Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

07/03/2013

Silêncio










I. A iniciaçãio
II. A Vingança
Didier Comés
ASA
Portugal, 2007
225 x 300 mm, 62 p., cor, brochado
5,50 € / 5,55 €



Texto que publiquei no Jornal de Notícias de 13 de Setembro de 2003, intitulado “Um livro da minha vida”

Não sou capaz de definir “o” livro da minha vida, mas sou capaz de citar algumas das obras que me marcaram especialmente em determinadas alturas, e, por isso, "Silêncio", de Didier Comés é - continua a ser, neste caso - um dos livros da minha vida.
Uma das obras, depois de "Simon du Fleuve - Maílis", de Auclair, e a par de "As Cidades Obscuras - A Febre de Urbicanda", de Schuiten e Peeters, responsáveis pela importância que a BD tem hoje para mim.
Talvez porque foi lida na idade em que tantos deixam a BD, por falta de informação (de formação...), de capacidade de descoberta de obras que satisfaçam crescentes exigências intelectuais, que eu satisfiz com "Silêncio", um romance gráfico nos ambientes rurais recorrentes na obra de Comés, que narra uma história de amor entre o mudo e a feiticeira da aldeia, a um tempo amados e temidos por todos. Mas que é também uma história de vingança e, antes de tudo, um libelo acusatório contra os que usam a violência como arma do ódio contra a diferença; em especial contra a diferença que não se consegue manipular.

E se compreendo as razões comerciais para a actual edição colorida, em dois volumes, das Edições ASA, pessoalmente prefiro a edição original em português, da Bertrand, em tomo único - porque o livro pede leitura de um só fôlego - e no sublime preto e branco de Comés, rico de contrastes e pormenores, que melhor ilustra a narrativa e nos permite vivê-la em todas as cores (que imaginamos) nela presentes. Ou talvez, apenas, porque foi assim que "Silêncio" ocupou um lugar especial na minha memória. 


7 comentários:

  1. Há obras que lemos e não levantam a mais leve pena. Esta fica-nos na memória.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Carlos Rocha,
      Mais do que ficar na memória, marcou-me profundamente...
      Boas (re)leituras de Comés...

      Eliminar
  2. Curioso, Pedro, tantas vezes "discordo" do teu gosto, que me parece amiúde bem ligeiro, e acabo de descobrir que as BD que nos marcaram no início da idade adulta são as mesmas. Para alem do Silêncio, também me apaixonei pelo Simon du Fleuve e pelas Cidades Obscuras (neste caso pelo Samaris, aquando da publicação no "A Suivre", em 1982. Acrescentaria o Jonathan, do Cosey, e o Corto Maltese. Eis as 5 BD que me tocarm nos meus verdes 20/25 anos, só um pouco mais tarde descobriria o Tardi...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro RC,
      Acho que no gosto há espaço para o ligeiro e para o profundo - que se desfrutam a níveis diferentes... - mas aceito perfeitamente a discordância!
      Também li a "Febre de Urbicanda" na (A Suivre), onde descobri igualmente o Tardi...
      E, na mesma altura, a outro nível, a CIMOC também me revelou grandes autores: bernet, Abuli, Segura, Ortiz...
      Boas (re)leituras!

      Eliminar
  3. Manuel Caldas7/3/13 13:44

    Duas ideias idiotas numa só: dividir a obra em dois livros e atirar-lhe com cores para cima!
    Eu tenho e estimo muito a primeira edição, a da Bertrand, e já que me falam dela acho que vou voltar a lê-la...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Caldas:

      Marketing oblige...
      Eu também tenho a edição da Bertrand há muitos anos e relê-la também está nos meus planos...
      Boa... releitura!

      Eliminar
  4. Foi dos livros de banda desenhada que mais me marcou em toda a minha vida, talvez por o ter lido na adolescencia. Gostava muito de o conseguir ter novamente, mas so ja consigo arranjar a versao colorida da ASA e mesmo assim so consigo a primeira parte, a segunda nao acho em lado nenhum. Se alguem souber onde o poderei arranjar que mo diga.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...