Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

08/04/2013

Cidade de Vidro











Paul Karasik (argumento)
David Mazzucchelli (desenho)
ASA
Portugal, Março de 2013 (2ª edição)
140 x 210 mm, 138 p., pb, brochada com badanas
15,50 €







A transposição de uma obra de um género para outro - a vulgar adaptação - para ser bem-sucedida tem que conseguir cumprir dois quesitos principais. Primeiro: manter o espírito e a essência da obra original - o espírito, friso bem. Segundo: que a "adaptação" funcione autonomamente no género que a acolhe, sem que haja necessidade do conhecimento da obra original para a fruir plenamente.
O melhor exemplo de más adaptações de literatura para banda desenhada, são aquelas que mantêm a versão escrita original, funcionando o todo apenas como texto (quantas vezes mal) ilustrado e não como uma verdadeira BD - ou seja, uma obra composta por imagens sequenciais em que, quando existente, o texto não é independente dos desenhos, nem vice-versa.
Ora, isto não acontece em "Cidade de vidro" que funciona perfeitamente na adaptação aos quadradinhos feita por Paul Karasik e David Mazzucchelli, pese embora o carácter quase abstracto do texto original de Paul Auster.
Relembro que na base deste relato está Quinn, um escritor de segunda categoria que, após receber diversos misteriosos telefonemas nocturnos que procuravam um detective de nome Paul Auster, decide assumir essa identidade, sendo encarregado de seguir um certo Peter Stilman, e evitar que este se aproxime do filho para o matar. Quinn transforma-se então na sombra de Stilman, até este desaparecer, altura em que o pretenso investigador decide sentar-se 24 horas por dia em frente à sua porta, acabando por se fundir com as paredes, o beco onde está, os caixotes de lixo que o "enfeitam" - com aquela cidade, uma cidade de vidro que tudo mostra mas onde nos tornamos assustadoramente vazios, ocos, partes inúteis de um todo que funciona sem nós/apesar de nós.


Só que no resumo deste policial sem acção, a intriga parece enganadoramente linear, já que Auster, como noutras ocasiões, optou por um enredo complexo, muito baseado nas ideias - em ideias - em conceitos e no valor variável das palavras, nas ilusões que provocam, conforme são ditas e ouvidas…
Isto, na verdade, só torna mais notável a forma como Karasik e Mazzucchelli conseguiram transpor o romance para BD. Se a história era opressiva, obsessiva, sufocante, quase um delírio, é isto que o traço de Mazzucchelli - quase só esboço, por vezes próximo da absoluta depuração - recria e acentua, tornando o todo incómodo para o leitor.
Veja-se como um discurso se pode tornar estranho - e como muda o seu significado, o seu impacto - pelo tão simples pormenor de o balão que o contém não apontar para quem o profere, como é normal, mas sair de dentro da personagem, do seu íntimo - das suas entranhas… E veja-se também como Karasik e Mazzucchelli, conseguem reproduzir em BD a predominância das palavras - e o espírito intrinsecamente abstracto do relato - ao utilizarem imagens que parecem filmadas por uma câmara rotativa, que tanto vai mostrando cenários como intervenientes, enquanto roda pelo espaço, se aproxima e se afasta em efeitos de zoom, que acompanham o fluir das palavras, envolvendo, mergulhando, perdendo o leitor nos seus densos e diversificados sentidos.
Um bom exemplo, é a sequência em que Peter Stilton ("que não é Peter Stilton") se apresenta, em que parece graficamente "aprisionado" numa planificação fixa e inalterável de 9 vinhetas iguais por página, ao longo de várias pranchas, que muito naturalmente se acabam por fundir numa prancha única, falsamente composta pelas tais 9 vinhetas e mas que o leitor também pode visualizar como a porta de uma cela, onde a "imagem branca entre as vinhetas" - esse notável conceito da BD, um pedacinho de espaço/tempo em que o leitor vê/imagina o que acontece entre duas vinhetas sucessivas - tem o papel das grades dessa porta.

(Texto publicado no Jornal de Notícias de 1 de Outubro de 2006, com o título “O desenho das palavras da Cidade de Vidro”)


Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...