Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

27/12/2012

Entrevista com Chico Caruso


“O desenho é a minha forma de comunicar com o mundo.”





  




Chama-se Francisco Paulo Hespanha Caruso e tem 62 anos pois nasceu em São Paulo, no Brasil, em 6 de Dezembro de 1949, mas é mais conhecido como Chico Caruso, nome com que assina os cartoons editorais que publica diariamente na primeira página do jornal brasileiro O Globo desde 1984.
Aproveitando uma breve passagem, no passado dia 15 de Dezembro, pelo Porto e pelo Museu Nacional da Imprensa, por sugestão do seu director, Luís Humberto Marcos, tive com ele a conversa que se segue, que serviu de base a um texto publicado no Jornal de Notícias de 26 de Dezembro último, na qual descobri um interlocutor, jovial, disponível e divertido.


As Leituras do Pedro – Como é que se tornou cartoonista?
Chico Caruso – Como eu e meu irmão [Paulo Caruso, também cartoonista e autor de BD] éramos gémeos e nesse tempo havia a crença que um dos gémeos morria sempre, estávamos sempre fechados dentro de casa. O meu avô, que era pintor amador, para nos entreter, ensinou-nos a desenhar. Jogávamos mal futebol, fazíamos tudo mal. O meu irmão ainda conseguiu aprender a tocar piano e viola, mas a única forma com que consigo comunicar com o mundo é a desenhar.

ALP – Quando é que começou a publicar cartoons?
CC – Comecei a trabalhar em 1967, estava no 2.º grau, na escola. Tinha 17 anos e precisava de arranjar um emprego, mas um emprego para trabalhar 2 horas por dia, senão não teria tempo para ir à escola, para ir ao cinema, para estar com os amigos… Comecei a desenhar para um jornal, só que era um vespertino e eu trabalhava das 4h30 às 6h30 da manhã. Levava o uniforme e quando saía do jornal ia para a escola. Dormia das 6 da tarde às 4 da manhã…
Por isso, nós devemos desejar, mas é bom detalhar também (risos)! Se não detalharmos, acabamos por apanhar com o palhaço! Mas como foi uma coisa que se desejou… “São só duas horas? Eu quero!”

ALP – Continua a trabalhar só 2 horas por dia?
CC – Continuo, continuo! Passo a maior parte do dia a ler o jornal. Vou para O Globo por volta das quatro e meia da tarde e leio jornais até às seis horas da tarde… Leio 4 ou 5 jornais à moda antiga, em papel, virar as folhas, isso tudo! Depois, entre as 6 e meia e as 8 horas tenho que resolver o desenho!

ALP – Faz só um desenho por dia?
CC – Sim, só um.
ALP – Pergunto porque há cartoonistas que num dia ou dois fazem os desenhos para toda a semana…
CC – Como eu faço cartoon político, cartoon editorial, diariamente na primeira página do jornal, tem que estar relacionado com os acontecimentos do dia. Isso é algo que eu acho fascinante, fazer uma síntese dos factos do dia com humor. Por vezes há acontecimentos a que eu chamo um filão, temas que dão para trabalhar em sequência uma semana inteira, mas são raros.

ALP – Começou logo com cartoons políticos…
CC – Sim… Quer dizer, no início eu fazia 10 desenhos, de futebol, de actualidade… Mas era um tempo de repressão política, eu fazia cartoon político, mas foi o primeiro a acabar quando chegou o Acto Institucional n.º 5 que censurava a imprensa e eu acabei a fazer só ilustração de crónicas, futebol, horóscopos… Depois a censura foi-se amenizando e eu voltei para o cartoon político.
Nesse ínterim tinha surgido “O Pasquim”, em 1969, que foi uma revolução. Todos a imprensa estava censurada e aqueles jornalistas, que já tinham anos de profissão, de experiência, de cartoons, de imprensa, Jaguar, Ziraldo, Millôr Fernandes, Claudius, estavam juntos num único jornal. Começou com uma tiragem de 5.000 exemplares e rapidamente atingiu os 200 mil, uma tiragem enorme para aquela época! Foram os heróis da redemocratização! Nós, hoje, ainda somos discípulos deles!

