Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

19/05/2014

Les amis de Saltiel #1: L’homme que n’aimait pas les arbres





O convite do X Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja para escrever um texto sobre Étienne Davodeau, levou-me – de forma prazeirosa – a reler a obra daquele que considero um dos autores franco-belgas (e não só) mais interessantes das duas últimas décadas.
Por esse motivo, apesar de ele ser presença recorrente aqui no blog através das suas obras mais recentes, começo hoje, de forma intermitente, um mini-ciclo Étienne Davodeau, que preencherei com algumas das suas obras iniciais.
A abrir, o álbum que o revelou, através do texto que escrevi para o jornal O Primeiro de Janeiro, de 23 de Fevereiro de 1992, que podem ler já a seguir.


Étienne Davodeau (…) conta-nos uma história que não é nova. Um homem que busca o isolamentpo junto da natureza, para esquecer a obsessão causada por um grave acidente ocorrido durante uma missão quando cumpria serviço militar, vê a sua privacidade desfeiuta quando surgem dois antigos colegas, interessados em cumprir uma vingança antiga, encomendada por um terceiro.
Mas Davodeau – e aí está o seu mérito – consegue dar a esta trama simples e conhecida, uma atmosfera opressiva que a torna credível e nos leva a deixar-nos apoderar pelo clima de nervos que o protagonista vive.
Mais a mais, porque só aos poucos vamos sabendo o porquê do que vai acontecendo, numa revelação progressiva de toda a verdade que, no final, resulta num desenlace dramático e, embora lógico, de certa forma inesperado.
O seu desenho, de traço duro e agressivo, algures entre o realista e o caricatural, ajusta-se às mil maravilhas ao texto, sendo os picos de tensão acentuados pela planificação que, nessas alturas, abandona o estilo clássico, para se tornar viva e palpitante, capaz de transmitir raiva, ódio, paixão ou uma incrível calma.

Les amis de Saltiel #1: L’homme que n’aimait pas les arbres
Étienne Davodeau
Dargaud
França, Janeiro de 1992

225 x 295 mm, 48 p., cor, cartonado

4 comentários:

  1. Estou contigo, Pedro, é um dos mais interessantes autores dos últimos 20 anos! Só li este livro mais de uma década depois., para o Davodeau, disse-me ele no Porto ou na Amadora, é uma obra menor...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Rui,
      Eu tive a sorte de o ler logo que saiu e nunca mais larguei o Davodeau!
      É uma obra menor na bibliografia dele, sem dúvida. É um primeiro álbum, ainda à procura do traço, mas já com algumas das questões que o distinguiram.

      Boas leituras!

      Eliminar
  2. boa noite pedro gostava de saber se há noticias sobre a nova colecção que está para ser lançada podes dar alguma pista de quando vamos ouvir falar sobre ela?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais uns dias de paciência, caro Anónimo... O tempo tem sido curto.

      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...