Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

08/11/2013

Palmer en Bretagne

Jack Palmer #15













René Pétillon
Dargaud
França, Setembro de 2013
240 x 320 mm, 56 p., cor, cartonado
13,99 €


Se há história em que apetece escrever que o (suposto) protagonista não é mais do que simples observador, é esta.
Na verdade, contratado como segurança para acompanhar um milionário numa festa, durante um fim-de-semana, numa ilha particular ao largo da Bretanha, Jack Palmer, possivelmente o mais inapto detective da história da BD (e não só…) acaba preso num pequeno rochedo, devido à subida da maré e lá permanece ao longo de praticamente todo o álbum.
Entretanto, na ilha, onde a anfitriã (falida) recebe ricos e novos-ricos, jornalistas, fornecedores de marisco e algumas pessoas mais, dois crimes vão ter lugar: a destruição de um quadro cobiçado por dois dos convidados e a morte de um terceiro conviva, numa praia pouco agradável devido às algas tóxicas que lá existem.
Se Pétillon – antigo Grand Prix de Angoulême mas autor pouco conhecido em Portugal onde suponho que apenas está editado O Pequinês, aventura impagável e super-divertida de Jack Palmer – abandonou há muito a linha clara que o caracterizava - presente ainda no álbum acima citado – em favor de um traço mais próximo do desenho de imprensa que também pratica, revela-se mais uma vez um escritor de diálogos – cínicos, mordazes, certeiros - de excepção e um grande cenógrafo, capaz de congregar em espaços diminutos uma enorme quantidade de personagens, retratos (não tão) deformados de representantes de diversos estratos sociais e económicos que facilmente (re)conhecemos e de abordar em tom jocoso temáticas como os (tristemente) famosos, política, choques sociais, questões regionais e, acima de tudo, a  vaidade humana.
Entre gente falida que tenta a todo custo manter as aparências, novos-ricos pretensiosos, jornalistas de escândalos, polícia pouco eficiente, uma tarada sexual e políticos apenas com vontade de se mostrar sem mostrarem obra, Palmer acaba por brilhar e resolver o caso, se bem que ninguém lhe dê ouvidos ou o reconheça!


Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...