Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

22 de janeiro de 2013

El Hombre Hormiga










Primera Temporada
Tom DeFalco (argumento)
Horacio Domingues (desenho)
Panini Comics
(Espanha, Dezembro de 2012)
170 x 260 mm, 112 p., cor, cartonado
13,95 €



Resumo
Recém-viúvo, filho de um pai que nunca lhe prestou atenção e que expulsou a mãe de casa, Hank Pym é um cientista genial, cujos inventos poderão mudar o mundo, desde que se consiga encontrar a si próprio no meio dos muitos problemas e inseguranças em que vive.
Esta é a (nova) origem do Homem-Formiga, recontada em tom juvenil.

Desenvolvimento
Se há coisa que a Marvel tem sabido fazer, ao longo de décadas de existência, recorrentemente, é recontar a origem dos seus protagonistas, apresentando-os a novos leitores e/ou adaptando-os aos novos tempos que correm, completando ou complementando as situações que estiveram na sua base, fortalecendo ou renovando a sua mística.
Embora algumas vezes com equívocos, opções (no mínimo) duvidosas ou mesmo traições às suas memórias e às memórias que os leitores deles guardaram.
No entanto é reconhecido que, nalguns casos, tornavam-se imperiosas rectificações pois aquilo que era aceitável para os leitores de há 30, 40, 50 anos, é hoje pouco credível ou mesmo ridículo, pela sua ingenuidade, inverosimilhança e/ou inconsistência.
Este é, aliás, o principal problema deste “El Hombre Hormiga”, a falta de coerência na forma como Hank Pym aumenta ou reduz o seu tamanho, libertando o gás de uma das ampolas que carrega no seu cinto, sem que isso afecte aqueles que o rodeiam. A isto há que acrescentar que também os objectos que lhe estão próximos ficam imutáveis, apesar de que tudo o que traz vestido ou na mão acompanha proporcionalmente as suas mudanças de tamanho…
Mas, deixemos isto de lado – que pertence aquela zona de credulidade necessária para desfrutar de relatos fantásticos como são os de super-heróis ou os de ficção-científica – e voltemos um pouco atrás.
A história de Tom DeFalco acentua o estado depressivo de Pym (…comum a vários outros heróis da Casa das Ideias) – em oposição ao seu génio inventivo – e como isso o torna um joguete nas mãos daquele que o querem explorar. O desejo de honrar a memória da mulher – também cientista – e de alguma forma de a fazer reviver através desse trabalho, dão-lhe as forças necessárias para prosseguir com a investigação que o levará a descobrir a fórmula do gás que altera a sua estatura e também uma forma de comunicar com insectos que, melhor do que os humanos, se virão a revelar verdadeiros aliados.
A descoberta, demasiado importante e financeiramente muito valiosa, desperta a cobiça do seu empregador que desde o início planeia apoderar-se dela para seu próprio proveito, transformando Pym num fugitivo, primeiro, e num super-herói, mais tarde.
É esta a base desta adaptação aos nossos dias da origem do Homem Formiga – publicada originalmente nos EUA, na colecção Season One, renovando o Ant Man criado em 1962, pelos geniais Stan Lee e Jack Kirby, na revista “Tales To Astonish #27”, que deverá protagonizar um dos próximos filmes da Marvel, daí este “regresso ao seu passado”.
Escrita de forma competente por Tom DeFalco – apesar da explicação por dar, pelo menos até agora, das razões que levaram à morte de Maria - aqui e ali com bem conseguidos apontamentos de humor que ajudam a libertar alguma da tensão que se vai acumulando, tem por público-alvo uma faixa etária essencialmente juvenil (com o claro propósito de conquistar novos leitores), quer pelo tom da escrita, quer pelo traço solto, linear e bastante legível de Horacio Domingues, que consegue de forma satisfatória resolver ao nível gráfico, as questões relacionadas com as sucessivas alterações de tamanho (e consequentemente de escala) do protagonista.
E cujo trabalho pode ser analisado com maior pormenor no dossier que encerra o volume, onde são reproduzidas como esboço, desenhadas a lápis e passadas a tinta algumas das páginas do livro.


2 comentários:

  1. "apresentando-os a novos leitores e/ou adaptando-os aos novos tempos"

    A pior parte é que parecem que tanto Marvel Season one e Dc Earth One andam atrás do mesmo,apesar da 2a parecer ter mais cuidado com as equipas criativas mais cuidadas e menos lançamentos,ao contrario da Marvel Season one que começou depois e já tem mais hcs de quase todo o universo.
    A busca por novos leitores continua aqui depois de Ultimates,All Stars,New 52 e Marvel Now só para citar a ultima década da busca de "novos leitores"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Optimus,
      É verdade que esta estratégia da Marvel e/ou da DC Comics é uma espada de dois gumes pois o que ganha com novos leitores, pode perder nos antigos que não se revêem nas novas propostas.
      E, depois - ou talvez antes de tudo - esta é uma estratégia para ganhar dinheiro, ao fim e ao cabo o principal propósito d(est)as editoras...
      Boas leituras... novas ou clássicas!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...