Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

23/04/2013

Palavras para quê?




Com o seu nascimento estabelecido “oficialmente” em função (também) da utilização regular de balões de fala, a banda desenhada tem provado recorrentemente que o texto escrito é muitas vezes desnecessário para a narração das histórias e para que os seus protagonistas se façam ouvir e entender.
A leitura recente e coincidente no tempo de (mais) três exemplos – dois deles em géneros em que isto é pouco habitual - são a justificação para este alinhavar de ideias, apresentado em função da ordem cronológica em que os li.






Donald e Peninha em Póquer de Ases
Enrico Faccini
In Comix #19
Goody
Portugal, 10 de Abril de 2013
135 x 190 mm, 132 p., cor, brochado, mensal
1,90 €


Viva e expressiva, a BD Disney – ao contrário da Turma da Mônica em que as histórias mudas são recorrentes – socorre-se habitualmente do texto escrito, o que torna mais surpreendente esta história publicada originalmente em Itália há apenas um ano com o título “Paperino & Paperoga in poker d'assi!”.
Relato de uma (surpreendente?) partida de póquer entre os primos Donald e Peninha, embora podendo ser interpretada linearmente, reveste-se de maior interesse se for lida enquanto metáfora dos truques, estratagemas e ardis utilizados pelos jogadores ao longo de uma partida de cartas para espreitar, adivinhar ou intuir o jogo e a estratégia do adversário.
São apenas 13 páginas, com excepção da primeira sempre assentes numa estrutura de três tiras de duas vinhetas, o que acentua o estatismo dos dois intervenientes e destaca mais os subterfúgios que utilizam, num conjunto sem dúvida muito bem conseguido.






Em memória de Marla Jameson
In “Homem-Aranha” #128
Dan Slott (argumento)
Marcos Martin (desenho)
Panini Comics
Brasil, Agosto de 2012
170 x 260 mm, 68 p., cor, brochado, mensal
R$ 6,50 / 2,80 €


Actualmente nas bancas portuguesas, esta edição do Homem-Aranha inicia-se com uma história que abre e fecha com longas sequências mudas.
No seguimento da aventura narrada na revista anterior, mostra os preparativos e o funeral de Marla, a esposa de J.J. Jameson, ex-director do Clarim Diário e actual presidente da câmara de Nova Iorque, dando especial atenção ao estado de espírito dele próprio – que acaba de perder a mulher - e de Peter Parker/Homem-Aranha – que se sente culpado por não ter conseguido evitar essa tragédia.
Aqui, o silêncio na narrativa – de onde as habituais sequências de confronto e de acção estão ausentes - acentua a saudade, a tristeza, a dor e o sentimento de culpa que, em doses diferentes, afectam os dois, e revela-se bem mais expressivo e eloquente do que muitas palavras que poderiam ter sido usadas.





Caroline Baldwin #1 – Moon River
André Taymans
In NetComic #11 a #19
NetCom 2 Editorial
Espanha, Abril de 2012 a Fevereiro de 2013
210 x 297 mm, 32 ou 48 p., cor, brochada, mensal
Gratuita, em papel ou em versão online


Primeira aventura de Caroline Baldwin, a detective privada criada por André Taymans, apresenta uma estrutura narrativa que intercambia sequências completamente mudas com outras em que os balões de fala desempenham o papel habitual.
As primeiras são bem utilizadas quer para descrever, sem recurso a texto escrito, situações banais – o despertar, uma viagem de carro, a inspecção de uma moradia… - , quer para apresentar ao leitor momentos de introspecção e de solidão, nos quais, aliás, está o segredo por detrás do relato.
Este conta o desaparecimento de Frank White, um ex-astronauta actualmente quadro de uma destacada empresa de aeronáutica, cuja presença é fundamental para garantir a assinatura de um importante contrato. Chamada para o encontrar, Caroline terá de enfrentar não só aqueles que na sombra querem fazer desaparecer White – que na realidade fugiu apenas assombrado por remorsos que há muito o atormentam – quer os seus próprios fantasmas.
Lida na revista gratuita espanhola da NetCom 2 – similar à portuguesa BDNet – encheu-me mais uma vez de um reprovável sentimento - a inveja – em relação a “nuestros hermanos”. Já com 21 números publicados, periodicidade mensal e 32 a 48 páginas (!), inclui muita informação sobre as séries e autores que a NetCom 2 edita em Espanha e permitiu-me perceber como uma editora que nasceu editando apenas Alix, não só completou esta colecção em tempo recorde como também cresceu de forma surpreendente.
Na NetComic, para além de Caroline Baldwin, pude também (re)encontrar Yoko Tsuno, Vasco, Lois, Allan MacBride (também em publicação na versão portuguesa BDNet) e até algumas criações espanholas…
Sendo difícil consegui-la em papel à distância a que nos encontramos, resta o consolo – para mim incompleto – da sua leitura online

