Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

22/10/2013

Capitana Marvel #2






Colleción 100 % Marvel
Kelly Sue DeConnick e Christopher Sebella (argumento)
Dexter Soy, Jamie McKelvie e Filipe Andrade (desenho)
Veronica Gandini e Jordie Bellaire (cor)
Panini Comics
Espanha, Setembro de 2013
170 x 260 mm, 136 p., cor, brochada com badanas
12,00 €

    
Resumo
Compilação dos comics norte-americanos Captain Marvel #7 a #12.
Os comics #9 a #12 têm desenho do português Filipe Andrade.

Desenvolvimento
Autor de estilo próprio – com apreciadores e outros que nem tanto – Filipe Andrade tem subido progressivamente no duro mercado dos comics norte-americanos de super-heróis. Primeiro foram histórias curtas, depois one-shots - X-23 -, duas mini-séries – Onslaught Unleashed e John Carter de Marte - antes de, finalmente, chegar a um título regular: Captain Marvel, mesmo que apenas num arco com 4 números e antes do início da recauchutagem  (deixem-me chamar-lhe assim) Marvel Now!.
Dividida entre os seus problemas pessoais, profissionais e afectivos e as suas incumbências como super-heroína, Carol Denvers (actual detentora do fato de Captain Marvel) a par do regresso de uma antiga inimiga descobre que tem um grave problema de saúde que a impede de voar.
A trama assenta no choque entre essa premissa – de contornos ainda não completamente desvendados – e a necessidade – enquanto poder especial para o combate aos vilões e forma de realização pessoal – com algumas cambiantes interessantes, que a transformam numa leitura agradável e que dispensa bem o conhecimento prévio do passado dos intervenientes, algo cada vez mais raro no universo Marvel.
O traço de Filipe Andrade, que o autor, no seu blog (de onde foram retiradas as imagens deste texto) considera a sua melhor prestação até à data – bem servido pelas cores de Jordie Bellaire – se mantém a agilidade que confere grande dinamismo às cenas, assentes numa planificação multidiversificada, revela também uma (insuspeita?) sensualidade (contida, evidentemente, mas que surge naturalmente aos nossos olhos).

A reter

- O trabalho de cor de Jordie Bellaire, bem conseguido.
- O estilo personalizado de Filipe Andrade, embora essa originalidade justifique que alguns não o apreciem…
- … e a recolha em livro do arco desenhado por ele…

Menos conseguido
- … embora complementado por dois comics (ainda) desenhados por Dexter Soy e Jamie McKelvie.
- O lapso – indesculpável em edições com a qualidade que as da Panini Comics espanhola geralmente apresentam – que, no sumário do livro, ignorou o nome de Filipe Andrade, substituído por Jamie McKelvie e Joe Quinones, enquanto desenhador dos comics #9 a #12, apesar de o nome do artista português – naturalmente - aparecer na capa e na página de abertura da obra. 


Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...