Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

04/02/2014

Vois comme ton ombre s’allonge



Um homem em convulsão numa praia.
A desolação de um campo de trincheiras com uma árvore nua, qual vigia solitária.
Uma estação de serviço perdida no meio do nada.

O homem chama-se Silvano Landi.
Nas trincheiras, teve lugar a história do seu avô.
Na estação de serviço, a mulher abandonou-o levando a filha.

A dura realidade ou a liberdade ficcional das histórias de Silvano Landi, o escritor?

A(s) resposta(s) dadas por Gipi, já a seguir.


Este é um relato atípico, com pouco concretizado e muito para intuir e sentir.
Gipi, assumidamente, vai mostrando, em vários estilos – em traço fino a preto e branco, em soberbas aguarelas coloridas, num desenho (um pouco mais) convencional em cores directas – momentos soltos de cada uma das situações.
Saltita entre elas, entre o presente e o passado – nas memórias (à solta?) de Landi? – acrescentando (ou tirando) pormenores, obrigando-nos a mergulhar nas perdas  sucessivas – da amizade, do amor, da noção de realidade, da liberdade - que afecta(ra)m o protagonista – ou os (diferentes) protagonistas?
Esforço de reconstrução do que foi ou estruturação do que desejava ter sido? Memórias que precisa de reencontrar ou às quais tenta desesperadamente fugir?
Relato emocional – reforçado pela leveza, a agrura ou a simplicidade dos traços que o sustentam e, de que maneira(!), pelo notável trabalho de cor – não é de leitura fácil e levará certamente muitos a abandoná-lo a meio.
Eu, pessoalmente, mesmo não tendo (ainda) encontrado, com certeza, todas as respostas, confesso-me rendido. E disposto a voltar a ele em breve.

Vois comme ton ombre s’allonge
Gipi
Futuropolis
França, 9 de Janeiro de 2014
195 x 265 mm, 128 p., cor, cartonado,
19,00 €

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...