Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

22/11/2013

XIII #22 – Retour à Greenfalls











Yves Sente (argumento)
Iouri Jigounov (desenho)
Dargaud
França, 22 de Novembro de 2013
220 x 295 mm, 48 p., cor, cartonado
11,99 €


A retoma de séries marcantes ou de sucesso por outros autores – e falo em termos europeus, obviamente – apresenta dois problemas principais.
Por um lado, a sombra das versões originais é demasiado incómoda, o que faz com que – geralmente – as novas versões não consigam ser mais do que clones.
Depois, o suceder de novas aventuras, acaba por esvaziar ou reduzir a importância dos originais, chamem-se eles Blake e Mortimer, XIII, Spirou, Astérix ou Lucky Luke. Porque, hoje, usando um dos exemplos que atrás ficou, Blake e Mortimer não é a obra-prima de Edgar P. Jacobs, mas sim, para o bem (menos) e para o mal (mais), a soma da dezena de títulos que ele legou mais os vários volumes que, de forma mais ou menos inspirada, outros escreveram ou desenharam.

Isso é notório neste segundo ciclo de XIII, de que este álbum, lançado hoje no mercado francófono, é já o terceiro tomo, onde a sua falta de memória continua a ser pretexto para novas conspirações, desta vez com a agravante (bem menos credível do que tudo que Van Hamme alguma vez escreveu na série) de estar relacionada com alguns dos seus antepassados, que viajando a bordo do Mayflower, no século XVII, fizeram parte dos fundadores dos Estados Unidos.
A procura de um documento dessa época que, supostamente, pode mudar a face do país, torna Jason Fly (a verdadeira identidade de XIII) o alvo preferencial da Fundação e o centro de uma perseguição encetada por diversas organizações. Betty, o major Jones e o general Carrington, (res)surgem também na trama que, apesar do que atrás ficou exposto, está bem delineada e escrita em bom ritmo mas não disfarça um certo sabor a déjà vu…
Por outro lado, graficamente, embora competente – e até com um traço mais limpo – o russo Jigounov não é Vance e falta a esta nova vida do amnésico mais célebre da BD o carácter agreste e rude do desenho dos primeiros álbuns.
Se tudo isto não será um óbice para quem trava agora conhecimento com uma das séries que mais mal tratada foi em Portugal, para os que, ao contrário do protagonista - J – têm memória, a leitura acaba por deixar um travo algo amargo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...