Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

21/05/2014

La Grande Guerre






Com a aproximação do centenário do início da Primeira Grande Guerra (a 28 de Julho próximo) é natural que se comecem a multiplicar as obras sobre o primeiro grande conflito do século XX.
Poucas serão tão originais como a que hoje proponho, como podem constatar já a seguir.


A 1 de Julho de 1916 teve lugar a Batalha do Somme, uma imensa ofensiva das forças britânicas e francesas contra o exército alemão, que ficou como um dos confrontos mais sangrentas da História.
Para se ter uma ideia mínima do que ela constituiu, deixo alguns dados estatísticos (o que soa cruel), detalhados pelo historiador Adam Hochschild no prefácio (incluído no Caderno 1).
Preparada ao longo de vários meses, esta batalha implicou – apenas do lado das forças aliadas – a construção de 88 km de linha férrea e a instalação de 113 mil quilómetros de cabos telefónicos; obrigou à abertura de poços e instalação de dezenas de quilómetros de canalizações que pudessem assegurar água potável aos cerca de 500 mil soldados para já transportados.
Em termos bélicos, foram instaladas peças de artilharia a cada 15 metros, que viriam a despejar (literalmente) milhão e meio de obuses sobre as posições alemãs, ininterruptamente durante a semana que antecipou a ofensiva; o barulho dos bombardeamentos era de tal forma ensurdecedor que muitos dos que operavam os canhões sangravam dos ouvidos e o eco dos estrondos foi ouvido em Inglaterra.
No dia 1 de Julho, imediatamente antes da ofensiva sobre as trincheiras alemãs e após o lançamento de 224 mil obuses em apenas 65 minutos, foram detonadas 10 minas gigantes sob as posições alemãs, que provocaram crateras imensas: uma delas, ainda existente, mede 17 metros de profundidade e 67 metros de diâmetro.
Apesar da imensa preparação, do plano de ataque com mais de três dezenas de páginas que o descreviam minuciosamente, quando o exército franco-britânico avançou, as linhas alemãs estavam praticamente intactas e o que parecia uma vitória fácil transformou-se num quase massacre: apenas no primeiro dia, as suas perdas atingiram 20 mil mortos e 40 mil feridos; quando esta batalha terminou, a 18 de Novembro, contabilizava mais de um milhão de vítimas.

Esta realidade aterradora foi transformada num enorme fresco – e aqui reside a originalidade desta abordagem – por Joe Sacco. E, possivelmente, raras vezes o termo “enorme fresco” fez tanto sentido como aqui, pois esse primeiro dia foi reconstituído numa única imagem que se prolonga por quase 7 (sete!) metros e onde, assumidamente sem respeitar perspectivas nem proporções realistas, Joe Sacco nos mostra (praticamente) tudo o que aconteceu (e em muitos casos como), numa reconstituição de assinalável rigor e minúcia.

Nota
Esta (excelente) edição é constituída por dois cadernos num estojo cartonado. O primeiro inclui uma nota explicativa do autor, um prefácio do historiador Adam Hochschild e a explicação detalhada do fresco hora a hora. Quanto ao segundo, é o desenho da batalha propriamente dito, com uma prancha única dobrada em fole, protegida por capas cartonadas.

La Grande Guerre
Le premier jour de la Bataille de la Somme reconstitué heure par heure
Joe Sacco
Futuropolis/Arte Éditions
França, 10 de Abril de 2014
Caderno 1
280 x 203 mm, 32 p., pb, brochado
Caderno 2
6720 x 203 mm, 24 p., pb, cartonado
Estojo: 285 x 220 mm, cartonado
25,00 €

Nota final
Uma réplica do fresco de Joe Sacco, com 130 metros de comprimento, será exposta durante os meses de Julho e Agosto ao longo do tapete rolante da estação de metro Montparnasse-Bienvenüe, em Paris.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...