Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

13/11/2012

Três sombras











Cyril Pedrosa
Polvo (Portugal, Outubro de 2012)
165 x 230 mm, 270 p., pb, brochado com badanas
17,00 €



Esta é uma obra ao mesmo tempo terna e chocante, cativante e incómoda, doce e angustiante.
E sobre a qual é impossível escrever sem revelar o que está na sua génese, embora isso retire ao leitor a possibilidade d(ess)a descoberta. Por isso, se desejarem, parem por aqui a leitura deste texto e vão à procura deste “Três sombras”, uma das mais aconselháveis bandas desenhadas editadas em Portugal neste (fim de) ano.
Na origem deste livro está uma das mais chocantes e incompreensíveis situações que um ser humano pode experimentar: a perda de um filho pequeno devido a doença. Vivida por um casal amigo de Cyril Pedrosa, empurrou-o a descrevê-la aos quadradinhos como catarse e libertação.
E Pedrosa fê-lo - num preto e branco de traço fino, solto e muitas vezes impreciso, dinâmico e expressivo, vivo e singular, bem distante do abundante colorido de Portugal - de forma terna, comovente, simbólica, metafórica, onírica e maravilhosa, transformando numa fuga (literal) do inevitável o que na vida real prende e imobiliza.
Por isso, em Três sombras, o pequeno Joaquim, que vive despreocupado com os pais, quando três cavaleiros inquietantes começam a rondar o seu lar, é levado pelo progenitor para o mais longe possível, numa viagem singular mas perigosa, durante a qual, para o conservar, o pai experimenta tudo, despoja-se de tudo e (quase) de si mesmo, dá-se completamente, arrisca tudo – até a sua própria identidade e a relação conjugal – a família… - que se revelará finalmente o porto de abrigo, o único local de conforto.
Ode ao amor paternal, retrato maravilhoso da infância – desfrute-se da primeira vintena de pranchas, da harmonia e felicidade familiar que emanam (tal como as últimas) – Três sombras é uma obra profundamente humana, de início enganador que apenas torna mais densa a tragédia, mas também um hino de esperança e de louvor da vida, que deve ser vivida de forma intensa, numa dádiva diária para ser desfrutada plenamente.  



Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...