Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

21/04/2013

Spirou já tem 75 anos











Nascido como paquete de hotel a 21 de Abril de 1938, Spirou – palavra que significa esquilo em wallon – tornou-se rapidamente um viajante do mundo que vive grandes aventuras há 75 anos.

Mas, tão invulgar quanto a sua ocupação inicial foi a sua génese. Imaginado por Charles Dupuis, patrão da editora com o seu nome, para mascote de uma revista que ainda hoje se publica e que é um dos últimos bastiões do jornalismo infanto-juvenil, Spirou seria desenvolvido pelo francês Rob-Vel, que foi o seu responsável gráfico desde a sua estreia até 2 de Setembro de 1943.


Durante esse período – pela primeira vez reeditado integralmente este ano, no soberbo volume documental “Spirou par Rob-Vel” (Dupuis) - devido à sua mobilização para a II Guerra Mundial, seria substituído algumas vezes por outros desenhadores, entre os quais a sua esposa Blanche Dumoulin, também argumentista de muitas das suas aventuras iniciais.
Começando por protagonizar gags de uma página, o Spirou original, ainda em busca de definição, foi evoluindo sem rumo fixo, consoante as necessidades de cada episódio: traquina, espertalhão, patriota, fumador, apreciador de bom vinho, responsável por esquemas de honestidade duvidosa, cientista, ventríloquo, detective, monarca, astronauta… - embora acabasse por se tornar no globetrotter aventureiro justo, intrépido e que faz tudo pelos amigos que hoje conhecemos.
Esta génese fez de Spirou um herói diferente de quase todos os seus “contemporâneos” franco-belgas, sendo pertença da editora e não do seu criador. Por isso, ao longo das décadas, foram muitos os nomes que assumiram o seu destino.
Os mais importantes, sem dúvida, foram Jijé (entre 1943 e 1946, com regressos pontuais em 1949 e 1951) a quem se deve a criação de Fantasio, um jornalista solidário mas trapalhão e companheiro de aventuras de Spirou, e Franquin (1946-1968), que fez dele um dos maiores heróis dos quadradinhos pela equilibrada combinação de humor e aventura assente no seu traço nervoso e dinâmico, e que introduziu nas suas páginas o fantástico Marsupilami, Zantáfio, primo de Fantasio e vilão de serviço ou o genial e distraído Conde de Champignac.
Seguir-se-iam, sem grande rasgo nem génio – e privados do Marsupilami que Franquin levou consigo quando deixou Spirou – Fournier (até 1979) e Nic Broca e Raoul Cauvin (até 1983). A dupla seguinte seria Tome e Janry, que devolveram Spirou ao( gosto do)s leitores; a par da série principal, que assumiram até 1998, criaram também “O pequeno Spirou”, em 1987, uma versão infantil e endiabrada do herói.
O novo século encontrou-o sob os auspícios de Morvan e Munuera, com algumas influências gráficas do manga e com uma temática mais adulta que lhe retirou popularidade.
Actualmente nas mãos de Vehlmann e Yoann, Spirou em anos recentes foi também protagonista de diversos álbuns auto-conclusivos, muitas vezes situado fora do seu universo original.
Spirou estreou-se entre nós no Camarada, em Janeiro de 1959, rebaptizado Serapião; viria a ser igualmente Clarim, surgindo Fantasio como Flausino. A revista com o seu nome, teve duas vidas, ambas curtas, na década de 1970.
Praticamente todo editado em álbum em português, passou pelos catálogos da Arcádia, Publica, Meribérica e ASA mas a jóia da coroa é “O Feiticeiro de Vila Nova de Mil Fungos”, editado pelo Camarada na década de 1960, com capa feita especialmente para a edição por Franquin.
Para assinalar esta data festiva, a Dupuis, para além da reedição integral das aventuras de Spirou por Rob-Vel, lançou um número especial da revista Spirou (no passado dia 17 ) e editou igualmente “La Galerie des Illustres”, um volume de 400 páginas com Spirou desenhado por 200 desenhadores.
No dia 23 o jornal Le Soir lança um número especial com todas as imagens da autoria de desenhadores do groom e, no mesmo dia, o Centre Belge de la Bande Dessinée inaugura a exposição “Spirou de main en main” que ficará patente até Outubro.

(Versão revista e expandida do texto publicado no Jornal de Notícias de 21 de Abril de 2013)



6 comentários:

  1. Jorge Fernandes21/4/13 21:14

    Parabéns ao Spirou por esta linda idade!
    Um incontornável herói da BD!
    Boa série também para os mais novos se iniciarem. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Jorge!
      Apesar dos altos e baixos, é uma série incontornável, com grandes títulos na sua bibliografia...
      Boas leituras... de Spirou!

      Eliminar
  2. Infelizmente, no Brasil, não tivemos oportunidade de conhecer melhor essa obra, e muitas outras Europeias, salvo alguns albuns pela Cedibra há muitos anos atraz.

    ResponderEliminar
  3. Caro Célio Barbosa,
    Se tiver oportunidade, tente descobrir Spirou, em especial os álbuns desenhados por Franquin, que era um génio dos quadradinhos.
    Boas leituras!

    ResponderEliminar
  4. Obrigado, Pedro. Excelente artigo! - Miguel Montenegro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Miguel!
      Obrigado!

      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...