Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

19/08/2013

Gatos aos quadradinhos









Os 35 anos de Garfield, que se cumpriram há dois meses, foram o pretexto para evocar no Jornal de Notícias de 19 de Junho alguns dos outros gatos dos quadradinhos, cujo texto – revisto e aumentado – vem já a seguir. É uma relação não exaustiva, que desafio os meus leitores a completar com outros bichanos desenhados.

Criação de Jim Davis, Garfield, possivelmente o mais famoso gato da banda desenhada, estreou-se em 1938 em 40 jornais; hoje é publicado por cerca de dois milhares de periódicos de todo o mundo.
Laranja com riscas pretas, gordo, preguiçoso, devorador de lasanha, esmagador de aranhas e implicativo com o seu dono, Jon, e com Oddie, o cão (parvo) da casa, Garfield terá nascido inspirado nas duas dúzias de gatos com que o seu criador conviveu na adolescência, numa quinta em Indiana.
O início modesto rapidamente deu origem a um sucesso raramente igualado nos quadradinhos, baseado na capacidade de observação de Davis, no reciclar contínuo de situações e desfechos e na facilidade com que o leitor se pode identificar com Garfield, nas suas características mais humanas - cinismo, maldade, preguiça, ódio a segundas-feiras, despertadores e dietas…
Dos quadradinhos, o êxito saltou – espreguiçou-se será mais adequado… - para a animação, o merchandising e o cinema, transformando o autor num homem rico e o gato num ícone a nível mundial.

Garfield não é, no entanto, o único felino que protagoniza tiras de imprensa e, neste contexto, é de salientar uma honrosa criação nacional, Hórus, que viveu em mais de uma centena de tiras diárias, publicadas entre 1996 e 1998, chegando mesmo a interagir com o seu autor, José Abrantes.
Editados em português há pelo menos mais três casos: Mutts (Devir), de Patrick McDonnel, uma abordagem bem diferente, terna e poética, centrada no comportamento dos animais e na sua interacção – curioso e dinâmica – com a natureza, os seres humanos e os outros animais; O Gato do Simon (Objectiva), de Simon Tofield, felino de dupla personalidade, tão capaz de ser preguiçoso, pachorrento, mimado como de destruir a casa em que vive; Aqui há gato (Bizâncio), de Darby Conley, que opõe Satchel, o cão, pacato, preguiçoso, comilão e estúpido até dizer chega a Bucky, o gato, cruel, violento, sádico e abusador.


Mas existem outros exemplos da secular inimizade entre gatos e cães, ratos ou pássaros… Na revista “Tintin” portuguesa, encontrávamos Cubitus recorrentemente às voltas com o irascível Sénéchal, Clorifila que defrontava a cruel Celimene ou Milu que não perdia uma oportunidade de perseguir o gato do castelo de Moulinsart; importados de outros meios, mas vivendo também aventuras aos quadradinhos, vemos Silvester e Tweety, Tom e Jerry ou Geronimo Stilton face aos malvados gatos Piratas.


Mas, já bem antes de Garfield, a BD explorava os felinos (ou será o contrário?). Um dos exemplos mais antigos é “Cicero’s Cat”, criação de Bud Fisher estreada no final de 1933, que o “Mundo de Aventuras” rebaptizou como “A gata do Tobias”. Na mesma época, os quadradinhos herdavam “Felix, the cat”, nascido na animação muda em 1919, onde chegou a contracenar com a sensual BettyBoop.


“Fritz the cat”, de Robert Crumb, versão satírica, mordaz e politicamente incorrecta deste último, explodiu em meados da década de 1960, quando o movimento underground levou os quadradinhos norte-americanos a descobrirem que todas as temáticas eram possíveis, que fez uma breve aparição em Portugal, no jornal "Lobo mau" (1979). Igualmente de abordagem (bem) adulta é “Omaha, the cat dancer”, BD erótica criada nos anos 70 por Reed Waller e Kate Worley.


De temática mais fantástica são “Billy the cat” (ASA), de Desberg e Colman, que narra as aventuras de um menino malvado transformado em gato ou “Chats”, que revela uma terra pós-apocalítica sem seres humanos, em que lobos e gatos se confrontam pelo domínio das (ruínas) do planeta.


De tom filosófico podemos citar “Sua excelência o gato”, de Géluck, com um desconcertante humor nonsense repleto de trocadilhos e segundos sentidos, ou O gato do Rabino (ASA), de Joann Sfar, que fala e discute religião com o seu dono, enquanto que Catherine Labey se lembrou de reiterpretar, com algum humor, ditos e provérbios populares, à luz da sua aplicação ao quotidiano dos gato nos seus "Provérbios com gatos".


Mas, claro está, na banda desenhada também existem gatos que são apenas isso, gatos: Mingau, que pertence à Magali da Turma da Mônica, Toni, a gata de Julia Kendall, a criminóloga da Bonelli, ou, a um nível mais assustador, o terrível gato sem nome, parceiro de disparates de Gaston Lagaffe são exemplos populares.


Para o final, ficou uma gata muito especial, a lânguida e sensual Catwoman, supervilã da DC Comics que nos quadradinhos ou no cinema, já deu certamente a volta a muitas cabeças, mesmo daqueles que não gostam de animais… 

4 comentários:

  1. Só faltou os THUNDERCATS e Blacksad.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Optimus,

      Esse faltaram - e é imperdoável - mas faltaram mais alguns...

      Boas leituras... atentas!

      Eliminar
  2. fantam muitos e isso e imperdoavel que orror

    ResponderEliminar
  3. Horror (com H) é fazer este tipo de comentários de forma anónima.
    Para mais sem perceber que o texto foi inicialmente publicado num jornal, logo com espaço limitado, e está longe de pretender ser um apanhado exaustivo de todos os gatos que existem na BD, mas apenas uma resenha breve dos casos mais populares.

    Boas leituras.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...