Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

29/04/2013

Les Montefiore: #1 Top Model











Stéphane Berbeder e Christophe Bec (argumento)
Pasquale del Vecchio (desenho)
Jean-Jacques Chagnaud (cor)
Glénat
França, Abril de 2013
240 x 320 mm, 56 p., cor, cartonado
13,90 €


Se há aspecto que sempre admirei nas séries curtas franco-belgas – e estou a referir-me aquelas que se completam normalmente em 2 a 4 álbuns – é a assinalável consistência do episódio inicial e a forma como deixam tantas questões em aberto, ficando o leitor suspenso das respectivas continuações - mesmo se estas depois nem sempre correspondem aos pressupostos iniciais ou à expectativa criada…
“Les Montefiore”, é mais um exemplo, com o extra de ter como pano de fundo o mundo da moda e das passerelles. É verdade que a trama que serve de base poderia desenrolar-se com igual desenvoltura noutra área mas, assim, eventualmente, permitirá chegar a uma faixa de público diferente, maioritariamente feminina, ao mesmo tempo que explora um tema que a banda desenhada raramente abordou.
Tudo começa quando o patriarca Montefiore, dono de uma das mais famosas marcas de roupa italianas é vítima de um acidente aéreo provocado, deixando a sua herança pendente entre as mãos de Francesca, a sua segunda esposa, e de Narciso, o filho, piloto de stock-cars e há muito ausente do mundo da moda.
Apesar disso, este último decide assumir a direcção da firma, cortando com a sua vida anterior para lutar contra as intrigas, as invejas, as vinganças e as traições daqueles que, mais ou menos na sombra, tentam ocupar a posição de destaque até então detida pela casa Montefiore.
O seu caminho irá cruzar-se – inevitavelmente? – com o de Oksana Kovsky, uma beldade russa que quer vencer como top-model, e do chinês Yong, encarregado de desenhar a nova colecção Montefiore.
Entre conspirações, atentados, imprensa comprada, relações interesseiras e a vontade de vencer de Narciso, “Top Model” vai avançando a bom ritmo, com as situações a sucederem-se em catadupa, mas desvendando muito pouco ao leitor, que fica com vontade de conhecer o resto da história e o porquê de muito daquilo que foi apreciando.
Quanto ao desenho – que trabalha um tema com tudo para agradar ao leitor masculino e com um imenso potencial gráfico – temos a surpresa de encontrarmos o competente Pasquale Del Vecchio - desenhador regular de Tex - que se mostra à vontade em qualquer dos registos necessários para explanar a trama, que domina particularmente os grandes planos ao nível dos rostos e cujas beldades brilham ao desfilar nas páginas do álbum…


Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...