Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

14/02/2013

A Última Profecia I

Viagem aos Infernos




  
Gilles Chaillet (argumento e desenho)
Christophe Ansar (participação nos cenários)
Chantal Defachelle (cor)
NetCom 2 Editorial
(Portugal, Fevereiro de 2012)
240 x 320 mm, 48 p., cor, cartonado
15,00 €



Resumo
Após o assassinato da esposa, durante a ocupação de Roma pelos exércitos cristãos do imperador Teodósio e do seu mestre de armas Estilicão, Flaviano não hesita em ir ao próprio inferno para a tentar resgatar da morte.

Desenvolvimento
Se as opções editoriais da NetCom 2, numa primeira vista de olhos, parecem (demasiado?) clássicas, quer “Keos”, quer esta “A Última Profecia”, se não (re)negam aquela etiqueta, conseguem mesmo assim surpreender pelo tom fantástico que acrescentam ao relato mais tradicional.
Se em “Keos” havia aparições do deus Osíris, aqui Chaillet vai mais longe, enviando o protagonista, Flaviano, ao inferno em busca da alma da sua esposa.
No entanto, na leitura das primeiras trinta e tal pranchas nada o parece indiciar, dando este discípulo de Jacques Martin uma lição de como narrar História aos quadradinhos, com rigor factual mas também com liberdade ficcional num relato dinâmico que consegue captar a atenção do leitor e cativá-lo. Relato esse que mostra o confronto entre os romanos politeístas e os cristãos monoteístas, com estes desde logo a mostrar pouco amor e caridade, optando antes por impor pela força a sua vontade e crenças, contrariando claramente os ensinos daquele que diziam seguir. Tal como sempre aconteceu desde então…
Para a conquista do leitor atrás referida, contribui igualmente o traço realista e pormenorizado mas desenvolto e com espaço para respirar, em grande parte devido à opção (quase sempre) de apenas três tiras por página o que permite vinhetas menos preenchidas e mais legíveis.

A par disso, nas primeiras páginas, Chaillet mais do que uma vez opta por pranchas duplas, com tiras longas que as ocupam de uma extremidade à outra, conseguindo magníficos planos de conjunto e imprimir uma dinâmica de leitura que se contrapõe à maior dose de informação necessária para o arranque da história.
Depois, já na fase final deste tomo – o primeiro de cinco, o último dos quais foi terminado por Ansar, devido ao falecimento do criador da série – quando a temática histórica já captara na íntegra o interesse do leitor, dá-se o volte-face com a descida (literal) aos Infernos do protagonista.
O que ela nos irá trazer – e muito fica prometido - fica reservado para o segundo tomo, porque para já está quase tudo em aberto e as respostas dadas são quase nenhumas.


A reter
- A surpresa da combinação do relato histórico inicial com o tom claramente fantástico que ele depois assume.
- O grafismo de Chaillet, com o rigor conhecido e a mais-valia de uma planificação mais desenvolta.
- A boa edição da NetCom 2 Editorial: boa encadernação, bom papel, boa impressão…

Menos conseguido
- … que, também por isso, merecia uma legendagem à altura.
- Mais uma vez, a parca distribuição que o álbum tem. O que, ao fim e ao cabo, tem que ser aceite, devendo cada um dos potenciais leitores vencer a tradicional inércia e proceder à encomenda online, no site da editora


6 comentários:

  1. Jorge Fernandes20/2/13 22:14

    Um álbum de uma série realizada por um grande nome da BD, e ainda por cima passado numa época que me fascina... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Embora o Jorge seja suspeito - ;) - assino por baixo!
      Boas leituras... desta e doutras épocas!

      Eliminar
  2. "Mais uma vez, a parca distribuição que o álbum tem. O que, ao fim e ao cabo, tem que ser aceite, devendo cada um dos potenciais leitores vencer a tradicional inércia e proceder à encomenda online, no site da editora…"

    Não sei se deve atirar a culpa para o leitor/consumidor até porque ele não tem culpa da baixa tiragem e destribuição,porque tem de ser sempre ele a arcar com o "possivel fracasso" de vendas criado pela editora??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Optimus,
      A culpa não é dois leitores; quando muito é dos não leitores!
      Agora, a questão neste caso - era essa a minha ideia pelo menos - é outra: se queres o livro e não o encontras, tens que ir atrás dele...
      Se existisse um verdadeiro mercado online, ganharíamos todos, pois as editoras poderiam poupar uma boa parte da percentagem que cabe às distribuidoras.
      Boas compras... e boas leituras!

      Eliminar
  3. Anónimo9/4/13 20:08

    Admiro (embora não seja fã incondicional) a escola de Chaillet e Martin e o que você escreveu sobre este álbum deixou-me com "água na boca". Vou tentar comprá-lo na FNAC... se o encontrar na loja de Cascais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Anónimo,
      Também não sou incondicional dessa linha histórica, embora lhe reconheça muitos méritos e algumas obras muito interessantes. Esta, é uma delas.
      Suponho que não deve ser difícil encontrá-lo em qualquer FNAC, pois as edições da NetCom2 começaram agora a ser lá distribuídas.
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...