Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

21/08/2013

Brick Bradford, 80 anos












Um dos heróis presentes no primeiro número do Mundo de Aventuras, em 1949, Brick Bradford, um dos pioneiros dos quadradinhos de ficção-científica, nasceu há 80 anos.

A estreia, sob a forma de tira de jornal, em jornais locais, acontecera a 21 de Agosto de 1933, graças à imaginação de William Ritt, um jornalista que, possivelmente, se inspirou em Buck Rogers, o herói do século XXV criado quatro anos. Os dois heróis, juntamente com Flash Gordon, surgido no ano seguinte, ficaram como expoentes de um género que balizaram durante décadas.
Combinando o registo de aventura com um tom policial e uma base científica com alguma consistência, Brick Bradford usava uma nave espacial em forma de pião, uma das invenções do cientista Kalla Kopak, um dos seus companheiros recorrentes tal como a sua noiva June, que lhe permitia viajar no tempo e no espaço e explorar os mais diversos mundos, reais ou imaginários, para viver todo o tipo de aventuras e enfrentar bactérias e dinossauros, robôs e extraterrestres, vilões e ditadores.
O responsável pelo desenho era Clarence Gray, possuidor de um traço fino, realista e detalhado, que haveria de brilhar ainda mais quando o herói espacial passou a protagonizar também uma página dominical colorida, a partir de Novembro de 1934, ano em que passou igualmente para alguns dos principais jornais nacionais norte-americanos.
Dois anos depois viriam as versões em revista, a adaptação em livros de bolso concretizou-se na década seguinte, bem como e a passagem ao cinema, num seriado de 12 episódios, de 1947, realizado por Spencer Gordon e Thomas Carr e protagonizada por Kane Richmond. O Pião do Tempo inspirou uma enorme escultura em bronze do artista canadiano Jerry Pethick (1935-2003), instalada em False Creek, em Vancouver, após ter estado mergulhada na água do mar durante dois anos para apresentar um aspecto envelhecido.
Ritt abandonou a sua criação no final da década de 1940, deixando-a nas mãos de Gray que passou a escrever também os argumentos. Em 1952, Paul Norris assumiu a tira diária e, cinco anos depois, com a morte de Gray, ficou igualmente responsável pela prancha dominical, gerindo os destinos de Brick Bradford até ao seu cancelamento, a 25 de Abril de 1987.
Para além do Mundo de Aventuras, em Portugal – onde chegou a ser rebaptizado como Brigue Forte – Bradford foi presença regular noutros títulos como “Audácia”, “Condor Popular”, “Grilo” ou “Jornal do Cuto” e em álbuns da Presença e da Futura. 

(Versão revista e aumentada do texto publicado no Jornal de Notícias de 21 de Agosto de 2013)


Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...