ALP – Chegou a ter problemas com a censura?
CC – Censura… Quando eu trabalhava no jornal “Opinião” havia censura prévia. Eu tinha de produzir material que dava para três jornais para ser aprovado um! Isso também me deu uma certa agilidade, obrigava-me a conseguir três ou quatro soluções gráficas para o mesmo tema.
Para além disso, existem também as questões editoriais… Cada jornal tem a sua linha editorial própria, é preciso saber contorná-la, manipulá-la… (sorrisos)
Eu trabalho desde 1967, estou quase a fazer 35 anos de profissão…
ALP – 45!
CC – 45? Não, não pode ser!

ALP – Tem limites para os seus desenhos, faz alguma autocensura, há temas que não aborda?
CC – A liberdade que nós temos é a liberdade que o político cria, as declarações que fazem. Uma vez o [presidente] Fernando Collor estava em briga com o Congresso, por causa do impeachement e chamou “cagões” aos deputados. Por isso, eu desenhei-o sentado no Congresso, com as calças arreadas e isso deu para uma série de vários desenhos. Mas foi ele que o provocou, ao utilizar uma expressão escatológica… Foi ele que abriu a porta e nós aproveitamos e seguimos essa linha…

ALP – No jornal “O Globo” é limitado de alguma forma, tem que submeter o seu trabalho a alguém previamente, discute-o com a redacção?
CC – Não, eu entrego o desenho já pronto!
No tempo em que o dr. Roberto Marinho (1904-2003) ainda estava vivo, ainda era director do jornal, por vezes ele não gostava de um desenho e chamava-me para conversar. Começava por contar uma história, para chegar a uma mensagem final.
Uma vez contou-me uma que considero antológica: “O Globo”, quando começou, era no centro da cidade e havia um circo que pertencia a um empresário que era amigo dele. O Dr. Roberto Marinho ia muitas vezes lá com os amigos. Uma vez, cruzaram-se com ele, que era muito folclórico e andava sempre com trocos nos bolsos, moedas e notas pequenas. Quando os artistas do circo iam ter com ele e pediam aumento, ele dizia “Eu não tenho dinheiro, só tenho isto” e metia as mãos no bolso e dava-lhes alguns trocos.
Um domador muito bom, que começou a ficar muito famoso, pediu-lhe aumento. Ele ia utilizar o mesmo estratagema, mas o domador disse-lhe: “Não venha com essa história, eu já o conheço! Se não me der o que quero, segunda-feira venho buscar o leão e vou embora”.
O dono do circo pensou e na segunda-feira, quando o domador chegou com quatro homens fortes para carregarem o leão e a jaula, ele disse:
- Olha, a jaula é minha, se quiser leva só o leão.
A mensagem para o cartoonista era evidente: a jaula – o jornal – era dele; quando ele quisesse dava um chuto no rabo no leão! (gargalhada)
Aos poucos o Dr. Marinho foi-se afastando do jornal e veio um novo chefe editorial com quem estabeleci um bom relacionamento, o que não impediu algumas brigas. Uma vez não quis publicar um desenho meu, eu levei-o ao Dr. Roberto, e ele autorizou-o, rubricou-o de lado. Fui ter com ele e mostrei-lhe a assinatura do velho. Ele mandou recortá-la e publicou-o. Até hoje guardo esse desenho, sem o pedaço que ele tirou! (risos) Na altura isso foi uma revolução na redacção, porque eu passei por cima do chefe!

