Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

19/11/2012

Heróis Marvel II - #5 Wolverine: Velho Logan











Mark Millar (argumento)
Steve McNiven (desenho)
Dexter Vines (arte-final)
Levoir/Público (Portugal, 8 de Novembro de 2012)
170 x 260 mm, 216 p., cor, cartonado
8,90 €



Resumo
Há 50 anos, os vilões venceram os super-heróis e passaram a dominar a Terra.
Wolverine – agora apenas Logan – um dos poucos sobreviventes, é agora um agricultor miserável que jurou nunca mais combater nem utilizar as suas garras retrácteis.
Para conseguir pagar aos donos da terra que trabalha, aceita uma proposta do Gavião Arqueiro (que está cego) para o acompanhar como guia numa longa viagem através do território dos EUA, agora dominado por vilões como a família Hulk, o Rei do Crime ou o Caveira Vermelha.

Intróito
Não comprei/vou comprar todos os volumes das séries I e II da colecção Heróis Marvel, que têm sido publicados com o jornal Público desde o início de Julho.
Porque o orçamento não estica, porque já tinha alguns deles em edições que me satisfazem (o Integral Homem-Aranha de Frank MillerHomem-Aranha: A Morte dos Stacy, Guerra Civil) ou porque alguns eram pouco apelativos para mim (Guerras Secretas, Dinastia de M). O que não impediu que, nas compras feitas, experimentasse algumas (fortes) desilusões (Quarteto Fantástico, Nick Fury…)
Em contrapartida, também foi/vai ser uma boa oportunidade de (re)ler outras belas narrativas (Surfista Prateado: Parábola, Demolidor: Renascido), de descobrir fases clássicas (Capitão América – ALenda Viva), de ser surpreendido com boas histórias (X-Men: Os Filhos do Átomo, Hulk: Tempest Fugit, Wolverine: Madripoor, Justiceiro: Diário de Guerra, Homem de Ferro: Extremis)…
Mas, até agora, nenhuma me agradou/surpreendeu/deslumbrou tanto como Wolverine: Velho Logan.

Desenvolvimento
Não fazia parte das minhas opções iniciais, confesso, mas comprei-o por indicação do João Miguel Lameiras – obrigado! – e teve em mim um efeito raro: fui busca-lo ao quiosque, folheei-o, fui para casa, comecei a leitura e só parei quando cheguei ao fim!
Desde logo porque, visualmente é uma obra muito forte. O traço de McNiven e Vines combina um registo hiper-realista, com um trabalho notável ao nível do pormenor (rugas, sombras, músculos…) – apesar dos cenários serem geralmente despojados e quase vazios para darem todo o protagonismo aos seres vivos – com o hiper-exagero das cenas de acção que só é possível encontrar nos comics de super-heróis. Com uma planificação diversificada, que recorrentemente explode em vinhetas de meia página, página inteira ou mesmo dupla página, os donos do traço presenteiam-nos com imagens de impacto indescritível: os saltos do carro-aranha, a derrota do Rei do Crime, o dinossauro Vénon, o esqueleto de Hank Pym estendido na planície árida, os combates contra o Caveira Vermelha ou a família Hulk…
Realçados ainda mais pelo imenso contraste entre o bucolismo da sequência inicial – a opção de Logan - e a violência brutal e sem limites – imagem de marca de Wolverine que este quer esquecer - que esmaga rostos, corta cabeças, estripa corpos, desfigura, retalha, desfaz, explode, destrói…
E se o encanto poderia ficar pelo desenho - e pelo soberbo tratamento de cor que lhe foi aplicado -, a história é tão poderosa como o seu visual. É verdade que evoca de imediato o magnífico western crepuscular Imperdoável, de Clint Eastwood, ou O Regresso do Cavaleiro das Trevas, de Frank Miller, combina uma mão cheia de outras citações reconhecíveis e que o leitor intui rapidamente qual o final que o aguarda – embora esteja longe de adivinhar o caminho que vai ser trilhado para lá chegar! Mas, mesmo assim, a leitura prende, puxa, arrasta o leitor numa vertigem de irresistível entre a lyuta interior de Logan/Wolverine e a violência extrema que caracteriza muitas das cenas.
Mais a mais, porque, ao longo do relato, as surpresas se sucedem, muitas delas como violentos socos no estômago do leitor desprevenido. À cabeça, a razão para a vitória dos vilões sobre os super-heróis, à qual Wolverine surge associado; depois, a actuação da (nova) Mulher-Aranha, o papel da família Hulk, o confronto com o Caveira Vermelha…
Não inocentemente, Wolverine - ou Logan – é o único sobrevivente dos grandes super-heróis, o que leva a que as atenções se concentrem ainda mais nele e na sua (surpreendente) nova postura, especialmente tendo em conta o carácter explosivo e belicoso que se lhe conhecia.
Sem fugir aos exageros típicos dos super-heróis, que resultam em cenas grandiosas, combates épicos e alguma desproporcionalidade – mas que neste relato concreto até são bem-vindos – Millar desenvolve o seu relato – e o mundo (duplamente) apocalíptico em que ele se desenrola, tornando-os credíveis e razoáveis, página após página, e sustentado plenamente o pressuposto que lhe está na origem.


A reter
- O grafismo fabuloso e de grande impacto de McNiven e Vines, que resulta em páginas e sequências memoráveis.
- A forma como Millar sustenta o argumento e torna credível a sua ideia-base.
- A força do conjunto.

Menos conseguido
- Apenas um senão, a forma como Logan/Wolverine derrota o seu adversário no seu último combate. Também não era preciso exagerar (tanto!)…


7 comentários:

  1. Até agora o melhor das duas colecções! Tem uma força brutal, este livro!
    ;)

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Nuno,
      Sem dúvida o melhor!
      Brutal, sendo um bom adjectivo, só dá uma pálida ideia do que o livro é...!
      Boas leituras

      Eliminar
  2. Grande texto, Pedro Cleto. Consegue superar a própria obra, indiscutivelmente notável.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Este livro é fenomenal. Mesmo para quem (como eu) não tem seguido as histórias da Marvel, este livro lê-se muito bem.

    Alias as edições do público têm sido de grande qualidade, não só nas histórias escolhidas mas também na impressão também.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Rui!
      Sim, embora ajude conhecer um pouco da cronologia Marvel, é uma obra com uma imensa força!
      A colecção globalmente está bastante boa.
      Boas leituras!

      Eliminar
  4. Esta história é muito atractiva mesmo já a li no original e mesmo ai vicia.

    "Alias as edições do público têm sido de grande qualidade, não só nas histórias escolhidas mas também na impressão também."

    Como ediçoes hc são mais ao menos,estão muito longe dos tpbs originais em sc e premiere hc ou premiere hc classic,mas para o preço tem uma qualidade razoavel,é só comparar.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...