Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

07/01/2013

O Mistério do Traction 22











As Investigações de Margot #1
Olivier Marin (argumento e desenho)
Emilio Van Der Zuiden (desenho)
NetCom2 Editorial
(Portugal, Dezembro de 2012)
240 x 320 mm, 48 p., cor, cartonado
15,00 €



Resumo
Margot é uma jovem estagiária de uma revista desportiva a quem entregam uma reportagem “impossível”: descobrir o rasto do mítico Citroen Traction 22, um protótipo dos anos 30 que nunca chegou à linha de produção.
Mas, decidida a fazer boa figura, insistente e perspicaz, Margot acaba por chegar bem mais longe do que esperavam os colegas que contavam rir-se à sua custa…

Desenvolvimento
O aparecimento de uma nova editora em Portugal é uma boa notícia. Para mais, porque tem um plano editorial bem definido – decalcado do que é seguido (com sucesso) pela casa mãe espanhola – o que não tem acontecido muitas vezes entre nós.
No caso, o estilo é a linha clara e o modelo aquele que fez a glória da banda desenhada franco-belga. Dirigido, por isso, a um público específico, possivelmente saudosista da revista Tintin, embora não sejam os seus heróis aqueles que vão encontrar (o que não invalida que estas primeiras apostas não encaixassem perfeitamente na sua linha editorial).
“As investigações de Margot”, primeira das duas séries disponibilizadas (a segunda é “Keos”, de sobre a qual conto escrever em breve), para além das características já indicadas atrás, tem como atractivo extra - para um segmento específico, onde se encontram, por exemplo, os fãs de Michel Vaillant – a temática automóvel, neste caso em torno da marca Citroen.
Com os defeitos geralmente associados ao tomo inicial de uma série de autores também em estreia – um desenho aqui e ali inseguro, ainda à procura da sua própria identidade; a falta de familiaridade com as personagens; uma ou outra falha argumental – “O mistério do Traction 22”, ambientado no final da década de 1950, revela-se uma leitura ligeira e despreocupada, com uma construção relativamente consistente, em crescendo, com algumas surpresas pelo meio e próxima do registo policial pelo tom de investigação que assume, da qual ressalta a paixão do argumentista (e desenhador dos cenários e viaturas!) pela história automóvel. De realçar ainda o toque de realismo devido ao facto de o tema central do livro se basear num mistério real, pois o Citroen Traction 22 existiu mesmo, sabendo-se que foram fabricados dele apenas entre 6 e 20 exemplares.
Van Der Zuiden é um pouco vítima da indefinição do tom deste de estreia, onde ressalta um erotismo demasiado púdico e um espírito algo benevolente, mas a clara evolução do seu traço ao longo do álbum e algumas belas vinhetas e páginas nele incluídas deixam vontade de descobrir novos trabalhos deste autor.

A reter
- Uma nova editora de BD é sempre uma boa notícia.
- O toque de credibilidade dado pela base verídica da história.
- A bela Margot que Van Der Zuiden nos mostra a espaços.
- O dossier que encerra o álbum, com a “justificação” de Olivier Marin para a série…
- … e com o Traction 22 e Margot desenhados por outros autores. Que deixa água na boca ao imaginar a série ilustrada por Romain Hugault…!

Menos conseguido
- A parca distribuição deste álbum (disponível apenas online, onde é possível ler as primeiras páginas deste álbum e em lojas seleccionadas) o que lhe retira visibilidade e, consequentemente, vendas(?).
- Alguma indefinição em termos do tom a adoptar, apesar de tudo “desculpáveis” num primeiro álbum.


12 comentários:

  1. " A parca distribuição deste álbum (disponível apenas online, onde é possível ler as primeiras páginas deste álbum e em lojas seleccionadas) o que lhe retira visibilidade e, consequentemente, vendas(?)."

