Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

24/04/2013

Lucky Luke – O 20.º de Cavalaria











René Goscinny (argumento)
Morris (desenho)
ASA/Público
Portugal, 10 de Abril de 2013
215 x 285 mm, 48 p., cor, brochado com badanas
4,95 €



Chamada de urgência por Washington para tentar parar uma revolução índia eminente, Lucky Luke vai deparar com o rígido coronel Mac Straggle, um militar à moda antiga. É o reencontro do cowboy que dispara mais rápido que a própria sombra com uma classe recorrente nas suas histórias, a par dos bandidos (muitos vezes os Dalton), dos índios e dos  políticos, os militares.
A foi a estes últimos que Goscinny, com o habitual talento e humor, dedicou “O 20.º de Cavalaria”, uma crítica bem-disposta e satírica à instituição militar, visando (certeira e) particularmente a sua disciplina, tradição e protocolos, tendo como base a dupla relação pai/filho//comandante/soldado que une o coronel MacStraggle e Grover.



Para além disso, há neste álbum uma série de outros factores de interesse como a possibilidade de descobrir um Lucky Luke (ainda) fumador – em oposição aos malefícios do tabaco índio (!) - ou a confirmação da existência de lojas chinesas já no velho Oeste (ou Este, depende do ponto de partida…) a par de alguns gags memoráveis como a exploração da linguagem de sinais de fumo índios ou as sucessivas transições de nome que transformam Raposa Com Duas Penas em Raposa Nauseada…
De passagem, algumas alfinetadas aos políticos – veja-se a importância dada à revolução índia logo no início - e o habitual – e genial! - recurso a trocadilhos e situações recorrentes (o vendedor de chapéus, os efeitos do cachimbo de paz índio, as quebras de protocolo militar) que provocam (pelo menos…) um sorriso aberto.
Factores diversos que fazem deste Lucky Luke – depois de “Billy the Kid” - mais um grande clássico da série e da BD franco-belga de leitura obrigatória.

Nota final: Para postar aqui este texto em tempo útil, (re)li “O 20.º de Cavalaria” na edição da Meribérica/Líber de 1987, e foi de lá que extraí as imagens que o ilustram.



2 comentários:

  1. Jorge Fernandes24/4/13 15:00

    O que eu me diverti com este livro!
    Morris e Goscinny em grande! (tal como muitas outras vezes)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Jorge,
      E continua magnífico, sem acusar a passagem dos muitos anos que já tem!

      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...