Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

15/04/2013

BD Portuguesa trilha novos caminhos







Nos últimos meses têm-se multiplicado os livros de banda desenhada lançados pelos próprios autores ou por pequenos selos editoriais, enquanto se dão pequenos passos na edição online. São formas de os quadradinhos nacionais contornarem a crise e os seus efeitos.

Face a um mercado em recessão e aos altos custos que a distribuição acarreta, são cada vez mais os autores que optam por editarem os seus próprios livros aos quadradinhos ou por o fazerem online ou em projectos editoriais associativos ou de pequena dimensão. O que traz a vantagem acrescida de terem total controle, em termos criativos e de qualidade do produto final, algo que nem sempre acontece nas editoras tradicionais.
Inimaginável há poucos anos, isto só se tornou possível graças às facilidades que as novas tecnologias trouxeram para a edição, permitindo livros de boa qualidade com preços reduzidos e baixas tiragens.
Por isso, muitos dos livros de BD nacionais recentes não passam das duas ou três centenas de exemplares, que são divulgados de boca-em-boca ou nos sites e blogs dedicados aos quadradinhos e vendidos de mão em mão, nas lojas especializadas ou em eventos dedicados à BD, como os festivais de Beja ou da Amadora, que se revelam épocas por excelência para o aparecimento deste tipo de edições.
“Biogra Fria – O pequeno outro” é apenas um dos exemplos. Obra de tom autobiográfico, balizada pelos carros e namoradas que o autor teve, é um lançamento de Topedro, que conta já vários títulos no seu “catálogo” auto-editado.
O mesmo caminho seguiu o cartoonista Mário José Teixeira, que se estreou com “’Tamos tramados”, posfaciado por Manuel Freire, que recolhe cartoons de crítica social.
A um outro nível, registam-se os “Cadernos” de José Abrantes, um autor com mais de duas dezenas de álbuns infanto-juvenis publicados, que optou igualmente pela auto-edição para divulgar histórias dispersas por diversas publicações bem como trabalhos inéditos.
Quanto a “Crónicas de Arquitectura”, de Pedro Burgos, uma recolha de crónicas desenhadas pré-publicadas no jornal da Ordem dos Arquitectos, é o segundo lançamento da Associação Turbina após “Diário Rasgado”, uma compilação de obras originalmente publicadas online por Marco Mendes.
O recurso a pequenos editores, dispensa investimento financeiro por parte dos criadores e, nalguns casos, assegura uma distribuição mais diversificada. O principal exemplo é a Polvo, com quinze anos de vida e quase uma centena de títulos de BD em catálogo, a maioria de autores portugueses, cujos lançamentos mais recentes foram “Han Solo”, relato intimista e autobiográfico de Rui Lacas, e “Há Piores 2”, com o humor mordaz de Geral e Derradé.
A Chili Com Carne, com um trajecto já longo na área da BD alternativa e de autor, acaba de apresentar “Kassumai”, um diário de viagem de David Campos, que ilustra os seis meses que passou na Guiné-Bissau, num projecto de uma O.N.G. de apoio à população local.
Quanto à Kingpin Books, tem-se destacado pelo cuidado editorial com que cada edição é tratada, sendo “O Baile”, uma história de zombies sob o signo da PIDE, no período da ditadura salazarista, de Nuno Duarte e Joana Afonso, o livro mais recente.
A edição online, tem vindo a ganhar espaço. O segundo número do “Minizine”, disponível gratuitamente é um dos casos mais recentes, combinando relatos introspectivos, de acção e de ficção-científica.
Com cerca de quatro anos de vida, o projecto Zona, que aposta na divulgação dos novos valores da BD nacional, tem-se destacado pela sua dinâmica pois já leva editadas uma dezena de antologias aos quadradinhos.
Com títulos reveladores dos conteúdos – “Zona Negra”, “Zona Fantástica”, “Zona Gráfica”, “Zona Monstra” ou “Zona Nippon” - para editar o “Zona Desenha” optou por recorrer ao crownfunding – algo que pode ser traduzido como “financiamento público” (mas não institucional!) – um sistema em crescimento que funciona como uma espécie de assinatura prévia.
O valor recebido, dependendo da dimensão do projecto, serve para financiar a edição, distribuição e/ou o trabalho dos autores. Os financiadores, em função do dinheiro investido (que obedece a uma tabela prévia) recebem apenas a edição ou extras como outros livros, desenhos autografados ou mesmo originais.
Em preparação, abertos a colaboração, estão o “Zona Nippon” #2 e o “Zona Gráfica” #3.
São formas diversas de os autores nacionais darem largas à criação e de conseguirem que as suas obras cheguem aos potenciais leitores que, perante este panorama, são obrigados a uma postura mais interactiva para encontrarem as obras que pretendem ler.

