Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

04/04/2013

Na pista do Marsupilami












Um ano depois da estreia francesa, chega hoje às salas de cinema nacionais “Na pista do Marsupilami”, que transpõe para o grande ecrã uma das mais originais criações da banda desenhada.

Dirigido por Alain Chabat, que também o interpreta o protagonista, o repórter Dan Geraldo, foi o terceiro filme mais visto em França em 2012, com 5,3 milhões de espectadores. O comediante francês já tinha acumulado a realização com um dos papéis noutra adaptação de uma BD, “Astérix e Obélix: Missão Cleópatra”, em 2001.
Para o sucesso do filme, a par da popularidade da persona-gem dos quadradinhos, contribuiu também o tom familiar da película, escrita e montada de forma a poder agradar a todos os públicos, graças aos vários níveis de humor explorados. As dificuldades esperadas de transpor do papel para o ecrã uma personagem tão dinâmica quanto este estranho animal, acabam por ser relativamente bem resolvidas no filme, que privilegia os resultados das suas acções, deixando-o muitas vezes na sombra, o que alimenta a curiosidade do espectador e aumenta o impacto das suas aparições, pontuais mas decisivas.
Igualmente bem acolhido pela crítica francesa, “Na pista do Marsupilami” começa quando Geraldo chega a Palômbia, uma república das bananas sul-americana, em busca de um furo jornalístico. Longe de imaginar que vai descobrir uma criatura mítica, desconhecida do mundo civilizado, o extraordinário Marsupilami com a sua longa cauda, apurada inteligência e grande irritabilidade quando contrariado, contrata como guia um pequeno aldrabão local, Pablito (interpretado por Jamel Debbouze, apresentador da cerimónia de entrega dos Césars deste ano e o arquitecto Numerobis do filme de Astérix referido), e juntos embrenham-se na densa selva onde depararão com piranhas esfomeadas (o pitéu preferido do Marsupilami), um ditador com um grande segredo e uma tribo indígena que preserva uma antiga profecia…
O elenco, que inclui ainda o comediante Fred Testot, (a também realizadora) Géraldine Nakache ou Lambert Wilson, na versão dobrada emportuguês conta com as vozes de Alice Santos, António Vaz Mendes, Joana Carvalho, Jorge Mota, Rui Oliveira e Teresa Queirós.

Estreia na BD em 1952
Com cerca de um metro de altura, várias vezes multiplicada na sua cauda interminável, que lhe serve para mil e uma funções, amarelo com bolas negras, ovíparo, carnívoro e dotado de uma enorme inteligência o Marsupilami é uma das mais extraordinárias criações dos quadradinhos.
Imaginado por Franquin, estreou-se a 31 de Janeiro de 1952 na etapa final de “Spirou e os herdeiros”, na qual encontrá-lo era uma das condições para Fantásio receber uma herança. Capturado o Marsupilami e ganho o desafio, Spirou e Fantásio decidem devolvê-lo à sua selva natal, na Palômbia. Afeiçoado aos seus novos amigos, o extravagante animal segue-os para casa, passando a integrar as suas aventuras, até Franquin deixar a Dupuis, no final da década de 1960, levando consigo o extravagante animal, que protagonizaria histórias a solo, a partir de 1986.
Agora, tudo indica que Spirou, Fantásio e o Marsupilami se poderão reunir novamente, pois no passado mês de Março a Dupuis comprou a Marsu Productions que detinha os direitos do Marsupilami (e também de Gaston Lagaffe).

(Versão revista do texto publicado no Jornal de Notícias de hoje, 4 de Abril de 2013)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...