Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

22/05/2013

Toi au moins, tu est mort avant.










Myrto Reiss e Sylvain Ricard (argumento)
Daniel Casanave (desenho)
Futuropolis
França, Abril de 2013
195 x 265 mm, 192 p., bicromia, cartonado
24,00 €


Resumo
Esta é uma adaptação do romance homónimo autobiográfico de Chrònios Mìssios, comunista grego que, desde a adolescência, passou grande parte da sua vida na prisão.

Desenvolvimento
Se em tempos a banda desenhada procurou a adaptação de obras literárias  como forma de credibilização e para ganhar estatuto, hoje fá-lo – de novo – mas agora como afirmação dessa mesma credibilidade e desse estatuto entretanto conquistado.
Por isso, quando há 50, 60, 70 anos recorria especialmente aos romances de aventuras – nalguns casos com assinalável qualidade, como aconteceu entre nós com Fernando Bento, por exemplo – hoje permite-se uma selecção (muito) mais vasta e abrangente que, frequentemente, vai à procura – e também ao encontro… - de outros leitores que não as crianças/adolescentes que então tinha como público-alvo.
Por isso, mesmo que em muitos casos haja um “retorno às origens” - recriando aos quadradinhos Verne, Stevenson e outros romancistas juvenis – também recorre a adaptações policiais ("Le policier qui rit", ...), romances de sucesso ("Millenium", …) ou obras menos óbvias, autobiográficas e/ou política ou ideologicamente engajadas, como é o caso deste “Toi au moins, tu est mort avant.”

Nascido em 1930 e falecido em Novembro de 2012 - sem ter chegado a ver esta banda desenhada - Chrònios Mìssios foi apanhado pelo turbilhão que se instalou na Grécia após a Segunda Guerra Mundial e a arrastou para uma guerra civil, tendo-se tornado comunista e sofrido – na pele e não só – por essa decisão.
História de (uma) vida atribulada e sofrida pela decisão de, antes de tudo, se manter fiel ao ideal que abraçou, este romance desenhado é um retrato duro do dia-a-dia nas várias prisões por onde Mìssios foi passando ao longo de mais de duas décadas e onde sofreu tortura física e psicológica, isolamento e violência, falsas promessas e aliciamentos vários. E que o traço semi-caricatural utilizado para a traçar faz surgir aos olhos do leitor com redobrada força pelo contraste que provoca.
A solidariedade com os camaradas – nem sempre correspondida, por vezes traída – a perda da primeira mulher que amou, o afastamento da mãe - a única família que lhe sobrava – são outros momentos dolorosos que ajudam a compor o retrato de uma forma de vida, que hoje, a muitos, pode soar estranha, mas que nos deve fazer reflectir, pois esteve longe de ser caso único na Grécia, na Europa – Portugal incluído – há não tanto tempo assim.

A reter
- A capacidade que os autores tiveram de transpor para um registo diferente do original, todos os sentimentos e emoções inerentes a um relato deste tipo.
- A afirmação da banda desenhada – mais uma vez, não que houvesse necessidade – como arte narrativa maior, seja qual for a temática que aborde.
- A qualidade das edições da Futuropolis, na linha de uma (já) longa tradição. Manusear livros como este – capa dura, papel encorpado, bem impresso, bom design, pesado… - é um verdadeiro prazer. 


Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...