Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

21/05/2013

Super-Heróis Disney











Há 40 anos, os leitores de revistas Disney descobriam o Morcego Vermelho, um novo super-herói que parodiava Batman e era tão trapalhão como o seu alter-ego, Peninha.

Criação do brasileiro Ivan Saidenberg, a partir de um desenho do italiano Giovan Battista Carpi, O Morcego Vermelho estreou-se em Maio de 1973 no Brasil, na história “Quem é o Morcego Vermelho?”, desenhada por Carlos Edgard Herrero que, depois, haveria aplicar a sua arte em muitas mais bandas desenhadas deste super-herói.
Para combater os bandidos, usa uma série de utensílios inventados pelo professor Pardal, como o pula-pula morcego, o bate-morcego, a moto-morcego ou a corda-morcego, e mora no Beco do Morcego, numa lata do lixo de onde salta – por vezes com resultados desastrosos – para partir em missão. Ao seu lado, surge por vezes a Borboleta Púrpura, ou seja a Glória, namorada do Peninha.

O Morcego Vermelho não foi, no entanto, o primeiro super-herói a surgir no universo Disney. Essa honra coube ao Superpateta, criado em 1965 pelos norte-americanos Del Curry e Paul Murry, na história “The thief of Zanzibar”. O seu alter-ego é o Pateta que se transforma em super-herói ao comer uns amendoins que crescem no seu quintal. Após a ingestão, dá-se a transformação, de efeito temporário, surgindo vestido com um pijama vermelho de flanela e uma capa azul presa com um alfinete bebé, com força, resistência, inteligência e audição redobradas e visão de raio X, tal como o Super-Homem que lhe serviu de inspiração. Por vezes é auxiliado pelo SuperGil (aliás Gilberto, sobrinho do Pateta) no combate a vilões megalómanos como o Dr. Estigma, o Dr. Tic-Tac ou o Doutor X.

Depois dele, em 1969, surgiu o Superpato (Paperinik no original italiano, numa referência a Diabolik, um popular herói de BD italiano), imaginado por Guido Martina e Giovan Battista Carpi e talvez o mais consistente de todos os super-heróis Disney.
Após descobrir o diário e o uniforme de Fantomius, um assaltante justiceiro do século XIX, Donald decide criar o Superpato, artilhado com uma série de equipamentos inventados pelo professor Pardal – botas com molas, carro voador, um raio que corta a corrente eléctrica, foguetes no cinto para voos curtos… - primeiro para atormentar os causadores dos seus maiores desaires, Tio Patinhas e Gastão, mas rapidamente perde as características de vilão para se tornar um verdadeiro combatente do crime.
Em meados dos anos 90, a personagem foi remodelada, surgindo graficamente mais próxima do universo Marvel e tematicamente mais sombria e com uma forte dose de ficção científica, mas acabaria por regressar ao conceito original, sendo presença regular nas publicações Disney.

Em 1975, o alter-ego do Peninha seria imitado pelo Morcego Verde - também criação de Saidenberg – numa homenagem de um dos seus maiores admiradores, o Zé Carioca que, não tendo superpoderes nem artefactos especiais, é acompanhado pelo Nestor com uma ventoinha para fazer esvoaçar a sua capa, anda de autocarro-morcego – um autocarro normal cujo bilhete acha que não deve pagar por ser super-herói – ou de bicicleta-morcego – levada emprestada de algum vizinho - e utiliza a sua conversa da treta para derrotar os malfeitores.
Geralmente mais trapalhões do que heróicos, todos estes super-heróis Disney acabam por conseguir os seus intentos com alguma ajuda da sorte ou do acaso, sendo bastante populares entre os leitores.
Tal como os Vingadores, da Marvel, ou a Liga da Justiça, da DC Comics, os super-heróis Disney por vezes também actuam juntos para combaterem ameaças maiores.
Depois de se reunirem nos anos 80, em edições brasileiras denominadas Clube dos Heróis, em 2008 surgiram os Ultra-Heróis, um supergrupo que congregava, para além de Mickey e Esquálidus, Superpato, Superpata (Margarida), Superpateta, SuperGil, Morcego Vermelho, Borboleta Púrpura, Morcego Verde, Quatro Folhas (Gastão), Ganso de Aço (Gansolino) e Cartola Mascarado (Tio Patinhas) enfrentando os Bad-7 um grupo de vilões que integrava o professor Gavião, o Mancha Negra, os Metralhas, João Bafo-de-Onça ou Patacôncio.

