Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

26/07/2013

Os Escudos da Lusitânia #0






João Figueiredo e Adelina Menaia (argumento)
João Raz, Paulo Marques, Ana Saúde, Claudino Monteiro e João Amaral (desenho)
Verbos & Letras / Grupo Entropia
Portugal, Junho de 2013
147 x 205 mm, 24 p., cor, cartonado
 6,00 €


Este é um projecto (bem?) mais ambicioso do que o seu aspecto – edição de pequeno formato, com poucas páginas e, apesar da cor, modesta - leva a pensar.
Novo projecto da BD portuguesa, na sequência das diversas iniciativas que o Grupo Entropia tem levado a cabo, esta revista “Os Escudos da Lusitânia” é por isso uma surpresa ao mesmo tempo que deixa um sabor amargo na boca.

Vamos por partes, começando pelos aspectos menos conseguidos.
Um projecto destes merecia artes mais cuidadas e equilibradas, ou seja autores com mais maturidade, domónio da anatomia, da planificação e da aplicação da cor, uma dimensão maior que facilitasse a leitura e, acima de tudo, justificava uma periodicidade mais curta – ou em alternativa uma edição mais volumosa - sem o que se arrisca a perder-se na voragem do tempo.
(E eu sei que os autores estão certamente a trabalhar pelo amor à arte e que este não passa de um projecto paralelo às suas existências, que não lhes traz o vil metal nem lhes assegura a subsistência, apenas os satisfaz do ponto de vista criativo, pelo que certamente este foi/é o único modelo viável…) Esperemos que o tempo que vai passar entre esta edição e a próxima, possa contribuir para o crescimento gráfico dos desenhadores envolvidos.
Porque, na verdade, “Os Escudos da Lusitânia” tem todo o aspecto de ser um projecto estruturado, com uma base que parece estável, e, apesar de alguma inexperiência (?), aparenta ter (boas) pernas para andar, pela forma como nestas (muito) curtas 24 páginas se multiplicam os protagonistas e os registos, unidos pela ideia base e pelo cenário comum: a Leikitânea (ou Lusitânia), um território místico, onde “magia e seres fantásticos” são vulgares, invadido por “demónios e seus lacaios” a quem vão fazer frente “os seus heróis. Homens. Elfos e Anões. Guerreiros destemidos, capazes de dar a vida para defender os seus povos”, no qual somos (desta forma) desafiados a aventurarmo-nos.


2 comentários:

  1. Pedro, muito obrigado pela crítica e pelas opiniões. Este é um projecto que queremos que seja sustentável. Sabemos como está o mercado português de BD e conhecemos bem a realidade social e económica do País. E, nesse sentido, temos uma perfeita ideia de até onde podemos ir para já. Naquilo que depende de nós, tudo faremos para que o n.º 1 seja melhor que o n.º 0. Grande Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá João,
      É bom ter consciência das limitações e não dar passos maiores do que as pernas. Fico à espera dessas melhorias no #1!

      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...