Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

08/07/2014

O regresso das revistas de BD











Durante décadas, títulos como o Mosquito, Cavaleiro Andante, Mundo de Aventuras, Tintin ou Jornal do Cuto acompanharam e fizeram sonhar os mais novos (e não só). Agora, depois de uma longa ausência, as revistas de BD voltam a marcar presença nos quiosques portugueses.
Descubra quais os títulos distribuídos mensalmente em Portugal já a seguir.


Na verdade, desde o início do ano, mensalmente são cerca de uma dezena de títulos diferentes, a que se devem juntar outras revistas que, não sendo exclusivamente de BD, também publicam histórias aos quadradinhos, como a Disney Júnior, a Winx Club ou a Invizimals.
Se durante décadas, as revistas de BD constituíam o principal divertimento dos mais novos, com a diversificação das ofertas de entretenimento – televisão, videojogos… - e o crescimento do segmento dos álbuns, a banda desenhada foi perdendo visibilidade e leitores. Assim, se entre os anos 40 e 80, era normal chegar a um quiosque e encontrar dezenas de títulos diferentes, para todos os gostos, idades e bolsas, na última década quase desapareceram.
Títulos como O Mosquito ou o Mundo de Aventuras, com mais de 1500 números publicados, ou outros como OPapagaio, Diabrete, Cavaleiro Andante, Camarada, Zorro, Tintin, Jornal do Cuto ou Jornal da BD, que marcaram indelevelmente os seus leitores, tiveram sempre a companhia de edições menores (na qualidade, no papel, no preço…) mas igualmente populares, como Condor, Falcão, Mickey, Pato Donald e outros, que ajudavam a garantir um espaço regular nos escaparates e a indispensável visibilidade.
Agora, neste regresso, as “hostilidades” foram reabertas há cerca de ano e meio, quando as revistas Disney, após um interregno de meia dúzia de anos, voltaram a ser publicadas em português. A oferta Disney inclui a Comix (que é semanal), a Hiper (mensal), a Disney Especial (com edições temáticas – está à venda a que é dedicada às aventuras futebolísticas de patos e ratos), a BIG (com algumas histórias clássicas) e a Minnie & Friends.
Esta última, dirigida especialmente às meninas, revela uma atenção especial da Goody para com as leitoras mais jovens – que durante muito tempo foram esquecidas por quem editava quadradinhos – que, ao entrar na adolescência, encontram também mensalmente uma outra edição Disney. É a Real Life, centrada nas aspirações amorosas de três jovens londrinas, às voltas com o rapaz ideal e com as potencialidades e perigos das redes sociais. A edição portuguesa de Real Life, que já vai no n.º 3, foi lançada em simultâneo com a edição espanhola e antes das versões italiana e francesa.
Para leitores de todas as idades, igualmente há três meses surgiu a Simpsons Comics, com histórias inéditas da família mais amarela da televisão. Retomando as bandas desenhadas originais norte-americanas em ordem cronológica, este mês propõe uma história especial que combina o universo dos Simpsons com os do super-herói Radioactive Man e o dos desenhos animados Itchy and Scratchy.
Este ano, aliás, tem sido pródigo em novas edições aos quadradinhos, pois desde Fevereiro estão disponíveis edições dos principais super-heróis da Marvel, Vingadores, X-Men e Homem-Aranha Superior, correspondentes ao reinício do seu universo designado como Marvel Now. São revistas mensais que têm, regularmente, companhia de uma edição especial, com mais páginas e arcos completos que nalguns casos complementam as publicações mensais. Em Junho, os apreciadores de super-heróis puderam ler Capitão América: Perdido na Dimensão X e Julho vai trazer-lhes Homem de Ferro: Acreditar. 
Em relação a tempos idos, há algumas mudanças nas revistas de BD: maiores cuidados editoriais, melhor papel, um maior respeito pelas obras originais e a diversificação dos pontos de venda, uma vez que a diminuição de bancas e quiosques faz com que surjam também em hipermercados e em cadeias de livrarias, facilitando a procura a quem deseja reencontrar os heróis que o acompanharam na infância e juventude.

Revistas brasileiras
Como acontecia quando abundavam as revistas portuguesas, regularmente chegam aos quiosques nacionais diversas edições de banda desenhada brasileiras.
Entre as edições da Panini, com o humor da Turma da Mônica e os super-heróis da Marvel e DC Comics, ou da Mythos Editora, com os westerns Tex e Zagor e o policial de contorno humano J. Kendal – Aventuras de uma criminóloga, são cerca de meia centena de títulos, quase para todos os gostos e bolsas.
Estas revistas, apesar de alguns problemas de distribuição e dos cerca de seis meses de atraso que trazem em relação à publicação no Brasil, aumentam bastante a oferta, que crescerá em Setembro quando chegar Juiz Dredd Megazine (também da Mythos), com algumas das melhores séries e autores da revista britânica 2000 AD.


(Versão revista do texto publicado no Jornal de Notícias de 24 de Junho de 2014)

6 comentários:

  1. Dredd vai sair plas nossas bandas, boa noticia!

    Realmente estamos a passar uma optima fase de bd nas bancas, espero que dure muito tempo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Head-Jam,
      Dredd vem a caminho. Estamos perdidos!

      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Anónimo8/7/14 14:18

    Como grande consumidor de BD na minha adolescência (já lá vão uns 15 anos desde que deixei de comprar), e tendo em conta o que existia na altura, não diria que é uma óptima fase... Mas olhando para os últimos anos, é uma melhoria, sim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caros Head-Jam e Anónimo,
      Há muita BD à venda neste momento? Comparando com o panorama há 15 ou mais anos, não. Comparando com há 2, 3 ou 5 anos atrás? Sem dúvida.
      Copo meio cheio ou meio vazio? Há que beber. Ou seja, aproveitar para ler o que existe, para que mais possa aparecer!

      Boas leituras!

      Eliminar
  3. As revistas brasileiras têm alguns problemas de distribuição? lol. Posso dizer que da Mythos nunca vi nada de Tex à venda em Aveiro. Ainda houve uns meses em que um quiosque recebia Zagor e Zagor Extra e outro que recebia Júlia, mas também nunca mais se viram. Já sei que se quiser comprar o Judge Dredd tenho de pedir antecipadamente à distribuidora e vamos ver como irá ser. Pois estou habituado a trocar mails com a Urbanos e não com a Vasp, e portanto não sei se eles dão importância às solicitações do público.

    ResponderEliminar
  4. Judge Dredd apesar do interresse já sei que não vou achar aqui porque ou a banca não recebe e as que recebiam ou fecharam ou mudaram de bds que vendem.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...