11 comentários:

  1. Maravilhoso artigo, amigo Pedro! Eu já fiz algumas BDs sem texto. Ficaram legais!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Bira!
      Há bandas desenhadas "mudas" magníficas, que realçam as imensas potencialidades narrativas desta arte!

      Boas leituras... sem texto!

      Eliminar
  2. posta o resto da historinha do donald, ri muito ^^

    ResponderEliminar
  3. posta o resto da historinha do poker por favor ^^

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro D. Ninja,

      Nem pensar. As histórias publicadas em papel, são para ler em papel.

      Boas leituras

      Eliminar
  4. Jorge Fernandes24/4/13 12:26

    Excelente artigo, onde, como o Pedro escreveu numa resposta a um comentário, se realçam as imensas potencialidades narrativas desta arte... mesmo quando não há palavras, no todo ou em partes de uma história.
    Quanto à BDNet, e à NetComic, esta última, quando começou a ser publicada em Espanha era uma revista em tudo idêntica à nossa BDNet.
    A distribuição destas revistas tem custos algo elevados para a editora (direitos das histórias, impressão, etc.), e tudo vai depender do sucesso alcançado pela editora aqui em Portugal, mas tenhamos esperança que um dia a BDNet fique mais idêntica ao que é hoje a NetComic!
    Como eu sempre disse, em Portugal a NetCom2 será o que os leitores quiserem que seja!
    A Caroline Baldwin foi para mim uma agradável surpresa! Gostaria de ter esta série, bem como o Allan Mac Bride (outra agradável surpresa), editados em álbum!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Jorge,
      Eu sei que a NetComic começou como a BDNet e que Espanha não é Portugal, mas fiquei surpreenddio com o rápido crescimento da revista e da editora...
      também gostava de ver essas duas séries em álbum, de preferência em português!

      Boas leituras!

      Eliminar
  5. Jorge Fernandes24/4/13 15:42

    Pedro,
    Para além do tamanho do mercado, a NetCom2 tem outros problemas em Portugal. Basicamente a diferença é esta: em Espanha a série começou por publicar o que queria, o que cimentou desde logo o seu crescimento, enquanto que em Portugal não o pode fazer.
    Para se ter uma ideia da dinâmica da editora em Espanha, refira-se que o último Alix, disponível apenas hoje em França, Bélgica, etc., foi disponibilizado aos fans espanhóis há mais de dez dias!
    Aqui estão editados apenas 2, dos últimos 12. Nenhum dos últimos 6! :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Jorge,
      Isso eu também sei e sem dúvida o Alix foi a melhor escolha que a NetCom 2 podia ter feito em Espanha.
      E que poderia ter sido também uma boa opção para Portugal, se os direitos estivessem disponíveis...

      Boas leituras!

      Eliminar
  6. Olá Pedro. Antes de mais obrigado pelo excelente blogue do qual sou um leitor diário.
    Se a questão de histórias sem texto é um tema que lhe interessa, não vi aqui referida a que é para mim a melhor de sempre e não tenho qualquer dúvida quando coloco aqui o sempre.

    Trata-se de um silent issue da série New X-Men do escritor escocês Grant Morrison e o brilhante, também escocês Frank Quitely.

    New X-Men #121 - Silence: Psychic Rescue In Progress (Issue)
    Foi editado em Portugal pela Devir, mas sinceramente não sei em que volume está.

    Cumprimentos,
    Fernando Dordio Campos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Fernando,
      Obrigado pelas visitas e pelas palavras.
      Neste caso, limitei-me a agrupar três histórias que, por acaso, li quase em simultâneo.
      Sei que há imensos casos de bandas desenhadas mudas, como este álbum do ChaboutÉ: http://asleiturasdopedro.blogspot.pt/2012/09/un-peu-de-bois-et-dacier.html, por exemplo, ou A momment of silence, um dos comics criados a propósito dos atentados de 11 de Setembro...
      Não me recordo da história dos X-Men que refere, mas fiquei curioso e vou procurá-la...

      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...