Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

27/08/2013

The Walking Dead #5 e #6

A melhor defesa / Esta triste vida



  








Robert Kirkman (argumento)
Charlie Adlard (desenho)
Cliff Rathburn (tons cinzentos)
Devir (Portugal, Março e Junho de 2013)
168 x 258 mm, 136 p., pb, brochado com badanas
14,99 €


Apreciador de The Walking Dead, quer na versão original aos quadradinhos, quer na versão televisiva, entendendo (e aceitando pacificamente) as diferenças inerentes a dois meios narrativos díspares, com públicos diversos, onde divergem avanços e recuos, o tratamento de algumas personagens – em termos de relações, introdução e supressão – e o timing de acontecimentos determinantes, após estes dois volumes – mais especificamente após o tomo #5 – confesso-me integralmente rendido à BD e entendo que esta deu um passo impossível à televisão pela regras do meio e pela necessidade (financeira) de alargar ao máximo o espectro de espectadores (que têm sido muitos).
O motivo, é o grau de violência explícita atingido nestes dois tomos em que é introduzido o Governador – figura tutelar na 3ª temporada televisiva – e em que existe o primeiro face a face entre ele, Rick e Michone. Violência essa – cujos efeitos não vou referir para não privar os leitores do “murro no estômago” que eu levei – que surge de forma natural no contexto e na definição da personagem e que justifica plenamente o antagonismo – o ódio mesmo - entre as três figuras citadas, algo que na série televisiva não surgiu com tanta credibilidade.
Só por isso, a leitura destas dezenas de páginas já se justificava, mas a mestria de Kirkman, construindo e expandindo o universo caótico que criou, é outro motivo maior para nos demorarmos nas páginas destes dois volumes, no qual continua a explorar relações, tensões, situações ambíguas e momentos dramáticos, que ganham especial importância na situação limite experimentada pelos sobreviventes da epidemia de mortos-vivos, no espaço a que voluntariamente se confinaram e onde a ilusória liberdade rima de forma dramática e traumática com o termo prisão que desde sempre o designou.



Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...