ALP – Qual é o seu método de trabalho? Depois de ler os jornais…
CC – Deixo a caneta pensar! A lógica visual tem que surgir. Se tem uma boa ideia mas não a consegue sintetizar numa imagem, não serve de nada. Depois de ler jornais completamente despreocupado, as imagens que me marcaram, o texto que consegui fazer, vão encaminhando para uma síntese, com humor. Eu passo quatro ou cinco horas a ler jornais e depois em 30 ou 40 minutos tenho que chegar a essa síntese. A seguir, demoro mais uma hora, uma hora e meia para executar o desenho, pintá-lo… Costumo dizer que é como fazer um bordado, vou-o trabalhando, dourando a pílula, mas o principal é chegar à síntese inicial. É esse o meu método, o “Método Chico Caruso”!
O meu irmão costuma dizer que usa o “Método Paulo Caruso”, que é fazer exactamente o contrário do que eu faço! (gargalhada)

ALP – Os vossos traços têm muitas semelhanças…
CC – Sim, mas ele foi sempre mais prolixo… Ele toca violão, piano, vários instrumentos, ele procura o envolvimento total… Nos quadrinhos ele desenha cenários… Eu não gosto de desenhar cenários! Desde sempre os desenhos dele tinham 15 cowboys, 15 bandidos, índios, o comboio, a cidade… O meu só tinha o bandido e o mocinho! (risos) Eu sempre fui mais sintético!

ALP – Disse que ele toca, mas integra uma banda com ele…
CC – Sim, temos uma banda de caricaturas musicais!
ALP – Como é que isso funciona?
CC – Na época do general Figueiredo ele começou a fazer alguns temas de caricatura política, mas com músicas bonitas! Eu disse-lhe: “Vai estragar essas músicas com políticos? Os políticos passam, as músicas ficam. Se fizer uma música sobre o amor, vai poder vendê-la sempre, pode ser cantada em qualquer lugar… Mas se for sobre o general Figueiredo vai passar…” Mas essa é a nossa vocação, é o nosso vício…!
Começámos com o general Figueiredo e fomos acompanhando a actualidade do Brasil… Na época do Tancredo Neves, escrevemos “A Droga Nova República” quando ele foi para o hospital… [E trauteia]:
“Nessa droga de Nova República
Ministramos o bálsamo ou a súplica,
Nos especializamos em manter
Gente que está para morrer,
Mais algum tempo no poder…”
(ouvir na íntegra aqui)

A mais recente, fizemos na época do Campeonato do Mundo de Futebol na África do Sul [em 2010]; a minha mulher que é morena parece a Michelle Obama; então fizemos uma música com a Michelle Obama e o Zuma, que é presidente da África do Sul. Quando o Zuma viu a Michelle Obama ficou louco e mandou esta letra para o meu irmão! [trauteia]:

“Mandela, mande ela,
Mande ela para cá,
Deixa o Obama para lá!

O Obama é um cara bacana,
Mas Zuma pode encarar,
Vai pegar a Michelle Obama
Zuma, mais uma, vai dar.

Se Obama quiser tirar uma,
Com a cara de Zuma vai ter,
Zuma dá mulher velha para ele
E manda ele se foder…”! (risos)

ALP – Ganhou ódios de estimação como cartoonista, tem inimigos?
CC – Acho que não. No fundo os políticos precisam da imprensa para sobreviver.
O Sarney, por exemplo, quando foi eleito presidente do senado da última vez, fez tudo para ficar no poder. Alguém disse que a caricatura atinge a terceira pessoa, não a primeira. Não sou eu, é ele, que é uma figura pública…

ALP – Então nunca teve problemas com os caricaturados…
CC – Não, nunca…

ALP – E já lhe pediram os desenhos que fez?
CC – Sim, mas é raro… Acontece uma ou duas vezes por ano…

