embora conhecedor que “Cebulski deposita uma esperança imensa na reacção do público”, sabe “que vai haver bastantes gregos a odiar o resultado”, restando saber “quantos troianos lhe mostram os dentes”.

Super-heróis invadem contos para a infância
(Excerto do texto publicado no Jornal de Notícias de 6 de Abril de 2008)
(…) é distribuído na próxima quarta-feira no mercado norte-americano o segundo dos quatro fascículos previstos para "Avengers Fairy Tales".
(…) no segundo tomo, Gepeto e o seu boneco de madeira darão lugar ao gigante inventor Hank Pym e ao Visão, um robot por ele construído que quer ser como os outros meninos, o que se torna possível graças à Fada Azul, agora colorida de (Feiticeira) Escarlate! [No volume final] (…) previsto para Junho [de 2008], (…) na versão de O Feiticeiro de Oz o papel que Judy Garland interpretou no cinema é agora da Mulher Hulk, acompanhada por um Homem (de Lata) de Ferro!
Uma das particularidades do projecto é que [estes] três números são desenhados por autores portugueses - João Lemos (#1), Nuno 'Plati' Alves (#2) e Ricardo Tércio (#4) - tendo o restante sido entregue ao canadiano Takeshi Miyazawa. Tércio participara já, no ano passado, num outro projecto similar de Cebulski, os "Spider-Man Fairy Tales, no qual o Homem-Aranha encarnava o Capuchinho Vermelho.
(…) Cebulski referiu-se a “Avengers Fairy Tales #1”, desenhado por João Lemos, como “um livro único, dos mais belos que a Marvel tem lançado", e, nalguns sites especializados, críticas bastante entusiastas classificavam-no entre 7 e 9 numa escala de 10.

Nuno Plati Alves realiza um sonho de criança
(Excerto do texto publicado no Jornal de Notícias de 9 de Abril de 2008)
É distribuído hoje [9 de Abril de 2008] nos Estados Unidos "Avengers Fairy Tales #2", projecto de C. B. Cebulsky, que faz de alguns super-heróis da Marvel protagonistas de contos infantis. Depois de Peter Pan, desenhado por João Lemos, agora foi Nuno 'Plati' Alves, nascido em 1975, a dar nova vida a Pinóquio.
Ilustrador, com experiência em BD limitada a "8 páginas publicadas pela Image Comics", cita influências "como Toth, Moebius, Mignola, Jacobs ou Franquin" e revela o desejo "de desenhar, numa onda retro, uma mini-série de Thor ou do Silver Surfer, clássicos com universos muito ricos, da mitologia à ficção-científica".
De "Created Equal" [Criados iguais na actual edição portuguesa], diz ser "a história de um inventor caído em desgraça ", o gigante Hank Pym, "que deixou de acreditar em finais felizes", lê-se logo na primeira prancha de uma versão mais negra do que a original. E "que cria um filho de metal, no qual descobre rapidamente uma forte rebeldia". Este, o Visão, não quer ser humano mas é empurrado pelo pai/inventor para "aceitar o mundo em que vive e tentar ser aceite por ele", envolvendo-se assim "em acontecimentos extraordinários", que demoraram "dois meses e pouco" a colocar no papel.
Começou por "receber a sinopse e criar as personagens. Após aprovação, chegou o guião e desenhei as 22 páginas de layouts, que, novamente aprovados, foram desenhadas de seguida e pintadas", adaptando-se "à ideia que o produto final nunca fica como idealizamos. Mas para todos os efeitos estava a realizar o meu sonho de criança!". Talvez por isso, "não alterava nada no livro; devemos conviver com os erros e fazer melhor na próxima vez".
E conclui, "o projecto é um híbrido, inspirado em Pinóquio, com os heróis Marvel, que, encarado de forma leve e divertida, poderá agradar a gregos e troianos" (os fãs de Collodi e os da Marvel). "Espero que seja bem recebida pelos leitores e que divirtam".

Nota de imprensa da Levoir
Era uma vez... os contos de fadas e infantis tradicionais, como o Capuchinho Vermelho, Peter Pan, Pinóquio, Cinderela, ou o Feiticeiro de Oz, mas desta vez protagonizados pelos principais heróis da Marvel! O Capitão América como Peter Pan, a Vespa como Sininho  e os Vingadores como os Rapazes Perdidos, o andróide Visão como Pinóquio ou Magneto como o Feiticeiro de Oz são algumas das surpresas que este volume nos reserva.
C. B. Cebulski, editor-chefe e grande caçador de talentos da Marvel, imaginou e escreveu estes contos de fadas Marvel, ilustrados por grandes talentos como Niko Henrichon e Mike Allred, a que se juntam os portugueses João Lemos, Nuno Plati e Ricardo Tércio, que têm nesta série os seus primeiros trabalhos para a Casa das Ideias.
Com quatro (de seis) histórias ilustradas por autores portugueses, este é também um dos mais relevantes livros de banda desenhada nacional a ser lançado este ano, um verdadeiro mostruário do melhor que os artistas nacionais têm produzido. E por esse motivo, a Levoir e o Público decidiram apostar num caderno especial dedicado ao trabalho de João Lemos e Nuno Plati, em que se desvendam os processos por trás da criação destas histórias para a Casa das Ideias. Preparado por João Miguel Lameiras, este caderno inclui esboços, estudos para personagens várias, pranchas nos vários estágios de desenvolvimento e muito mais, fazendo deste volume, não só mais um volume da colecção Universo Marvel, mas também uma celebração dos autores portugueses que nele participaram.

 

 

 

Universo Marvel #15
Homem-Aranha e Vingadores: Contos de Fadas Marvel
C. B. Cebulski (argumento)
Ricardo Tércio, Niko Henrichon, Nick Dragottta, João Lemos e Nuno Plati (desenho)
Levoir + Público
Portugal, 15 de Outubro de 2014
170 x 260 mm, 168 p., cor, cartonada

8,90 €

3 comentários:

  1. epha..gosto muito das colecções da Levoir, mas à coisas que não se percebe!!

    Se as duas mini-series são composta por 4 revista cada(Avengers-Fairy Tales #1 a #4 e Spider-Man-Fairy Tales #1 a #4), por que raio os dois números 3 da respectivas series não foram publicados neste tpb?

    Se fosse para terem um livro apenas co os artistas nacionais ainda se precebia! Era por mais umas paginas que perdiam lucro?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Head-Jam,
      Observação pertinente, mesmo podendo ter em conta que as histórias desta mini-série são completamente independentes.
      Suponho que a resposta é a que adiantas: seriam páginas a mais (no entender da Levoir)...

      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Foram economicistas com este livro. Má política de lançar um livro e decidir ignorar 2 issues.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...