Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

24/01/2014

Un petit gout de noisette



Descobri Vanyda há alguns anos, aquando da edição deste álbum, então claramente influenciada pelo manga que começava a impor-se com força em França e levava alguns novos autores a procurarem vencer nesse estilo ‘importado’.
A par disso, Vanyda demonstrava já uma sensibilidade especial para as vivências dos adolescentes/jovens adultos, onde se adivinhava um grande poder de observação do(s) que a rodeava(m) e, talvez também, algo da sua própria experiência.
As impressões do reencontro com esta autora francesa nascida em 1979, já a seguir.

A primeira constatação que fiz ao passar as páginas desta obra, foi a notável evolução gráfica da autora. O seu traço amadureceu, ainda com o manga como referencial, mas assumindo-o (apenas) como uma das (várias) influências para um traço (agora) personalizado, leve e agradável, subtil e á medida da sensibilidade narrativa que continua a revelar, como comprovei na leitura.
A par disso, ainda do ponto de vista gráfico, há um interessante trabalho de aplicação de cor, a aguarela, aparentemente (e enganadoramente) simples, pois as diferentes narrativas do livro usam diferentes tons cromáticos, aplicados apenas cirurgicamente, para destacar momentos e situações – e emoções também! – e que contribuem para fazer da leitura uma experiência tranquila e, de certa forma, repousante, apesar da incomodidade de algumas das abordagens.
Com esta base, Vanyda apresenta momentos das vidas de uma série de jovens – a paixão (só em parte correspondida) de uma adolescente de 12 anos por um amigo mais velho, o reencontro (com diferentes expectativas) de dois ex-alunos Erasmus, os laços que (não) se estabelecem entre uma criança presa numa cama de hospital, a enfermeira que a trata e o seu leitor… - todos a darem os primeiros passos na vida adulta (ou a caminho dela), a tentarem encontrar o seu lugar, a si próprio e aos outros, a descobrirem emoções diversas (descontroladas), a procurarem (ou não…) relações que possam ser duradouras – pelo menos enquanto os dois quiserem.
Pequenos apontamentos, no máximo com umas poucas dezenas de páginas – entre os quais destaco Corentin, o conto que abre o livro e lhe inspira o título, Margaux, pelo desconcertante humor no contexto dos outros contos, e Benoît, pela dolorosa situação que lhe serve de base e pelo final violento e incómodo - que são retratos de uma sociedade à procura de direcções seguras mas que raras vezes deixa o coração e as emoções sobreporem-se ao resto.
Tudo, narrado de forma leve, com o traço límpido e suave a ondular face aos nossos olhos levando-nos com ele, com a sensibilidade que eu recordava, reforçada pelo amadurecimento que a idade proporciona (?).
Un petit gout de noisette
Vanyda
Dargaud
França, 24 de Janeiro de 2014
170 x 240 mm, 208 p., cor
17,95 €

3 comentários:

  1. Pedro, esse tal "primeiro livro" da Vanyda foi escrito algum tempo depois do "l'immeuble d'en face", uns meros...5anos! Sei-o bem porque foi o único livro dela que li. Não desgostei mas não me entusiasmou ao ponto de comprar os outros dois e terminar a série :-(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro RC,
      Pois, dou a mão à palmatória... Escrita de memória, sem confirmação é o que dá...

      Boas leituras!

      Eliminar
    2. ... e corrigi o texto, claro!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...