Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

23/11/2013

X-Men: Meio século com os mutantes















Criados há meio século os X-Men surgiram como uma reflexão sobre a solidão adolescente, o racismo ou o direito à diferença, mas demoraram a tornar-se um dos títulos mais populares de super-heróis da Marvel.


No início da década de 1960, quando Stan Lee criava as bases do futuro universo Marvel, a criação dos X-Men mostrava um grupo de super-heróis diferentes daqueles tinham sido criados até então. Enquanto o Homem-Aranha, o Quarteto Fantástico ou o Hulk – todos imaginados por Lee - tinham adquirido os seus poderes na sequência de acidentes ou experiências científicas mal sucedidas, as capacidades extraordinárias dos X-Men deviam-se a uma mutação genética no seu ADN. Isso fazia deles, segundo alguns, um passo em frente na evolução do ser humano, e, segundo outros, uma ameaça a abater.
Entre os novos mutantes – termo utilizado pela primeira vez em 1953, pelo escritor Wilmar Shiras, no livro Children of the Atom - havia também duas posições antagónicas: enquanto o seu líder, professor Xavier, um poderoso telepata confinado a uma cadeira de rodas, defendia o convívio com os humanos e a utilização dos super-poderes para os ajudar, uma facção liderada por Magneto pretendia subjugar e escravizar a raça humana.
O primeiro confronto, inevitável, teve lugar logo na primeira história, em que a formação original dos X-Men incluía o Homem de Gelo, capaz de congelar tudo ao seu redor, Jean Grey, que movia objectos com o poder da mente, o Anjo, que possuía asas nas costas, Ciclope, capaz de transformar energia solar em rajadas disparadas pelos olhos, e Fera, um génio científico com força, agilidade e reflexos sobre-humanos.
Apesar da autoria de Lee e de Jack Kirby (1917-1994), as vendas da revista demoravam a arrancar, pelo que, a partir do número 19, coube a Roy Thomas e a Neal Adams tentar inverter a situação, sem sucesso, apesar da criação de novos mutantes.
Na entrada da década de 1970, Len Wein e Dave Cockrum surgiam como nova equipa criativa, mas os X-Men só começaram a conquistar a popularidade que hoje lhes é reconhecida quando o britânico Chris Claremont assumiu a escrita dos argumentos, em 1975. Durante 17 anos, no início com uma bem-sucedida parceria com o também britânico John Byrne, Claremont escreveu histórias em que reformulou a equipa original, internacionalizando-a com a entrada da africana Tempestade, o russo Colossus, o alemão Nocturno e o regresso do canadiano Wolverine, que viria a assumir cada vez mais protagonismo.
A morte de Jean Grey, uma das que maior impacto teve nos quadradinhos de super-heróis, seria o prenúncio de muitas outras que se viriam a suceder, provocando sucessivos picos de interesse, a que se juntou a exploração das características mais humanas dos diversos mutantes, originando desentendimentos e confrontos entre eles, a par da exploração dos preconceitos crescentes dos seres humanos em relação aos mutantes.
Nos anos 90, a introdução de múltiplas personagens originou histórias cada vez mais complexas e com múltiplas ramificações, tornando-os quase um universo à parte no seio da Marvel, que continua em expansão nos quadradinhos até aos nossos dias e com adaptações bem-sucedidas no cinema.
Este último aspecto fez com que, na entrada do corrente século, os quadradinhos se aproximassem da versão cinematográfica com os Ultimate X-Men, para tentarem cativar os que descobriram os mutantes no grande ecrã.

Novo filme a caminho
Apesar da 20th Century Fox ter adquirido os direitos dos mutantes em meados dos anos 90, só em 2000 é que X-Men, dirigido por Bryan Singer, e com Patrick Stewart, Ian McKellen, James Marsden, Hale Berry e Hugh Jackman no elenco, chegou aos ecrãs, sendo co-responsável pelo número crescente de películas de super-heróis produzidas desde então.
Seguiram-se X-Men 2 (2003), X-Men: Confronto Final (2006), Wolverine: Origens, X-Men: Primeira Classe (2011) e Wolverine (2013)
Para Julho do próximo ano está já anunciado X-Men: Dias de um futuro esquecido, de novo dirigido por Singer, baseado numa BD de Claremont e Byrne, que reúne mutantes provenientes de épocas distintas.


(Versão revista do texto publicado no Jornal de Notícias de 13 de Novembro de 2013)


3 comentários:

  1. Canadiano???? Não seria Canadense?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Kaiossama,
      Em português é canadiano, em brasileiro é canadense, mas ambos percebmos o que os utros queriam dizer...
      Mais uma prova da inutilidade absurda que tem por título Acordo Ortográfico...

      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Não em Portugal, Kaiosama.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...