Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

13/09/2013

Palmas para o esquilo








David Soares (argumento)
Pedro Serpa (desenho)
Kingpin Books
Portugal, Setembro de 2013
155 x 220 mm, 52 p., cor, brochada com badanas
10,99 €


“Qual a diferença entre a imaginação e a loucura?” questiona David Soares na contracapa deste seu novo livro, que é lançado amanhã, sábado, 14 de Setembro, em Lisboa.
E, acrescento eu, qual a diferença entre normalidade e loucura? Qual a diferença entre a diferença e a loucura?
E quem estabelece os limites de cada uma? Quem delibera a partir de que ponto, de que momento, de que comportamento – mesmo que desviante – deixamos de ser imaginativos, originais ou diferentes, para virarmos loucos?

Passado numa instituição psiquiátrica - um lugar parado no tempo e no espaço, com cada paciente perdido no mais fundo de si próprio, da sua imaginação ou falta dela... - “Palmas para o esquilo” é uma viagem por alguns desses limites – que questiona e refuta – através do presente – ensombrado pelo passado – de alguém que balança entre a sua existência humana e o desejo – a crença – de ser um esquilo.
Num registo circular, com os extremos (narrativos) a tocarem-se e a fecharem um círculo que só a morte pode quebrar – tal como normalidade e loucura tantas vezes se tocam e completam até a morte surgir como libertação – David Soares através de uma escrita judiciosa assente em palavras pouco vulgares – anormais? – escolhidas a dedo para adensar o relato e obrigar a leitura concentrada e atenta para delas se extrair todo(s) o(s) seu(s) significado(s), conduz-nos numa viagem por limites mal definidos, tão capazes de fazer elevar aos cumes – da imaginação? – quanto de provocar a queda para o abismo – da sã normalidade..
A contrastar com o tema incómodo e com o tratamento denso que lhe é dado, o desenho de Pedro Serpa – falsamente simples – apresenta-se assumidamente despido de excessos e pormenores num registo minimalista difícil de alcançar que, a par da planificação meticulosa de David Soares, constituem uma outra dualidade num álbum que obriga a mais do que uma leitura para que conceitos, ideias e provocações possa ser descobertos plenamente.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...