Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

14/08/2013

Disney BIG #1











Vários autores
Goody
Portugal, Agosto de 2013
135 x 190 mm, 512 p., cor, cartonada, trimestral
4,90 €


Pré-história
Li BD Disney na minha infância - terão sido mesmo as primeiras bandas desenhadas que li? – e foram leituras que me acompanharam regularmente até ao final da minha adolescência.
Depois disso, os regressos às histórias aos quadradinhos de Mickey – o meu preferido – Pateta, Donald, Peninha, Patinhas e companhia foram esporádicos e maioritariamente balizados pelas obras dos grandes mestres como Carl Barks, Floyd Gottfredson ou Don Rosa.

Desde há 9 meses
No regresso da BD Disney às bancas portuguesas, após meia dúzia de anos de ausência, reencontrei esses quadradinhos, primeiro pela curiosidade de quem lê banda desenhada (diversificada), depois para acompanhar os meus filhos – então com 7 e 10 anos - que foram “agarrados” pelos quadradinhos de patos e ratos.
Desde logo, senti – negativamente – algumas diferenças fundamentais relativamente às imagens que a minha memória tinha guardado: um traço mais dinâmico e moderno - mas também mais cansativo e, por vezes, menos legível -, a sensação de que muitas das histórias acabavam “a meio”, o predomínio de um desagradável (para mim!) politicamente correcto, que limitava o humor e fazia de polícias e bandidos bons amigos (quase apenas) com opções diferentes, a descaracterização de algumas personagens – Mickey ( o meu preferido…) é um dos casos mais gritantes – e a introdução ou o aumento de protagonismo de outras – Batista à cabeça, mas também Indiana Pateta, Brigite, Donald menino… – que pouco acrescentaram de interessante.
O que não quer dizer que tudo seja negativo nos actuais quadradinhos Disney (italianos), que na Comix ou na Hiper repetidas vezes me divertiram, me possibilitaram reencontros com o Super Pato, Super Pateta, Mancha Negra ou Peninha, que me fizeram voltar a ler autores que há décadas lia e onde gostaria de destacar as duas (surpreendentes) histórias mudas  publicadas na Comix.

Hoje
Há poucas semanas, o anúncio da mais recente edição da Goody, a Disney BIG #1, com “As melhores histórias de sempre”, prometia consolidar esse regresso ao passado.
Começando por referir o objecto em si, não há dúvida que apresenta uma óptima relação quantidade/preço, ficando cada prancha por menos de 1 cêntimo!
Positiva, também, é a inclusão no índice do nome dos autores e da data de publicação original e de estreia portuguesa (quando é caso disso) de cada história.
No entanto, penso que uma edição assim merecia ser maior em tamanho que as outras edições Goody e ter uma capa mais consistente; acredito também que se justificava a inclusão de capas interiores a separar as diversas secções temáticas em que a revista se encontra dividida.

Feita a leitura, se reconheço sem dificuldade que esta é a melhor edição Disney que a Goody fez até ao momento, confesso que soube a pouco. Ou, pelo menos, que não correspondeu à água que me criou na boca...
Desde logo pelo (largo) capítulo protagonizado pelo Batista, que pouco me diz, também pela presença do Indiana Pateta mas, principalmente pelas omissões. Porque, há “patos a mais” - Donald e/ou Patinhas protagonizam 17 das 19 histórias… - em oposição a nenhum (verdadeiro) Mickey.
Depois, relatos (mesmo, mesmo) longos, há apenas um (e pouco interessante). Se Cimino, Scarpa, De Vita ou Cavazzano estão nestas páginas, faltam os outros, os não italianos (norte-americanos, outros europeus, brasileiros) como Barks, Rosa, Murry, Taliaferro, Gottfredson…
E havendo 7 narrativas anteriores a 1980, também se encontram 11 das décadas de 1990 e 2000…
É verdade que a Goody (pelo menos teoricamente) é alheia a esta selecção – o que se deve questionar, pois os leitores italianos e portugueses terão (digo eu) preferências diferentes - pois a edição segue de muito perto a Disney BIG #22 italiana (como refere Nuno Pereira de Sousa no seu texto “Disney BIG: grande no tamanho ou no conteúdo?”, cuja leitura (complementar desta) aconselho.

Futuro
Seguindo esta ordem de ideias, dando uma olhadela no conteúdo da Disney BIG italiana seguinte, a #23 – que corresponderá sensivelmente à Disney BIG #2 portuguesa? - a verdade é que se o protagonismo está mais dividido e há uma secção dedicada a aventuras históricas do Pateta, temo que ainda não será dessa que veremos realmente - de novo em português – “as melhores histórias Disney de sempre”…



8 comentários:

  1. Aqui no Brasil, quando começou, a Disney BIG também trazia pouca variedade de personagens, mas muitas histórias eram clássicas de Don Rosa, Carl Barks e outros dessa mesma época. Ficamos escrevendo à editora sempre pedindo pela variedade de personagens e depois de uns 18 edições, mais ou menos, começamos a notar que estávamos sendo atendidos aos poucos, pois começaram a surgir histórias com obão, Os três Porquinhos, Banzé...

    O meu recado é: faça exatamente isso o que você fez. Registre sua opinião em blogues, grupos, comunidades e faça com que a editora saiba dessas opiniões para que ela possa melhorar futuramente.

    Abraços.

    Fabiano Caldeira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Fabiano,
      Pelos vistos a BIG aí no Brasil, com esses autores, começou melhor do que aqui em Portugal...
      De qualquer forma, reconheço que a Goody, que edita as revistas Disney, tem tentado ir ao encontro dos pedidos dos leitores. E sei que não pode satisfazer apenas os leitores antigos...

      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Parece que vou passar esse italianos classicos,não para mim.
    Só o SIEGEl é que teve direito a uma historia a Disney italiana é tão "competente" como a sua comadre Panini.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Optimus,
      Todos temos de fazer escolhas... infelizmente!
      A BIG traz duas histórias do Jerry Siegel.
      Apesar de a sua produção maioritariamente não corresponder às minhas preferências. a verdade é que a Disney italiana tem mostrado grande competência e a prova disso são as dezenas de histórias e as muitas revistas que publica mensalmente, sendo um dos últimos bastiões da BD Disney.

      Boas leituras!

      Eliminar
  3. Boas Pedro,

    Eu desde sempre suspeitei que tinha que haver uma contrapartida desta reedição de BD Disney. Se as mesmas desapareceram por volta de 2007 por falta de leitores, duvido que o panorama tenha mudado muito hoje em dia, o que quer dizer que a Goody para manter as publicações que mantém ao preço que mantém tem de cortar nalgo- e cada vez é mais óbvio que o corte foi na própria estruturação das edições, pois tudo o que eles fazem é traduzir livros italianos! Portanto num futuro próximo, honestamente, não esperaria nada dos artistas Americanos... a não ser que os Italianos se lembrem eles de publicar algo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro KKM,

      Não sei os motivos que levaram ao fim da BD Disney em 2007, mas nem sempre são as fracas vendas a decidi-lo.
      Do que sei, actualmente as revistas da Goody estão a vender bastante bem. E em equipa que ganha...
      Também sei que há uma nova geração de leitores que aderiu aos quadradinhos italianos e que não conhece os clássicos norte-americanos, por isso não sente a falta deles - ou nem sequer os aprecia. Tenho dois filhos assim.
      De qualquer forma, a BIG foi uma primeira resposta aos leitores mais "maduros". Insuficiente para mim, mas um bom passo na direcção certa.
      Mas só o futuro dirá se tenho ou não razão...

      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...