(Versão revista do texto publicado no Jornal de Notícias de 8 de Abril de 2013)


6 comentários:

  1. Caro Pedro
    Obrigado mais uma vez pela divulgação. De facto tudo correu bem até chegar às vendas. Pensava eu que as forças de bloqueio só andavam pela política. Fui bastas vezes avisado para fazer a coisa em inglês, mas fiz ouvidos de mercador. O sangue falou mais alto! Não vou desistir e tenho/terei sempre a Rua de Sta. Catarina para me "safar"! Afinal sou mesmo um carpinteiro que faz uns "macaquinhos"! Força Pedro. Nós também vamos andar por aqui, porque sim!
    Abraço
    mtx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Mário,
      (Também) é para isso que As Leituras do Pedro servem!
      Boa sorte com as vendas - é preciso tempo e paciência e passar por locais mais propícios como festivais e salões...
      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Excelente artigo.
    Eu recomendo vivamente a edição totalmente independente, principalmente a quem consegue criar o seu proprio design para os livros alé da bd.
    Eu so tive experiencias excelentes em colocar a minha BD á venda atraves do método POD print on demand e recomendo.
    http://luisperes.wordpress.com/banda-desenhada-completa-pt/pod-print-on-demand/

    Apesar do meu album ser muito dificil de lançar a um preço competitivo mesmo em dolares ainda (tem 200 paginas a cores em papel de excelente qualidade e capa dura),
    http://www.lulu.com/shop/luis-peres/as-aventuras-do-pr%C3%ADncipe-ziph/hardcover/product-14000114.html

    enquanto eu fiz publicidade e andei a bater ás portas de jornais e imprensa por cá ha uns quatro anos, cosegui vender ainda umas centenas de exemplares, só graças a artigos no caderno do Publico e afins.

    O problema nisto é mesmo o marketing. Se nos nao temos tempo para continuar a insistir é obvio que a exposiçao baixa, mas se um autor tiver tempo e recursos para publicitar o seu trabalho recomendo vivamente a publicaçao POD.

    Graças a isto, consegui bastantes clientes para ilustração e em breve o album vai estar tambem editado "a sério" em Portugal além de continuar na loja POD la fora.

    Portanto eu sou o maior apoiante da edição livre de amarras. Pode ser complicado para quem quer ficar famoso da noite para o dia ou deseja pertencer ao mundo dos festivais, mas para quem como eu nao liga a essas coisas e gosta de fazer um caminho tranquilo e ir criando historias e ilustraçoes nao posso recomendar mais este método e admirar tudo o que é esforço independente de BD em portugal.

    http://luisperes.wordpress.com/banda-desenhada-completa-pt/

    http://luisperes.wordpress.com/2009/08/06/fotos-do-livro-book-photos/

    http://alcaminhante.wix.com/ziphcomics_backup

    Neste momento estou a criar toda a historia em fasciculos estilo comics para o mercado ingles pois la fora ninguem compra albuns de BD la pelos states e tenho recebido inumeros pedidos para colocar as minhas 200 paginas em varios fasciculos de papel rasca como os americanos gostam.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Luís,
      É verdade que a edição independente tem vantagens, mas nem tudo são rosas, como refere, nomeadamente a questão do marketing e das vendas, para além da necessidade de haver dinheiro próprio para investir na edição...

      Boas leituras... e boas vendas para os seus projectos!

      Eliminar
  3. Falando em auto-edição, infelizmente há todo um conjunto de factores que desanimam qualquer um a publicar em Portugal. Falta de público; falta de interesse ou interesse tardio da critica em relação à auto-edição; falta de qualidade autoral (texto/escrita)
    Enfim... o melhor é ficar quietinho e não ter prejuízo. Porque quem corre por gosto neste país arrisca-se a vários desapontamentos.

    Cigarra Tóxica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Cigarra Tóxica,
      Felizmente há exemplos suficientes de quem foi em frente e atingiu os resultados esperados...

      Boas leituras... e boas edições!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...