Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

31/10/2013

Thor: O mundo das trevas

















O regresso do poderoso Thor aos ecrãs nacionais, hoje, fica marcado pelo seu retorno a Asgard e pelo confronto com Malekith, rei dos Elfos Negros.

Thor (2011) narrava a origem do deus nórdico louro e a sua opção de ajudar os habitantes da Terra, para onde o pai, Odin, o tinha desterrado devido à sua impulsividade, decorrendo a acção maioritariamente no nosso planeta.
Agora, continuando a desenvolver no cinema a cronologia Marvel importada dos quadradinhos, Thor: O mundo das trevas (Thor: The Dark World no original), tem como ponto de partida os eventos finais do filme Os Vingadores (2012), em que se inclui a prisão de Loki, meio-irmão de Thor. A par disso, deixa os cenários terrestres para nos transportar para Asgard e outros mundos fantásticos, onde o Deus do Trovão, de novo interpretado por Chris Hemsworth, se prepara para assumir o trono. Só que uma ameaça proveniente do passado irá surgir, obrigando-o a um confronto fantástico contra Malekith (Christopher Eccleston), rei dos Elfos Negros, uma raça de Asgard que se acreditava extinta.
Numa história recheada de referências, não só ao Universo Marvel mas à cultura pop em geral, a realização desta vez foi entregue a Alan Taylor, que trazia como capital de experiência o ritmo televisivo adquirido em episódios de séries como Guerra dos Tronos, Os Sopranos ou Mad Men, e como missão igualar ou mesmo ir mais além dos pontos fortes do filme original realizado por Kenneth Branagh: a imponência e magnificência de Asgard, o tom heróico das batalhas magistralmente encenadas e o arrebatador confronto de Thor com o vilão Destruidor.
As primeiras impressões já conhecidas sobre o filme, que tem argumento de Robert Rodat, que desempenhara igual tarefa em O resgate do soldado Ryan, destacam-no como mais equilibrado do que o primeiro da franquia e com uma boa dose de um humor certeiro e conseguido que ajuda a fazer a ponte entre os momentos dramáticos e as cenas de acção.
Em termos cénicos, o filme é uma das mais espectaculares adaptações da Marvel, pois à magnificente Asgard, junta-se agora uma caracterização fantástica e credível dos Nove Reinos que compõem a cosmografia nórdica, com os efeitos acentuados pela aplicação do 3D, e uma batalha final épica e empolgante, desta vez em terras de Asgard.
Ao lado de Hemsworth volta a destacar-se um elenco de luxo, com Natalie Portman (como Jane Foster), a ter um papel determinante no desfecho final, tal como Tom Hiddleston (Loki) Anthony Hopkins (como o soberano Odin), Jaimie Alexander (Sif) e  Ray Stevenson (Volstagg).
A relação dúbia entre Thor e Loki, seu adversário desde sempre mas que aqui surge como aliado devido ao que está em jogo, é um dos aspectos relevantes do relato, em cujo final Thor deverá tomar uma difícil decisão, pois, na boa tradição Marvel introduzida por Stan Lee, todas as vitórias têm um preço e podem mesmo exigir grandes sacrifícios.



Um vilão ao nível dos deuses
Criado por Stan Lee e Jack Kirby, em 1962, baseado na mitologia nórdica, o poderoso Thor foi sempre um caso à parte no universo Marvel, devido ao seu carácter “divino”.
Por isso, essa é também uma das características de alguns dos vilões que ao longo de mais de meio século de quadradinhos Thor teve de defrontar, salientando-se entre eles Loki, o seu meio-irmão, que nunca foi capaz de aceitar o facto de Odin o ter preterido para lhe suceder, o que conferiu à saga um tom shakesperiano.
Filho de um gigante morto por Odin, Loki, que apareceu pela primeira vez na revista Journey into Mistery #85 (1962) numa história assinada por Lee e Kirby, foi adoptado pelo soberano de Asgard, para onde foi levado, mas nunca se sentiu um entre os deuses. Sem a habilidade e a agilidade de Thor, dedicou-se ao estudo da magia, que por várias vezes utilizou para se tentar apoderar do trono.
Apesar de pontualmente ter cooperado com Thor ou mesmo lutado ao seu lado, vota-lhe um ódio incomensurável que só a morte do filho de Odin poderia aplacar.

(Versão revista do texto publicado no Jornal de Notícias de 31 de Outubro de 2013)


THOR: O MUNDO DAS TREVAS - Trailer Legendado by dmagianet

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...