Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

25/07/2013

Mágico Vento #117 a #122







Manfredi (argumento)
Perovic, Barbati, Spadoni, Ramella, Siniscalchi, Bliglia, Talami (desenho)
Mythos Editora
Brasil, Março a Agosto de 2012
135 x 170 mm, 132 p., pb, capa mole, mensal
 R$ 8,90 / 4,00 €


Por vezes, quem escreve regularmente sobre um tema – aqui, a BD - acaba por cometer injustiças, esquecendo, mesmo que involuntariamente, títulos que mereciam uma outra atenção.
No meu caso, penso que Mágico Vento é uma delas. Leitura mensal regular, que em breve estará de volta às bancas nacionais para o seu “grande final”, apenas duas vezes marcou presença neste blog.
A principal razão, penso eu, a posteriori, será o facto de não ter (muitas) grandes histórias nos 132 volumes que constituem esta saga, apesar da sua grande unidade e coerência, que obrigam – e justificam – uma leitura integral mais do que dar atenção a determinada narrativa – e convém desde já frisar que a maior parte dos volumes são autoconclusivos e permitem a leitura isolada.
Após a participação de Mágico Vento - o protagonista, um ex-soldado que se tornou xamã índio – na luta destes últimos contra as tropas do General Custer (link) e antes da sua presença ao lado dos que combateram o general Cook a caminho do seu ocaso, este punhado de revistas que hoje destaco narra o seu confronto final com Hogan – embora este, de certa forma, que não vou desvendar para não estragar o prazer da leitura, lhe sobreviva.
Enfrentamento místico, de duas personalidades fortes que personificam a luta do bem contra o mal, da autodeterminação contra o domínio, do ser humano contra entidades que o querem subjugar, conclui de forma épica, no seguimento de uma perseguição ao longo de boa parte dos Estados Unidos, recheada de pequenos episódios que solidificam o retrato realista e histórico que esta saga (também) constitui e reforçam as características intrínsecas das personagens com que nos habituamos a conviver.
A par disto – e talvez esse facto tenha tido algum peso subconsciente – para este destaque – neste último embate há a participação de mortos vivos (embora ligados ao culto vudu), uma temática hoje em dia actual e mediática por via do incontornável The Walking Dead, o que poderá ser um chamativo para (mais) alguns leitores.
Capaz de agradar a admiradores de western, de registos históricos, de narrativa fantásticas e das teorias da conspiração, Mágico Vento merece, pelo menos, o benefício da dúvida e é nesse sentido que deixo aqui esta chamada de atenção, que pecando por tardia, ainda não vem tarde demais.

 

 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...