Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

06/02/2013

Hägar: horrendo e quarentão












Há 40 anos, a 4 de Fevereiro de 1973, um novo herói de BD estreava nas páginas de 136 jornais norte-americanos: tinha por nome Hägar, the horrible e teve um sucesso retumbante, tendo chegado a publicar-se em 1800 jornais de 58 países.

Embora adoptando o tom tradicional das tiras diárias familiares, Hägar distinguia-se por ser um vicking que vivia um milénio antes da data da sua estreia nos jornais, em plena idade das trevas, para a qual ele contribuía entusiasmado.
A comicidade advinha tanto dos muitos anacronismos existentes na série, quanto da convivência entre os diferentes membros: Hägar, tão intrépido conquistador quanto submisso marido; Helga, a sua mulher, que usa os maiores cornos da casa, símbolos de poder entre os vickings; Hamlet, o filho, que prefere a leitura à natural violência da época e quer ser dentista; Honi, a filha adolescente que almeja seguir o pai nos combates. A galeria de personagens é ainda enriquecida com Eddie Felizardo, lugar-tenente de Hägar, que não faz jus ao nome e dotado de pouca inteligência; Lute, o trovador pacifista que aspira ao coração de Honi; o dr. Zook, o curandeiro local e Snert, o cão de Hägar.



O seu criador foi Dik Browne (1917-1989), que na sua bibliografia já registava o desenho de “Hi and Lois”, outra tira diária bem-sucedida. Surgido quando já contava 56 anos, uma idade em que muitos criadores já entraram em declínio, Hägar permitiu-lhe cumprir o principal propósito: deixar à família um legado que lhes permitisse viver sem sobressaltos.
Ainda em publicação nos nossos, dias, agora assinado por Chris Browne, que assumiu a série quando o seu pai faleceu, em Portugal – onde foi terrível, abominável e horrendo - Hägar passou de forma discreta pelas páginas do Mundo de Aventuras, tendo conhecido uma primeira edição em álbum, em 1993, por parte dos Livros Horizonte. Em 2008 a Libri Impressi, de Manuel Caldas, propôs-se fazer a sua reedição integral cronológica, mas o projecto ficar-se-ia por dois volumes, correspondentes às tiras diárias publicadas em 1973 e 1974.

(Versão revista do texto publicado no Jornal de Notícias de 5 de Fevereiro de 2013)


6 comentários:

  1. Alberto Sousa6/2/13 19:49

    Mais um projecto de Manuel Caldas que ficou pelo caminho. Lamentável.

    ResponderEliminar
  2. Adoro Haggar! Infelizmente o Manuel Caldas suspendeu a publicação deste Viking... pensava eu que era desta que ia ficar com uma boa colecção Haggar e , boff...
    :( presumo que tenha tido vendas deficientes.

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Caro Alberto Sousa,
      Obrigado pela visita.
      Sim é lamentável não sermos capazes de acompanhar e manter as suas iniciativas.

      Nuno,
      Pois, sempre as malditas vendas...

      Rui,
      Sim, Hägar é um clássico, no bom sentido do termo, que, sem ser uma obra prima nem deslumbrar, diverte e mantém toda a sua frescura, passados 40 anos...

      Boas leituras aos três!

      Eliminar
    2. Jorge Fernandes7/2/13 09:29

      Concordo em absoluto com o Pedro: Hägar não será uma obra-prima, mas é bastante divertido, e cumpre bem a sua função de entretenimento!

      Eliminar
    3. Sim, Jorge,
      Em especial nos primeiros anos, em que (ainda) há uma grande originalidade no tratamento do tema.

      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...