Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

28/08/2014

Sin City 2: Mulher Fatal














Mulher Fatal, que estreia hoje nos cinemas portugueses, marca o regresso à Cidade do Pecado, imaginada por Frank Miller na banda desenhada.
Pormenores, imagens e trailer já a seguir.


Segundo filme da franquia, é de novo realizado por Roberto Rodriguez e Frank Miller e combina duas histórias provenientes dos quadradinhos - Mais Uma Noite de Sábado e Mulher Fatal – com dois outros relatos ainda inéditos em BD, um deles The Long, Bad Night.
A acção de Mulher Fatal desenrola-se antes do que foi narrado no filme de estreia, em 2005, embora haja diversos pontos de contacto entre ambas as narrativas, incluindo algumas cenas cruzadas, e serve para esclarecer algumas questões então deixadas em aberto, nomeadamente como a cara de Dwight McCarthy (interpretado por Josh Brolin) mudou radicalmente.
Tudo começa com um lancinante e sensual pedido de ajuda de Ava (Eva Green, embora aparentemente a primeira escolha para o papel fosse Angelina Jolie), a Dwight, reacendendo a paixão que ele nunca conseguiu apagar, que desencadeia uma série de vinganças e nova onda de violência e mortes na Cidade do Pecado. Aparentemente linear, a história acaba por revelar algumas surpresas, que contribuem para a tornar mais interessante e chamativa.

Com argumento do próprio Frank Miller em parceria com William Monahan (já galardoado com um Óscar por The Departed, em 2006), Mulher Fatal marca também o reencontro com Marv (Mickey Rourke) e John Hartigan (Bruce Willis), bem como com as belíssimas e sensuais – mas também mortíferas - mulheres da Cidade Velha que já conhecíamos da primeira fita: Nancy Callahan (Jessica Alba), Miho (Jamie Chung) ou Gail (Rosario Dawson). A eles juntam-se agora Bertha (Lady Gaga), Manute (Dennis Haysbert) e Joey (Ray Liotta), entre outros.
Mais uma vez, nas filmagens, Rodriguez e Miller recorreram a câmaras digitais de alta definição, tal como no primeiro filme, tendo os actores contracenado à frente de um cenário verde, sendo os fundos ou elementos como os edifícios ou os automóveis adicionados posteriormente. Apesar de o filme apresentar mais uma vez uma estética própria, que de alguma forma tenta transportar para o ecrã o preto e branco contrastante que é imagem de marca da BD (ver caixa), ele foi todo filmado a cores, sendo convertido para preto e branco de alta definição apenas na fase de pós-produção. Dessa forma, é possível preservar a cor pontualmente em roupas, objectos, olhos ou lábios, para conferir destaque a esses elementos.
A proximidade ao conteúdo violento e, em especial, erótico da banda desenhada levantou a Sin City alguns problemas com os moralistas códigos norte-americanos, o que levou mesmo à interdição de um dos trailers nas televisões, à classificação de outro para maior de 18 anos, e a proibição de um dos cartazes, pois supostamente seriam demasiado reveladores.
Sin City nasceu aos quadradinhos em 1991, na revista Dark Horse Presents.
Tal como outras criações de Frank Miller, a outros níveis, provocou uma ruptura com o que até aí a BD tinha feito, dessa vez em termos de policial. Amoral e violento, com doses generosas de sangue e sexo, destacava-se igualmente pelo grafismo, assente num traço (quase) indefinido, baseado em manchas de branco e negro, altamente contrastantes, numa ou noutra narrativa pontuado aqui e ali pela utilização de pequenos apontamentos de uma cor.
Sin City está integralmente editado em Portugal pela Devir, em sete volumes lançados entre 2003 e 2012.



(Versão revista do texto publicado no Jornal de Notícias de 28 de Agosto de 2014)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...