Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

13/02/2013

Tex Especial Colorido #1

E chegou o dia







   


Mauro Boselli (argumento)
Bruno Brindisi (desenho)
Mythos Editora
(Brasil, Abril de 2012)
160 x 210 mm, 164 p., cor, brochada
R$ 18,90 / 9,50 €



Resumo
Convocado para receber uma herança. Kit Carson sofre uma emboscada. Dias depois, Tex recebe um telegrama anunciando a descoberta do cadáver do seu parceiro de muitos anos. Decidido a vingá-lo, parte em perseguição dos seus assassinos.

Desenvolvimento
A vitalidade de uma criação vê-se (também) pela capacidade de, sem se desvirtuar, evoluir e acompanhar os novos tempos. No conteúdo e na forma.
Esta nova colecção – Color Tex no original italiano – é um dos sinais de que o ranger – ao contrário do que Sergio Bonelli algumas vezes previu – ainda está para durar por muitos (mesmo que eventualmente não tão bons) anos.
Nascida como consequência do enorme êxito que foi, em Itália, a reedição colorida de todas as aventuras do ranger, esta nova colecção, de periodicidade anual, acrescenta ao é tradicional no ranger a cor que geralmente só aparecia nas edições centenárias.
A história – a primeira que Boselli escreveu mas cujo final não lhe agradava, só agora tendo encontrado uma melhor solução - surpreende pela sua temática base e também pelo longo intróito que decorre quando Kit e Tex eram (bem) mais novos.
Bem construída e desenhada, consegue surpreender o leitor mais do que uma vez e cumpre de forma competente o seu propósito.
Curiosamente, aquele que seria o seu grande trunfo – a cor – acaba por desiludir (o leitor habituado aos tons franco-belgas ou dos comics de super-heróis norte-americanos) pois é o mesmo colorido mecânico habitual nas edições Bonelli.
E é pena, porque uma colecção deste género, apenas anual, nascida de origem para ser colorida, poderia ter sido pretexto para deixar o desenhador – ou um colorista por ele aconselhado – trabalhar uma cor mais personalizada e mesmo consequente com o nível que o relato apresenta, o que permitiria, fazer dela não apenas uma curiosidade, mas também um marco capaz de conquistar leitores habituados a (outras) cores…
Desta forma, sinto-me obrigado a concordar com Sergio Bonelli, quando preferia “as páginas em branco e preto que destacavam a qualidade” do desenhador…

A reter
- Apesar das limitações apontadas, registe-se o aproximar às novas gerações, sinal da tal vitalidade apontada no início do texto.
- Quanto à edição da Mythos em si, há que louvar a opção pelo formato original italiano, que faz toda a diferença.

Menos conseguido
- A cor mecânica habitual; o desperdício de uma boa oportunidade para criar um Tex a cores de prestígio, capaz de ombrear, a seu modo, com os Tex Gigante…


7 comentários:

  1. Faz tempo que não leio Tex (e Zagor) então não posso dizer que sou um leitor habitual das histórias do Ranger.
    Mas acho que, se a publicação das histórias for bem dosada, Tex ainda tem uns bons anos pela frente.
    Sobre as cores, não vejo problema. Mas realmente causa estranhamento a quem já está acostumado com o P&B. Aconteceu a mesma coisa quando li o Monstro do Pantâno a primeira vez, em uma edição encadernada. Achei que se perdeu muito da arte quando vi em cores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Corrigindo: Pântano.

      Hehehehehe!!!

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    3. Caro Inacreditável Neo,
      Obrigado pela visita e pelo comentário.
      Quando uma obra é criada para publicar a preto e branco, dificilmente ganha com a aplicação da cor.
      Neste caso concreto, embora a história tenha sido concebida para ser a cores, o problema é que estas não são famosas...

      Boas leituras... a preto e branco ou a (boas) cores!

      Eliminar
  2. Jorge Fernandes13/2/13 21:50

    Mesmo não acompanhando as séries e as edições de Tex, não posso deixar de concordar com o que o Pedro referiu sobre a questão da cor, e com a afirmação citada do Sergio Bonelli.
    Quando mal tratada a cor não enriquece; antes pelo contrário!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Jorge,
      A afirmação do Bonelli, retirada do prefácio desta obra, foi a justificação que ele usou durante anos para manter Tex a preto e branco.
      Claro que perde razão de ser quando uma obra é criada de base para ser a cores... desde que estas sejam uma mais-valia...

      Boas leituras!

      Eliminar
  3. E, caro Neo, acontece(-nos) a todos!
    Boas leituras!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...