(Versão revista do texto publicado no Jornal de Notícias de 15 de Maio de 2013)


11 comentários:

  1. OI? Por acaso o jornal não se esqueceu do Carlos Edgard Herrero, que é quem desenhou grande parte dessas histórias do Morcego? Inclusive, certa vez, li em algum lugar oficial da ABril que eles estavam atribuindo a criação aos dois - Ivan Saidemberg e Carlos Edgard Herrero, pois parece que foi algo em conjunto. Não sei como ficou isso, mas atualmnte é o Carlos Edgard Herrero quem está aparecendo publicamente em nome do personagem aqui no Brasil. Seria interessante checar isso com a editora, pra saber o que resolveram disso.

    Abração!

    Fabiano Caldeira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Fabiano,

      Nas várias fontes que consultei para escrever o texto, a criação do Morcego Vermelho é atribuída apenas ao Ivan Saidenberg... Mas é verdade que o Carlos Edgar Herrero desenhou a primeira história do Morcego e muitas mais depois disso, como entretanto confirmei.
      Achei por isso justo introduzir essa menção no texto.

      Obrigado pela atenção!

      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Alexandre Gil22/5/13 02:50

    Olá Pedro!

    O mais engraçado ao ler a tua crónica é a mesma colocar-me a olhar de novo para personagens que não revia há anos.

    Confesso que fico a sorrir perante o "choque" de ver todas as incongruências das personagens Disney (e em particular nas suas versões em SuperHerói)e recordar-me a naturalidade com que sempre as encarei ao longo da minha infância.

    Superpateta a usar um pijama à laia de fato? Peninha a saltar do caixote do lixo? wtf?!?!

    Enfim, acho que é isto um pouco da magia da Disney...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Alexandre,

      Penso que não são incongruências, mas sim uma sátira ás personagens iniciais que inspiraram os "super-heróis" Disney.
      O que é mais suspeito: voar de pijama ou usar cuecas por fora da roupa? Saltar de uma lata do lixo ou usar uma cabine telefónica para trocar de roupa?
      ;)

      Boas leituras... mágicas!

      Eliminar
    2. E, Alexandre, posso dizer-te que a magia continua.
      A pretexto deste artigo reli algumas dezenas de histórias com o Morcego, o Superpateta ou o Superpato e o prazer - uma pontinha de nostalgia - mantém-se!

      Boas leituras!

      Eliminar
  3. Ah, não precisava mudar o texto... só achei legal te informar o que acontecia aqui nesse assunto.

    Abraços. Fabiano Caldeira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Fabiano,
      Não costumo mexer muito nos textos depois de publicados, mas neste caso alterei-o porque achei a informação relevante.

      Boas leituras!

      Eliminar
  4. Bons tempos não sabia que um dos meus herois favoritos o Superpato tinha origem italiana,e no clube dos herois tambem havia o Vespa a versao Disney do Homem-formiga ele morreu!?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Optimus,
      Não te sei responder, posso apenas acrescentar que não apareceu ainda nas edições que a Goody está a editar em Portugal...

      Boas leituras... super-heróicas!

      Eliminar
  5. O Vespa Vermelha, além da sua história original norte-americana (1967), apareceu apenas em 23 histórias brasileiras (1975-1995).

    ResponderEliminar
  6. Apenas! ;)

    Boas leituras... do Vespa!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...