ALP – Como está o cartoon no Brasil?
CC – Há quem diga que a profissão está em extinção, eu acho que é o próprio desenvolvimento da imprensa, mais vocacionada para a internet que o provoca. Dá cada vez menos importância ao cartoon, à caricatura, algo quase primitivo… Eu costume dizer que sou um animal pré-histórico! (risos) De repente posso desaparecer, como os dinossauros!
Vim a Portugal acompanhar o meu filho, Marcos Caruso, que é actor. Ele não gosta de ler jornais, diz que se o jornal fosse bom, lia-se depois. Chegávamos à beira de alguém que nos dizia que estava a ler o jornal de 13 de Abril de 1957. “Porquê?” “Porque é bom!” (risos)
Ele costuma dizer: “qual é o sentido de abrir um papel enorme [estica e abre os braços, como quem lê um jornal tamanho broad-sheet] com letrinha de bula de remédio e ler só um cantinho? Mas eu acho que ele diz isso devido ao complexo de Édipo!
Lembro-me do dr. Roberto Marinho, lendo o jornal com os olhos brilhantes e a dizer assim, com a sua voz grossa e rouca [imita]: “Sabe o que é alguém gostar de alguma coisa? Eu gosto disso aqui!”
Eu leio sempre a Folha de S. Paulo, o Estado de S. Paulo, O Dia (do Rio de Janeiro) e o Globo e lembro-me sempre dele: “Eu gosto disso aqui, eu gosto disso aqui”! Gosto de folhear o papel, de abrir o jornal, com todo o tempo do mundo.
Assim como os outros meios de comunicação nunca derrubaram o anterior – a rádio não derrubou o livro, a televisão não derrubou o rádio, o cinema não derrubou…, eu acho que os jornais em papel e na Internet vão conviver… Mas na minha encarnação não vai dar para aprender a mexer no computador! (risos)
Há cartoonistas que já não têm originais, guardam pilhas de disquetes! Não suja as calças, não suja o chão… (risos) mas acho muito pobre, limitado, trabalhar num espaço tão pequeno, eu já nem vejo direito! Tenho que ter um papel grandão! O Ziraldo a desenhar é uma coisa maravilhosa! Faz gestos largos, canta feliz da vida, assobia, eu também sou dessa escola! O original é algo importante para nós.

ALP – O que é que faz uma boa caricatura?
CC – Acho que é conseguir fazer a síntese do facto político, com humor…

ALP – É fácil fazer humor todos os dias?
CC – Sim… Eu criei um ritmo de vida… De manhã leio o Globo, em casa… Almoço e depois durmo porque no fim do dia não posso ter sono. Preciso disparar uma flecha no fim do dia e se tiver sono posso não acertar! Por volta das quatro horas chego ao jornal e leio até às seis, seis  e meia… E todos os dias há jornais novos para ler, para me alimentarem de notícias, para fazer saltar uma ideia nova…

ALP – Há algum truque quando a ideia não salta?
CC – É o truque de deixar a caneta pensar… No final, dos vários rabiscos que fui fazendo, há um que salta, é o melhor… Não posso tentar resolver só na cabeça, tenho que utilizar a caneta e o papel.

ALP – Ao longo de todos estes anos quais foram os políticos mais difíceis de caricaturar? Ou os mais fáceis…
CC – Os mais feios são os mais difíceis… Uma caricatura de alguém feio dá trabalho… E os mais bonitos também, porque qualquer traço pesa. Desenhar mulheres é difícil, é necessário ser muito preciso, senão estraga-se a caricatura.

ALP – Como é que passa da pessoa para o momento de humor…?
CC – É a exposição que cria a vontade de fazer a caricatura… O presidente, o ministro da fazenda, o ministro da cultura, os que estão mais expostos, são os mais fáceis de caricaturar. E todos os reconhecem. Para a caricatura funcionar, tem que ser reconhecida. Se o politico não tiver exposição, ninguém o vai reconhecer.

2 comentários:

  1. Excelente entrevista! A sério, não sei porquê mas gostei bastante. Talvez fosse por o entrevistado ser tão "bacana" ou por o entrevistador fazer questões que a mim me interessam muito (como por exemplo, sobre o processo de criação da arte). Só sei que gostei bastante :) Venham mais destas.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Luís!
      Obrigado pelo entusiasmo! Não imagina como me faz bem ao ego!
      Foi uma oportunidade que surgiu e que pude aproveitar. O Chico Caruso revelou-se um excelente conversador, muito divertido e eu só lamento não ter conseguido transmitir completamente o humor dele...
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...