Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

03/04/2013

Fred (1931-2013)









A banda desenhada acaba de perder um dos seus maiores poetas, Frédéric Othon Théodore Aristidés, mais conhecido como Fred.

Francês de ascendência grega, nascido a 5 de Março de 1931, publicou a sua primeira banda desenhada, “Journal de bord”, em 1954, na “Zero”. Aí conheceu Georges Bernier (o célebre professor Choron) e François Cavanna, com quem fundara a “Hara-Kiri”, em 1960, de que foi director artístico.
Cinco anos mais tarde, juntou-se à equipa da “Pilote”, dando um contributo decisivo para fazer da banda desenhada uma arte (também) para adultos, assinando as primeiras aventuras de Philémon, uma série poética, filosófica e experimental, cujo protagonista, um sonhador, começou por saltar de letra em letra, na palavra Atlântico, pois cada uma é uma ilha no meio daquele oceano, e depois partiu à descoberta de novos mundos e realidades paralelas.
O último álbum da série, “Le train où vont les choses”, que Fred fez ponto de honra terminar para “fechar o círculo”, foi publicado há poucas semanas, constituindo assim uma espécie de testamento artístico de um autor que Angoulême distinguiu com o Grande Prémio, em 1980, e que homenageou de novo com uma exposição antológica na edição deste ano.
Autor inquieto, crítico da sociedade e em busca da diferença, que foi capaz de inovar na narrativa aos quadradinhos cuja estrutura soube explorar graficamente como poucos, Fred, a par dos 16 álbuns de “Philémon” (apenas o primeiro, “O Náufrago do ‘A’” foi editado em português, pela Meribérica/Líber), legou-nos também obras como “Le Petit Cirque” (1973), “Le Journal de Jules Renard lu par Fred” (1988; “O Diário De Jules Renard lido por Fred”, Bertrand Editora), “L’Histoire du corbac aux baskets” (1993; Melhor Álbum de Angoulême 1994; “A história do corvo de Ténis”, Meribérica/Líber), “L’Histoire du conteur électrique” (1995; “A História do Contador Eléctrico”, Meribérica/Líber) ou “L’Histoire de la dernière image” (1999) cuja (re)leitura vivamente aconselho.



9 comentários:

  1. Uma pena! E igualmente triste do que perder um aritsta dessa natureza é constatar que talvez não haverá mais artistas assim.

    Uma pena!

    Abraços.

    Fabiano Caldeira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Fabiano,
      Partilho a tristeza mas acredito que a BD ainda nos vai dar muitos outros criadores, tão relevantes como Fred, embora com características diferentes!
      Boas (re)leituras de Fred!

      Eliminar
  2. Quase desconhecido mas mesmo assim um dos meus favoritos. Fica a obra que é... fantástica!

    ResponderEliminar
  3. Quase desconhecido mas mesmo assim um dos meus favoritos. Fica a obra que é... fantástica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fantástico, sem dúvida, Mário!
      Acabei de reler o primeiro Philémon e A História do corvo de ténis e confirmei - como se fosse preciso - a grande perda que é para a BD.
      É (mais) um símbolo de uma geração e de um momento marcante da BD francófona que se vai...
      Boas (re)leituras de Fred!

      Eliminar
  4. Grande Fred, enorme Fred! Lembro a maravilhosa adaptação que ele fez do Diário de Jules Renard...

    Saudações cordiais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Ricardo António Alves,
      Foi nesse livro que o conheci, numa inesperada edição da Bertrand...
      Boas (re)leituras de Fred!

      Eliminar
  5. Anónimo5/4/13 15:27

    A genialidade e o espírito inventivo de Fred foram sempre patentes para quem leu as suas obras. O que se lamenta é que tão poucas tenham sido publicadas em Portugal, sobretudo "Philémon", para mim a sua maior criação. Poderá afirmar-se categoricamente que Fred era um autor pouco comercial? Por essa ordem de ideias, outros génios da BD também o eram... mas as suas criações ainda perduram. Será que alguns dos nossos editores só vêem (viam) cifrões?
    Também vou reler o Fred...
    Abraços do
    Jorge Magalhães

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Jorge Magalhães,
      Fred é mais um dos (muitos e bons) autores esquecido em Portugal.
      Pouco comercial? Acredito que sim. Mas também acredito que qualquer autor do seu gabarito poderá vender desde que seja trabalhado devidamente...
      Boas (re)leituras de Fred!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...