Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

29/01/2013

La vie de Mahomet

1ére partie: Les débuts d’un prophète









Hors-Série Charlie Hebdo #8H
Zineb (argumento)
Charb (desenho)
Charlie Hebdo
(França, Janeiro de 2013)
207 x 300 mm, 64 p., cor, brochado
6,00 € (8,50 € em Portugal*)


O anúncio de uma biografia desenhada de Maomé, a lançar pela Charlie Hebdo, provocou uma tempestade mediática, que extravasou do espaço original francófono, atingindo toda a Europa ocidental, Portugal incluído. 
Duma edição deste género, a par desta incontornável componente mediática, esperava-se também uma grande dose de provocação. Pelo tom satírico (mais do que) provável ou, quanto mais não fosse, pelo facto de uma obra deste cariz obviamente apresentar um retrato desenhado do profeta do Islão, o que – supostamente? – contraria os seus ensinos. Ou talvez não, segundo os autores, em mais uma prova que no Islão – tal como no catolicismo – se dá demasiada importância à tradição ao mesmo tempo que se desconhecem os ensinamentos que deveriam servir de base.
Claro que uma aposta editorial deste género, implica também um risco – impossível de calcular – pois pode resultar numa (re)acção (de algum fanático extremista) semelhante aquela que há pouco mais de um ano resultou na destruiçãoda redacção da mesma revista Charlie Hebdo.
Se tudo isto promoveu - de certeza - boas vendas, acabou de igual modo por tornar secundário o mérito artístico da obra em si.
Quando afinal, apesar de tudo isto – ou por causa de tudo isto? – os autores – Charb, na contracapa, e Zineb, no prefácio – defendem para a sua obra apenas o propósito dar a conhecer à sociedade francesa – onde o Islão tem um lugar cada vez mais representativo, dada a mescla cultural nela existente – a vida e obra do profeta Maomé que, ao contrário das de Jesus ou Moisés, é praticamente desconhecida.
Por isso, escreve Zineb, “trata-se de um livro sério, que obrigou a longos meses de pesquisa, para ilustrar o percurso de um homem, Maomé, tal e qual é descrito nas próprias fontes islâmicas. (…) Cada anedota, cada frase posta na boca de Maomé está anotada e reencaminha para referências bibliográficas cuja autenticidade nem os mais rigorosos clérigos islâmicos contestarão”.
Desta forma, desenganem-se os que esperavam rir de capa a capa ou, no mínimo, encontrar uma versão caricaturada de Maomé. O único factor que, numa primeira fase, poderá levar a isso, é o desenho caricatural, rápido e mais eficiente que agradável, de Charb, com as suas personagens feias e grotescas. Depois, com a continuação do relato, esse efeito inicial perde-se acabando por se destacar a legibilidade do traço.
Quanto à narrativa, dividida em curtos capítulos (1 a 4 páginas) auto-conclusivos, traça o percurso do futuro profeta desde o casamento dos seus pais até à tomada de consciência da sua missão, aos 40 anos. A utilização de citações na grande maioria dos balões de fala, que remetem à bibliografia (que ocupa as 3 últimas páginas do álbum), pela linguagem utilizada, quase sempre demasiado circunstancial, limita o ritmo narrativo e acaba por tornar algo penosa a leitura, apesar do contraste que o traço de Charb representa.
Esvaziando, assim as razões para a polémica? A resposta cabe aos extremistas e fanáticos…

*Nota
Encontrei esta edição à venda na semana passada, no quiosque do El Corte Inglès de Vila Nova de Gaia.


6 comentários:

  1. Isto deve ser particularmente interessante...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Luís,
      Não tanto como eu imaginei...
      Mesmo assim, boas leituras!

      Eliminar
  2. O contraste entre o cartoon e a seriedade do texto pode ser prejudicial talvez ao ambiente do trabalho, não ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, Luís,
      Para mim o problema é mesmo o uso de citações nos diálogos, que "emperra" o ritmo de leitura da história...
      Boas leituras!

      Eliminar
  3. Olá Pedro,
    Pelo contrário, a vida de Maomé e de Moisés são bastante descritas nos seus respectivos textos. A de Jesus é que não tem fonte narrativa. Repara que só sabemos como nasceu e os meses imediatamente anteriores à sua morte. O que fez dos 6 meses aos 30 anos é praticamente (se não totalmente) desconhecido. Uma obra destas sobre Jesus não poderia ser baseada em escrituras pois não haveria material suficiente sobre a sua vida. Apenas o nascimento ou morte.
    Em relação à editora, independentemente de a obra ser mais ou menos 'atrevida', nos tempos que correm é de saudar a coragem que tiveram para mandar cá para fora tal livro. Depois do que se passou nos anos recentes com os episódios dos 'cartoons' é de estranhar não haver mais coragem por parte da sociedade ocidental, não para provocar, mas para defender a liberdade de expressão de cada um.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Luís,
      Mesmo assim, o que se sabe sobre Jesus - "tradições" incluídas - é bem mais do que o que se conhece sobre Maomé, pelo menos no que diz respeito à sociedade ocidental...
      Quanto à editora, a coragem anda de braço dado com o mediatismo e o lucro, certamente...
      E o mesmo se pode dizer das opções da sociedade ocidental, sendo que neste caso o lucro - de onde vem o petróleo? - é o principal valor a proteger a todo o custo...
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...