    Pois esta é que o calcanhar de aquiles.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Optimus!
      Esse é - cada vez mais embora sempre tenha sido - o grande problema da BD em Portugal: a distribuição. Porque come uma enorme fatia do preço do álbum (35 %, 40%, 50%...), porque não garante vendas nem visibilidade...
      Se existisse uma boa - ou pelo menos razoável - rede de lojas especializadas, poderia ser uma solução, mas como não há...
      Claro que a reduzida dimensão do mercado e a habitual inércia, tornam complicado privilegiar apenas - ou principalmente - a venda online.
      Espero que a NetCom2 consiga, de alguma forma, dar a volta a este problema, para garantir a sua continuidade e maior diversidade de oferta de BD em português...
      Boas leituras... compradas em livraria ou online!

      Eliminar
  2. Jorge Fernandes8/1/13 21:27

    Obrigado Pedro, pela resposta já dada, que era precisamente o que eu ia aqui escrever. :)
    De facto, muitas vezes o leitor não tem noção disto, e eu confesso que também não tinha, a distribuição, como muito bem disse o Pedro, come uma boa fatia do preço do álbum. E as percentagens que o Pedro aponta estão perfeitamente correctas.
    Por isso, há que procurar alternativas para vender os álbuns fora das livrarias que comem estas percentagens enormes. Caso contrário, as alternativas seriam aumentar os preços dos álbuns, prejudicando o comprador, algo que está completamente fora da estratégia da NetCom2, ou estar a fazer edições quer não fossem rentáveis, o que, naturalmente, poderia por em causa o próprio projecto da editora para Portugal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Jorge!
      De nada. Como já disse, espero que a NetCom2 Editorial consiga encontrar o seu público.
      Iniciativas como a que vai ocorrer em Madrid em Fevereiro poderão ser uma das alternativas - para quando algo assim em Portugal? - e os festivais nacionais poderão ser outro excelente local para encontrar os seus leitores...
      Boas leituras!

      Eliminar
    2. Efectivamente tens razão... pelo Romain Hugault é que era!
      lol
      O desenho por vezes não é o melhor, é um pouco irregular na qualidade!
      ;)

      Eliminar
    3. Sim, Nuno, ficava uma série de encher o olho...! ;)
      Boas leituras!

      Eliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Jorge Fernandes9/1/13 23:02

    Viva!
    Antes de mais há que referir que a iniciativa de Madrid está aberta aos fãs portugueses.
    Neste momento, de inicio da sua presença em Portugal. talvez seja um prematuro falar deste género de iniciativas aqui.
    No entanto, acredito que a editora possa ser até um pouco mais arrojada aqui do que foi no inicio em Espanha. Está bem, e recomenda-se!
    No entanto, cabe sempre aos leitores ter a oportunidade de terem este géneros de iniciativas. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Jorge,
      Em tempos de crise, Madrid fica um pouco longe...
      Claro que o "pedido" de algo similar em Portugal foi apenas uma alfinetada, mas talvez seja possível equacionar a sua integração numa das manifestações em prol da BD já existentes...
      E percebo perfeitamente que algo desse género dependa da aceitação dos novos títulos da NetCom2 por parte dos leitores...
      Boas leituras!

      Eliminar
    2. Jorge Fernandes10/1/13 22:29

      Viva!
      É verdade Pedro; infelizmente quase tudo fica um pouco longe estes dias... :(
      Quanto à possibilidade da presença, num futuro próximo, da NetCom2 em iniciativas e manifestações ligadas à BD, ela estará sempre em aberto. :)

      Eliminar
  5. Mas a maioria só compra as bds em Fnacs e Bertrands para basta ver as estantes,especialmente depois do natal.
    A Booksmile até já pos nessas lojas 3 volumes de Scott Pilgrim agora a 5 €s.

    ResponderEliminar
  6. Jorge Fernandes16/1/13 12:10

    Optimus:
    Não está fora de hipótese colocar os livros nas fnacs, bertrands, e afins.
    Para já conseguimos encontrar alternativas, noutras livrarias, onde os fans podem encontrar os livros.
    E não te esqueças que, na compra de 2 livros, desde que feita directamente no site da editora, os portes são grátis! ;)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...